Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens de 2008

Byblos fecha portas

A megalomania é uma característica de boa parte dos gestores / administradores portugueses. Grandezas que pecam por falta de resultados palpáveis, ficando simplesmente a grandiosidade balofa.
Prova recente dessa característica é o fracasso da dita maior livraria do pais, com tecnologia de ponta, a Byblos. Maior só mesmo o conceito, porque na prática revelou ser pequena em quase tudo.
Abriu ao público a 14 de Dezembro de 2007 e não chegou a completar o primeiro ano de idade. Fechou ontem.
Mas como muitos já escreveram sobre o assunto, deixo aqui três blogs para os mais interessados:

Blog irmãolucia - a bymblos
Blog Rua da Castela - O Bybliófilo
Blogtailors - Comunicado da Byblos à Comunicação Social

I Believe

Depois de ver um povo unido em torno de um homem, que há 150 anos atrás, nesse mesmo país, provavelmente seria escravo, é caso para se acreditar na mudança efectiva.
Uma mudança que não dependerá somente do líder, mas que através dele se poderá concretizar.
Há cem anos que as eleições norte americanas não registavam tanta afluência.

A mudança vem a caminho. Aguardemos.

(Fotografia: Shawn Thew, EPA)

Migalhães

Lá vem pelo avelar
O filho do Zé João
Vem do centro escolar
Cansado de palmilhar
A caminho da povoação

Não há médico na aldeia
E a antiga escola fechou
Não tem carne para a ceia
Nem petróleo para a candeia
Porque o dinheiro acabou

O seu pai foi para França
Trabalhar na construção
E a mãe desta criança
Trabalha na vizinhança
Lavando pratos e chão

Mas o puto vem contente
Com o Migalhães na mão
E passa por toda a gente
Em alegria aparente
De quem já sabe a lição

Um senhor muito invulgar
Que chegou com mais senhores
Veio para visitar
O novo centro escolar
E dar os computadores

E lá vem o Joãozinho
No seu contínuo vaivém
Calcorreando o caminho
Desesperando sozinho
À espera da sua mãe

Neste país de papões
A troco de dois vinténs
Agravam-se as disfunções
O rico ganha milhões
E o pobre Migalhães

Luís Costa

Obama

«A sua vitória "não irá apenas electrizar a América, irá electrizar o mundo"»

Colin Powell referindo-se a Obama, In. Público On-Line

Sarah Palin - Quem vê caras não vê corações.

É sabido que os E.U.A têm uma forte tradição conservadora. É também sabido que é um país onde mais vozes de contestação se ouvem em relação ao estado do globo. Resumindo, é um mundo de duas faces: de um lado os poderosos conservadores, do outro os liberais, que acreditam num rumo diferente. Nos últimos dias surgiu na cena política norte americana a governadora do Alasca, Sarah Palin, escolhida pelo candidato republicano, John McCain, para assumir a vice-presidência. Primeiramente, e apoiando-me simplesmente num registo fotográfico, o que salta à vista é a beleza e a elegância de Palin, hoje com 44 anos. Não admira portanto que aos 20 tenha ficado em 2.º lugar no concurso Miss Alasca. Contudo, numa análise ao seu percurso e currículo a beleza passa para segundo plano. Senão vejamos. Segundo as pessoas mais próximas, familiares e amigos, ela é inabalável, nunca desistindo dos seus objectivos. Exemplo disso foi a conquista do campeonato estadual de basquetebol, pela equipa do liceu de Wasi…

Três Atletas Olimpicos

Pouco tenho acompanhado os Jogos Olímpico de Pequim, contudo do pouco que vi já deu para me impressionar.
Não querendo reduzir o empenho ou os feitos dos outros atletas, três deles ficaram-me na retina: o primeiro porque ganhou oito medalhas de ouro; o segundo porque pratica as mesmas modalidades que em outros tempos também eu pratiquei e por ter batido o recorde do mundo das mesmas; e o terceiro por ter trazido para Portugal a única medalha de ouro.
Porque uma imagem valem mais do que palavras, aqui fica:

Michael Phelps: 8 medalhas de ouro.

Usain Bolt: 9.69 (100m) e 19.30 (200m)

Néson Évora: Ouro para Portugal

08.08.08

Um data que não acontece todos os dias.
A lembrar os aneis olímpicos e respectivos jogos que hoje se iniciam em Pequim.

Um festa, não fossem as limitações à liberdade e os atentados aos direitos humanos perpetrados pelo país organizador.

Até Quando?

Fiquem com este videoclip da música Até Quando? do extraordinário rapper Gabriel O Pensador.
Deixo abaixo a letra para que possam acompanhar devidamente todas as palavra, bem actuais.

E você, Até Quando?

Não adianta olhar pro céu com muita fé e pouca luta
Levanta aí que você tem muito protesto pra fazer e muita greve
Você pode e você deve, pode crer

Não adianta olhar pro chão, virar a cara pra não ver
Se liga aí que te botaram numa cruz e só porque Jesus sofreu
Num quer dizer que você tenha que sofrer

Até quando você vai ficar usando rédea
Rindo da própria tragédia?
Até quando você vai ficar usando rédea
Pobre, rico ou classe média?
Até quando você vai levar cascudo mudo?
Muda, muda essa postura
Até quando você vai ficando mudo?
Muda que o medo é um modo de fazer censura

(Refrão)
Até quando você vai levando porrada, porrada?
Até quando vai ficar sem fazer nada?
Até quando você vai levando porrada, porrada?
Até quando vai ser saco de pancada?

