Avançar para o conteúdo principal

A Verdade e a Política


Ontem participei, a convite do amigo José Carreira, pela primeira vez nos já famosos debates do Clube dos Pensadores. O tema prometia e os convidados também. O fundador do clube Joaquim Jorge convidou para esta noite a Eurodeputada Ana Gomes, o psiquiatra Carlos Pereira e a Advogada Maria Manuel. Na plateia entre muito cidadão anónimo encontrava-se também Narciso Miranda.
Com a excelente moderação de Joaquim Jorge, Ana Gomes abriu a sessão começando por dizer que a política sem verdade não compensa, e que sem a mesma torna-se oportunismo. "Vivemos numa época em que é fácil abastardar-se a política", disse a militante do PS. Frisou ainda que tanto o PS como o PSD desvalorizam as ideologias de base, abandonando as questões de fundo. Referindo que a diferença entre a esquerda e a direita é actualmente pouco visível, tendo anotado ainda que não há ninguém mais à esquerda do que ela, mesmo elementos do PCP. A descaracterização do seu partido tem-na deixado infeliz.
Apesar do tom contestatário, aproveitou para puxar um pouco a brasa à sua sardinha e fazer campanha pelo actual executivo, aplaudindo o Governo em moldes gerais, criticando-o apenas nas questões da igualdade e no continuo crescimento que separa a classe rica, cada vez mais rica, da classe média, cada vez mais pobre.
Terminou a sua primeira abordagem dizendo que "um Estado socialista deve ter como prioridade de primeira linha o combate à corrupção".
A intervenção de Maria Manuel pautou-se por breves alusões à dificuldade de debater esta questão, referindo que existem várias teses sobre política e sobre verdade.
Carlos Pereira começou por comparar a luz que incide num cristal com a forma como cada um vê o refraccionamento da mesma consoante a posição em que observa o fenómeno, passando-se o mesmo entre a verdade e a mentira, ou seja, depende da perspectiva.
" A qualidade dos nossos políticos é muito má e quando vão para Lisboa, e como diz um amigo meu, e se tornam alisbonados ainda pior", criticou o psiquiatra.

Algumas frases que me ficaram no ouvido:

Joaquim Jorge:

"Os políticos pensam que estão tão alto, tão alto, que tudo lhes passa por baixo."

"Meteu-se na cabeça que um político para ter sucesso tem que mentir."

"Detesto mentiras e odeio manipulações."

"O sistema político está esgotado."

"Telefonam dos partidos para não virem aqui."

Ana Gomes:

"O Governo devia ter recebido o Dalai Lama."

"Temos os políticos que temos porque o permitimos."

"Deixar de votar é a pior das soluções."

Carlos Pereira:

"Reinventamos aqui a cidadania."

"Não há liberdade de pensamento onde não há liberdade económica."

"Sofro com a emigração, com a diáspora que se está a dar."

"Há verdade conveniente e verdade inconveniente."

Narciso Miranda:

"É cada vez mais difícil fazer política com verdade no nosso país. O problema está no funcionamento dos partidos."



Obrigado Clube dos Pensadores.

