Avançar para o conteúdo principal

Imigração em queda


Algo está mal quando nem os imigrantes se aguetam no nosso país. Aqueles que fugiram da sua pátria em busca de uma vida melhor, são agora obrigados a fazer segunda escolha (Espanha, França, Alemanha e Bélgica).
Em 2004, por exemplo, e segundo o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras, eram 60 mil os ucranianos que viviam legalmente em Portugal, hoje não passam de 37 mil.
Os próprios portugueses estão também a emigrar, novamente, em grande escala.
Que futuro estará reservado para este Portugal? Eu ainda vou ficando, na esperança de contribuir de forma positiva. Apesar de a partida já ter estado mais longe de se concretizar.
A ver vamos.

(fonte: Revista Visão de 20 de Setembro de 2007)
(fotografia: Petrified Collection)

Comentários

Kitty disse…
Visite e, se puder, ajude:
http://astresmeninasgemeas.blogspot.com/
Obrigada
Portugal está cada vez menos atractivo para quem quer que seja.Uma nuvem cinzenta abateu-se sobre os nossos destinos.
São as condições de trabalho que se deterioram; é o SNS que não responde; é a angústia da incerteza a dominar o quotidiano da maioria das famílias. A injustiça social é gritante e os que se "aproveitam" não páram de acumular riqueza. Mas todos juntos podemos fazer alguma coisa. Há que não desistir.
NINHO DE CUCO disse…
A imigração não pára de cair porque escravo por escravo antes morrer na terra. Portugal está seco e já nada tem para dar. Espraiam-se os olhos tristes por subúrbios sujos e terras do interior abandonadas.
JOY disse…
Pergunto ? onde está a politica de imigração ? Tratamos imigrantes possuidores de conhecimentos profissionais que temos falta em Portugal como escravos em vez de os aproveitarmos para nos ajudarem a termos um pais mais evoluido, não consigo perceber porque não se aproveita e se integra como deve de ser estes imigrantes ?
NÓMADA disse…
Se as PME´s estão a falir, o pequeno comércio a agonizar, o consumo interno a diminuir que podemos nós oferecer aos imigrantes? Os portugueses eles próprios emigram porque cá não têm condições.
CRÍTICO, meu amigo, acabo de atribuir-te, no meu blogue, o prémio de VISITANTE, tu que estiveste ao pé de mim quando cheguei à blogosfera e mal sabia lidar com um blogue. Tens-me acompanhado e apoiado com os teus comentários e incentivos ajudando-me a consolidar o meu espaço. Também quero ajudar-te no teu, com a minha companhia, considerando que tens um capital social, humano e cultural para fazer uma grande obra.
Para já gostaria que continuásses a corrente que comecei e que visa incentivar o visitante a ler, comentar e compreender o espaço que visita para que cada blogue possa, com a sua distintividade, contribuir para um património comum. Nada do que fizermos terá valor se não for lido. Promovamos pois uma ampla participação.
Um abraço sempre
Boris disse…
A imigração tem sido um fenómeno muito mal acompanhado no nosso País. Tem servido para as mais ignóbeis explorações, quer a nível de trabalho quer de alojamento, para tráfico humano e para muitas outras coisas que nos envergonham. Nunca houve preocupação em integrar os imigrantes. Porra, se há tanto licenciado desempregado e com cursos na área social porque não os põem a tratar deste assunto?
Crítico disse…
Obrigado pelo apoio Silêncio Culpado. Houvesse mais tempo e certamente escreveria bem mais e ampliaria a temática.
Muito obrigado do fundo do coração.

Mensagens populares deste blogue

Quo vadis

Esta época de festas, de família, de amizade, de reencontros, de fim de ano, é a altura ideal para refletir sobre o que realmente queremos e o que realmente somos. Se estamos no caminho certo, naquela caminhada que pretendemos trilhar rumo a um futuro risonho para nós e para os  outros, ou se meramente estamos a curtir o momento e a saborear o dia-a-dia sem querer pensar em responsabilidades.

Fica o desafio para os corajosos, claro!


Aldeia demasiado global?!

Vivemos num mundo muito pequeno, numa aldeia global, graças às comunicações que foram sendo estabelecidas ao longo da História e com um grande contributo da expansão marítima portuguesa. Martin Page até escreveu o livro Portugal, a primeira aldeia global. Em pleno século XXI ninguém está longe, todos estamos à distância de um click. Contudo, é extraordinário como com todas essas potencialidades de proximidade relativa se vivam tempos de tanta distância entre pessoas que vivem lado a lado. A tecnologia que serviria para falarmos, vermos, a grandes distâncias são a razão pela qual as pessoas não se comunicam a curtos metros, pois cada um está ofuscado com a luminosidade do seu ecrã. A tecnologia de ponta só fará sentido se melhorar a nossa qualidade de vida e não o contrário. Bom ano!

Caixa de Pandora, do bem.

Mudar de hábitos, por tomada de consciência, torna-se uma demanda de progressão sem fim. O que em certa medida é ótimo, pois é sinal que estamos a aprimorar, mas que muitas vezes gera conflito social, num círculo mais próximo com a família, num círculo mais alargado com os demais colegas e conhecidos. A mudança para uma alimentação vegana tem, maioritariamente, como principal motor a ética animal, o apercebermo-nos que não necessitamos de viver com base no sofrimento dos outros, que esses outros não têm de morrer, torturados de forma macabra, para que nos possamos alimentar dos seus músculos, vísceras e orgãos internos, ou usarmos as suas peles. Após o momento em que se decide mudar a alimentação por questões éticas é um não volta atrás. Já as mudanças por razões de melhoria da saúde muitas vezes têm um volte face, e quem se apregoava vegetariano vem alguns meses ou anos depois dizer que voltou a comer carne, seja qual for a desculpa que achou mais conveniente. Apesar de alguns adota…