Avançar para o conteúdo principal

1 de Outubro - Dia Mundial do Vegetarianismo

Este vale por mil palavras:

Comentários

Pois, eu até não acho mal as boas práticas vegetarianas mas o homem é omnívoro e, por isso, em meu entender, deve comer de tudo. Mas comer moderamente e com maturidade cívica. Nos dias de hoje as práticas alimentares são na maior parte das vezes reprováveis quer do ponto de vista da saúde, quer do ponto de vista ético. Deve-se incentivar um maior consumo de frutos, vegetais, cereais e legumes mas, atenção, os seus preços são proibitivos para quem tem baixissimos rendimentos. É mais fácil as pessoas empaturrarem-se com frango, porco e peru acompanhados de massas e arroz que fazerem uma alimentação equilibrada. A alimentação vegetariana não está pois ao alcance de qualquer um.
Crítico disse…
Caro Silêncio Culpado, obrigado pelo comentário, mas devo informar que a dieta vegetariana, para além de ser das mais saudáveis, é incomparavelmente mais barata do que a alimentação omnívora.
Cumprimentos.
Eu sou meio vegetariana. Só meio. Durante muito tempo almoçava, sempre que podia, num restaurante macrobiótico. Mas como tinha muitos contactos sociais, a nível de trabalho, não podia cultivar muito tudo o que fugisse ao padrão geral.
Quanto ao preço.... o arroz, as massas integrais e outros produtos afins são mais caros. Bem sei que para ser vegetariano não é preciso ser tão selectivo mas aí podemos correr o risco de não consumirmos todos os nutrientes de que o organismo está necessitado. Ou não será bem assim?
Um abraço
NÓMADA disse…
Ora aqui está um tema que me interessa e muito.Estou sempre muito interessada em práticas saudáveis de alimentação e a evitar o sacrifício dos animais.
Gostei muito deste artigo que vem de encontro aos meus sentimentos e forma de pensar.
Crítico disse…
Silêncio Culpado, a alimetação vegetariana continua envolta em mitos, apesar de muito se ter evoluído nos últimos anos. Ainda existem muitos médicos que duvidam do vegetarianismo, mas pelo contrário, outros há, e sobretudo das novas gerações, que recomendam vivamente as dietas que excluem todo o tipo de carnes e peixes da alimentação.
Um dos mitos passa pela ideia pré concebida de que os vegetarianos têm que comer produtos integrais, sojas, tofus e afins. Nada disso, esses alimentos serão interessantes para se variar, por exemplo. Mas um vegetariano simplesmente deixa de comer carnes, de resto come de tudo. A não ser os lacto-vegetarianos que não comem ovos, ou os vegan, que não ingerem qualquer derivado de origem animal.
Logo, tal dieta é benéfica não só para a saúde (e que saúde vos garanto) como também para a carteira. Para além disso ainda se contribui para a preservação ambiental.
Se pretenderes mais informações existem vários sites. Deixo aqui alguns: http://www.centrovegetariano.org; http://www.vegetarianismo.com.br/sitio; http://www.peta.org
Espero ter sido claro, mas há tanto a dizer que é impossível transmití-lo aqui, de uma só vez.
Cumprimentos.
Crítico disse…
Cara Nómada, fico muito feliz por teres gostado do post e por também te identificares com estas ideias.
Cumprimentos.
DS disse…
Obrigado por nos informares sobre este assunto, de facto muita gente resume a ética às relações entre seres humanos, quando ela se estende muito para além disso!
Este video é forte e comovente. Foi com imagens destas que aos 14 anos eu me apercebi da barbaridade que a nossa cultura alimentar perpetua há milénios. Mesmo assim demorei 10 anos a ser 100% vegetariana, não é facil ir contra a corrente, mas vale a pena, o vegetarianismo é um mundo de sabores com a consciência limpa!
NINHO DE CUCO disse…
O vegetarianismo é uma cultura que eu não sou capaz de adoptar na íntegra. Posso moderar um pouco o consumo, sobretudo de carnes, mas não consigo abdicar a 100% dos produtos de origem animal.Em qualquer dos casos penso serem muito úteis todos estes esclarecimentos.
Tiago R Cardoso disse…
Sinceramente vou anotar os sites e vou ver o que dizem.
Já pensei no vegetariano, já coloquei a hipótese, se calhar é um assunto a aprofundar.
Crítico disse…
Olá Tiago, obrigado pela visita.
Não te arrependerás nem uma única vez se adoptares o vegetarianismo e darás um forte contribuito à humanidade.
Cumprimentos

Mensagens populares deste blogue

Seja feliz

Para se ser saudável tem de se ser feliz.A infelicidade mina a saúde.Não, e ela não nos cai nas mãos, temos de ir à sua conquista. O mais importante é que não dependemos de ninguém, a felicidade mais pura está nas mais pequenas coisas, mas para o percebermos temos primeiro de liberar algum lixo que ocupa a nossa mente.Seja feliz, pela sua saúde!

Vem comigo

Vidas frustradas por ilusões perdidas. Vidas gastas na comiseração. Zona de conforto que aprisiona a pobre alma, sem esta conseguir a garra, o entusiasmo para quebrar o fino fio que a prende, quando ela julga ser uma pesada corrente.Frustração dirigida ao outro pelo simples facto de não saber lidar com a dor que sente, por ver a vida passar por entre os dedos.Quantos apenas vêem o abismo à sua frente e não percebem que têm asas para voar. Asas tolhidas pela ignorância, agrilhoadas pelo deixa andar que um dia vai mudar.A existência passa e quando a senhora da foice chega já é demasiado tarde para despertar e correr para os braços da profunda realização.Mata a zona de conforto e vem comigo, não vai ser fácil, mas vai ser muito gratificante. E na caminhada sorrimos como se a meta fosse apenas mais uma etapa.

Mike, o galo sem cabeça

Quantos tempo conseguirá uma galinha viver sem cabeça?
Se me fizessem essa pergunta há uma semana responderia, sem sombra de dúvidas: uns minutos, no máximo. Contudo, ao saber do que se passou no Colorado, EUA, em 1945, faz com que hoje tenha opinião diferente.
Nesse ano longínquo, Lloyd Olsen na tentativa de matar um jovem galo para o jantar não cumpriu na perfeição o serviço e o galo sobreviveu, pasme-se: sem cabeça.
A veia jugular e o troco cerebral não foram danificados o que permitiu ao bicho sobreviver.
Artigos sobre o tema foram publicados nas revistas Time e Life, e hoje em dia existem vários sites que atestam este fenómeno, como pode ver no fim deste post.
O dono do "afortunado" galináceo, com olho para o negócio, não perdeu tempo e passou a cobrar 25 cêntimos para quem quisesse ver Mike, nome que lhe fora atribuído.
Os espectáculos de rua sucediam-se e no auge do sucesso Mike ganhava 4.500 dólares por mês e valia 10.000.
Seguiu-se uma fase negra para o mundo aviário, pois…