Avançar para o conteúdo principal

Imigração em queda


Algo está mal quando nem os imigrantes se aguetam no nosso país. Aqueles que fugiram da sua pátria em busca de uma vida melhor, são agora obrigados a fazer segunda escolha (Espanha, França, Alemanha e Bélgica).
Em 2004, por exemplo, e segundo o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras, eram 60 mil os ucranianos que viviam legalmente em Portugal, hoje não passam de 37 mil.
Os próprios portugueses estão também a emigrar, novamente, em grande escala.
Que futuro estará reservado para este Portugal? Eu ainda vou ficando, na esperança de contribuir de forma positiva. Apesar de a partida já ter estado mais longe de se concretizar.
A ver vamos.

(fonte: Revista Visão de 20 de Setembro de 2007)
(fotografia: Petrified Collection)

Comentários

Kitty disse…
Visite e, se puder, ajude:
http://astresmeninasgemeas.blogspot.com/
Obrigada
Portugal está cada vez menos atractivo para quem quer que seja.Uma nuvem cinzenta abateu-se sobre os nossos destinos.
São as condições de trabalho que se deterioram; é o SNS que não responde; é a angústia da incerteza a dominar o quotidiano da maioria das famílias. A injustiça social é gritante e os que se "aproveitam" não páram de acumular riqueza. Mas todos juntos podemos fazer alguma coisa. Há que não desistir.
NINHO DE CUCO disse…
A imigração não pára de cair porque escravo por escravo antes morrer na terra. Portugal está seco e já nada tem para dar. Espraiam-se os olhos tristes por subúrbios sujos e terras do interior abandonadas.
JOY disse…
Pergunto ? onde está a politica de imigração ? Tratamos imigrantes possuidores de conhecimentos profissionais que temos falta em Portugal como escravos em vez de os aproveitarmos para nos ajudarem a termos um pais mais evoluido, não consigo perceber porque não se aproveita e se integra como deve de ser estes imigrantes ?
NÓMADA disse…
Se as PME´s estão a falir, o pequeno comércio a agonizar, o consumo interno a diminuir que podemos nós oferecer aos imigrantes? Os portugueses eles próprios emigram porque cá não têm condições.
CRÍTICO, meu amigo, acabo de atribuir-te, no meu blogue, o prémio de VISITANTE, tu que estiveste ao pé de mim quando cheguei à blogosfera e mal sabia lidar com um blogue. Tens-me acompanhado e apoiado com os teus comentários e incentivos ajudando-me a consolidar o meu espaço. Também quero ajudar-te no teu, com a minha companhia, considerando que tens um capital social, humano e cultural para fazer uma grande obra.
Para já gostaria que continuásses a corrente que comecei e que visa incentivar o visitante a ler, comentar e compreender o espaço que visita para que cada blogue possa, com a sua distintividade, contribuir para um património comum. Nada do que fizermos terá valor se não for lido. Promovamos pois uma ampla participação.
Um abraço sempre
Boris disse…
A imigração tem sido um fenómeno muito mal acompanhado no nosso País. Tem servido para as mais ignóbeis explorações, quer a nível de trabalho quer de alojamento, para tráfico humano e para muitas outras coisas que nos envergonham. Nunca houve preocupação em integrar os imigrantes. Porra, se há tanto licenciado desempregado e com cursos na área social porque não os põem a tratar deste assunto?
Crítico disse…
Obrigado pelo apoio Silêncio Culpado. Houvesse mais tempo e certamente escreveria bem mais e ampliaria a temática.
Muito obrigado do fundo do coração.

Mensagens populares deste blogue

Mike, o galo sem cabeça

Quantos tempo conseguirá uma galinha viver sem cabeça?
Se me fizessem essa pergunta há uma semana responderia, sem sombra de dúvidas: uns minutos, no máximo. Contudo, ao saber do que se passou no Colorado, EUA, em 1945, faz com que hoje tenha opinião diferente.
Nesse ano longínquo, Lloyd Olsen na tentativa de matar um jovem galo para o jantar não cumpriu na perfeição o serviço e o galo sobreviveu, pasme-se: sem cabeça.
A veia jugular e o troco cerebral não foram danificados o que permitiu ao bicho sobreviver.
Artigos sobre o tema foram publicados nas revistas Time e Life, e hoje em dia existem vários sites que atestam este fenómeno, como pode ver no fim deste post.
O dono do "afortunado" galináceo, com olho para o negócio, não perdeu tempo e passou a cobrar 25 cêntimos para quem quisesse ver Mike, nome que lhe fora atribuído.
Os espectáculos de rua sucediam-se e no auge do sucesso Mike ganhava 4.500 dólares por mês e valia 10.000.
Seguiu-se uma fase negra para o mundo aviário, pois…

Doar para um mundo melhor

A doação faz parte da boa cidadania, da ética, e do cidadão do século XXI. Ao contrário do que possa parecer aos mais distraídos, vivemos num mundo cada vez melhor, longe de ser perfeito claro, e ainda com grandes diferenças sociais, mas muito mais esbatidas do que há 50 ou 100 anos.Veja-se por exemplo o número de pessoas que hoje vive em pobreza extrema (1,90 dólares/dia), pela primeira vez desceu abaixo dos 10% da população mundial. Em 1990 esse número era de 36%, hoje é de 9%. Muito graças ao mundo globalizado em que hoje vivemos e sobretudo à solidariedade de muitos.Está na dúvida a quem doar? Veja o seguinte site, organização fundada por Peter Singer: http://www.thelifeyoucansave.orgTenha um bom 2019 e faça com que outros o tenham também.Obrigado!

Aldeia demasiado global?!

Vivemos num mundo muito pequeno, numa aldeia global, graças às comunicações que foram sendo estabelecidas ao longo da História e com um grande contributo da expansão marítima portuguesa. Martin Page até escreveu o livro Portugal, a primeira aldeia global. Em pleno século XXI ninguém está longe, todos estamos à distância de um click. Contudo, é extraordinário como com todas essas potencialidades de proximidade relativa se vivam tempos de tanta distância entre pessoas que vivem lado a lado. A tecnologia que serviria para falarmos, vermos, a grandes distâncias são a razão pela qual as pessoas não se comunicam a curtos metros, pois cada um está ofuscado com a luminosidade do seu ecrã. A tecnologia de ponta só fará sentido se melhorar a nossa qualidade de vida e não o contrário. Bom ano!