Comentários

Gostei de ler este post como gosto de ler tudo o que este blogue contém e que está dentro de uma linha com a qual me identifico. Gostei de saber o que se passou no clube dos pensadores e fizeste uma boa síntese com as ideias de força do que lá foi dito. Porém, apesar de muito bonito, todos os políticos dizem o mesmo. Porque o mal, segundo eles, está sempre nos outros e não em si próprios. Eles, os que falam, têm sempre solução para fazerem aquilo que os outros não fizeram. Uma vez chegados ao poder, seja a um grande poder, seja a um pequeno poder, os resultados depressa ficam à vista. Por essa razão as palavras cansaram-me. E os políticos também. Quem anda pelo terreno depressa se apercebe do logro de tudo isto. O interior do país desertificado, centros de saúde a ser encerrados enquanto os do litoral e das grandes cidades rebentam pelas costuras.Uma população envelhecida, com faltas de apoio e reformas baixíssimas que não dão para uma alimentação condigna e para os cuidados básicos com a saúde. Crianças que ficam sozinhas em casa, em subúrbios inseguros, enquanto os pais trabalham longe, em horários violentos, perdendo tempos preciosos em transportes. Licenciados a trabalharem como caixas dos centros comerciais e/ou a viverem à custa dos pais, sem poder constituir família porque as rendas são caras e os empréstimos incomportáveis. Doentes cancerosos que chegam a esperar mais de um ano por uma cirurgia. Uma justiça que só serve os ricos. Um desemprego que não pára de subir e que só não é mais evidente porque anualmente emigram cerca de 150.000 desempregados e outros, de longa duração, passam à reforma. Aumentam os assaltos e a insegurança nas ruas. Fala-se em corrupção mas os senhores da corrupção nunca, ou quase nunca, são chamados a prestar contas. As pequenas e médias empresas não param de falir. O déficit reduz-se através dos impostos e o PIB cresce pela especulação nos mercados financeiros.E daí por diante. Por isso não me venham com mais faladuras de intelectuais iluminados. O País precisa de soluções mas soluções a sério. Os partidos, segundo a minha óptica, podem ser lidos como segue: O PS=neo-liberal seguidor do grande Bush; o PSD=neo-liberal seguidor do grande Bush; o PP= neo-liberal seguidor do grande Bush. O que é que distingue os 3 partidos? O líder, a religião e a posição face ao aborto. Resta-nos o PCP e o BE, mas o que é que vamos fazer com eles? Eu sempre votei voto expresso num partido. Neste momento estou descrente em tudo. Apenas acredito neste meu grito (que aqui já está longo) e que se manifesta nas postagens do meu blogue. Um blogue que não tem rosto e que apenas procura gritar. Sim, porque é necessário fazer alguma coisa.
Desculpa lá tão longo comentário.
Um abraço
NINHO DE CUCO disse…
É de realçar algumas linhas de orientação aqui registadas e, sobretudo, se forem capazes de cativar diferentes sensibilidades a nível político. O que não me parece.
Contudo e o que me parece mais de notar é que as iniciativas que ficam pelo blá blá e não produzem resultados já não convencem ninguém. As salas enchem porque há uma capacidade mobilizadora das organizações mas fica-se por aí.
Vim só desejar boa noite e dizer que fico contente que estejas de novo activo. Gosto do teu blogue. É um blogue bem equilibrado em termos de conteúdos. Conteúdos interessantes, que questionam mas não criam clivagens.
joaninha disse…
Muito bem apresentado o artigo que refere o conteúdo do último debate no Clube dos Pensadores. Excelente, terem sido fixadas as frases mais relevantes para si durante o debate.
Na realidade, o Joaquim Jorge é um génio, pois tem conseguido organizar debates que abordam temas muito significativos e são um chamamento à tomada de atenção para certos comportamentos que os membros de Partidos tomam ou melhor, deveriam ter em consideração.
Contudo, a verdade é muito ambígua, pois a minha verdade poderá não ser a sua nem a de muitos outros, e, uma mentira poderá ser verdade para quem a diz, desde que para si próprio seja verdade ou se mentalize que o é…
Obrigada pela visita e pelas palavras. Saudações
Joaquim Jorge disse…
Disse obrigado ao Clube! Eu é que agradeço a sua presença e o brilhante resumo que faz ver aos mais destacado jornalista como deveria fazer uma peça tão bem feita e que traduz fielmente o que lá se psssou .

Por lapso - não pôs que esteve também Paulo Morais na plateia e já tinha sido convidado principal.

Parabéns
Crítico disse…
Realmente, por lapso não referi a presença de Paulo Morais. A ele as minhas desculpas.
Obrigado Joaquim Jorge, continue com o dinamismo que a tanta gente falta.
Cumprimentos.
Crítico disse…
Obrigado, mais uma vez Silêncio Culpado, o teu apoio é muito importante.
Cumprimentos.

Mensagens populares deste blogue

Quo vadis

Esta época de festas, de família, de amizade, de reencontros, de fim de ano, é a altura ideal para refletir sobre o que realmente queremos e o que realmente somos. Se estamos no caminho certo, naquela caminhada que pretendemos trilhar rumo a um futuro risonho para nós e para os  outros, ou se meramente estamos a curtir o momento e a saborear o dia-a-dia sem querer pensar em responsabilidades.

Fica o desafio para os corajosos, claro!


Aldeia demasiado global?!

Vivemos num mundo muito pequeno, numa aldeia global, graças às comunicações que foram sendo estabelecidas ao longo da História e com um grande contributo da expansão marítima portuguesa. Martin Page até escreveu o livro Portugal, a primeira aldeia global. Em pleno século XXI ninguém está longe, todos estamos à distância de um click. Contudo, é extraordinário como com todas essas potencialidades de proximidade relativa se vivam tempos de tanta distância entre pessoas que vivem lado a lado. A tecnologia que serviria para falarmos, vermos, a grandes distâncias são a razão pela qual as pessoas não se comunicam a curtos metros, pois cada um está ofuscado com a luminosidade do seu ecrã. A tecnologia de ponta só fará sentido se melhorar a nossa qualidade de vida e não o contrário. Bom ano!

Caixa de Pandora, do bem.

Mudar de hábitos, por tomada de consciência, torna-se uma demanda de progressão sem fim. O que em certa medida é ótimo, pois é sinal que estamos a aprimorar, mas que muitas vezes gera conflito social, num círculo mais próximo com a família, num círculo mais alargado com os demais colegas e conhecidos. A mudança para uma alimentação vegana tem, maioritariamente, como principal motor a ética animal, o apercebermo-nos que não necessitamos de viver com base no sofrimento dos outros, que esses outros não têm de morrer, torturados de forma macabra, para que nos possamos alimentar dos seus músculos, vísceras e orgãos internos, ou usarmos as suas peles. Após o momento em que se decide mudar a alimentação por questões éticas é um não volta atrás. Já as mudanças por razões de melhoria da saúde muitas vezes têm um volte face, e quem se apregoava vegetariano vem alguns meses ou anos depois dizer que voltou a comer carne, seja qual for a desculpa que achou mais conveniente. Apesar de alguns adota…