(Repete refrão)

Você tenta ser feliz, não vê que é deprimente
Seu …

Entrevista com Robert Happe

Por favor, disponibilizem meia hora para verem esta entrevista, não se vão arrepender.

Já é tempo de despertar.

(Esta entrevista foi-me inicialmente enviada pelo amigo Pedro Lopes e mais tarde pelo Miguel Peixoto, e por ser extensa ainda não a tinha visto. Não caiam no mesmo erro)

Liga de Futebol na RTP. Quem paga?

É inaceitável, que num pais com tantas carências, o Estado, neste caso via RTP, faça um investimento de 16 milhões de euros para poder transmitir um jogo por semana da Liga de futebol, durante os próximos dois anos.
16 milhões de euros corresponde, segundo o jornal Público On-Line, a um valor quase sete vezes superior aos lucros auferidos pela estação de televisão durante o ano passado.
E pergunto eu: se a RTP está agastar mais do que aquilo que ganha, quem é que vai pagar? A resposta é óbvia e começa a ser habitual.

(Fotografia: Henrik Sorensen)

A Tomada de Consciência

A Revolta
Milhões de homens caminham em direcção ao abismo da extinção da espécie humana. Marcham tal batalhão inerte e hipnotizado pela guerra. À primeira vista não compreendem para onde se dirigem, não há tempo para reflectir sobre o caminho que tomam, a vida conturbada não o permite.
Entre esse aglomerado de milhões de indivíduos surgem pequenas facções, plenamente conscientes dos passos que estão a dar e tentam demover os restantes. Mas não raras vezes ainda são agredidos por estes.
Enquanto a marcha prossegue, e ao fundo já se vê o fumo negro da fornalha que a todos consumirá, ouvem-se vozes de alerta de seres que suplicam aos demais que não é este o caminho correcto. Pequenos grupos unem-se e lutam contra os generais do batalhão, contudo as suas armas não passam de palavras certeiras, ao passo que os “zombies” agridem violentamente aqueles que tentam ajudar.
Um ou outro junta-se aos pequenos grupos, apesar da maioria seguir lentamente em direcção à escuridão, como uma espécie de cor…

24 horas, nem mais.

Todos os dias somos confrontados com situações que gostaríamos de alterar. Pequenos hábitos que fomos adquirindo, ou rotinas. Contudo, o que à primeira vista parece simples revela-se um obstáculo, e quando nos apercebemos já voltamos ao mesmo.
Não me refiro a nenhuma temática em particular, cada qual analisará segundo a sua vivência diária. Afinal não passa de uma questão de organização.
O problema da descontinuidade de algo que nos propomos alterar nas nossas vidas é a falta de método e disciplina. Claro que esta não deve violar a nossa liberdade. O segredo está na regularidade diária, na continuidade da acção que nos propomos adoptar.
As nossas vidas, neste início do terceiro milénio, são, por vezes, vazias de actividades que nos dão prazer e nos fazem sentir bem, em prol de uma azafama laboral e descontrolada, com a desculpa de não haver alternativa, aplicando muitas vezes o velho ditado: "o que tem que ser tem muita força".
A realidade é que nem sempre assim é, e arrisco-me …

Desconhecia a lei?!!!

Sobre a polémica do Primeiro-Ministro José Sócrates ter fumado em pleno vôo da TAP: "Em declarações aos jornalistas, na venezuela, o primeiro-ministro diz que desconhecia que estava a violar a lei." (In. Público On-Line).

Inacreditável.
Para além de violar a lei ainda mente.

Sem mais comentários.

Um pequeno ponto azul

Num mundo em que por um pouco de poder se cometem as maiores atrocidades é de bom tom alertar para o facto de sermos demasiados pequenos num universo infinito.

Apreciem este vídeo e ouçam a mensagem do grande homem que foi Carl Sagan.
«O maior prazer de um homem inteligente é armar-se em idiota diante de um idiota que se arma em inteligente.»

(autor desconhecido)

Para reflexão.

"Nada beneficiará tanto a saúde humana e incrementará
as possibilidades de sobrevivência da vida sobre a
Terra, como a evolução em direcção a uma dieta
vegetariana". Albert Einstein.

"A classificação das formas, funções orgânicas,
costumes e dietas demonstram de uma maneira evidente
que o alimento normal para o homem é vegetal, tal como
para os antropóides e símios, e que os nossos dentes
caninos estão muito menos desenvolvidos. Não estamos
destinados a competir com bestas selvagens ou animais
carnívoros." Darwin.

"Enquanto o homem continuar a ser o destruidor de
seres inferiores, não conhecerá a saúde ou a paz.
Enquanto o homem mantiver o massacre de animais,
também se irá manter a matança entre si mesmo.
Consequentemente, aquele que semeia a semente do
assassinato e da dor não pode colher gozo e amor".
Pitágoras ( 585-500 A. C. ).

Recordar Para Não Repetir

Esta pintura de Goya representa de uma forma chocante os fuzilamentos do 3 de Maio de 1808, em Espanha, levados a cabo por tropas francesas napoleónicas.

TGV desnecessário.

Muito se tem falado do novo Aeroporto, agora que a sua localização foi definitivamente escolhida. Mas eu vou pegar noutro assunto, que mexe na nossa bolsa e que muita tinta tem feito correr.
Num pais como o nosso, que possui o ordenado mínimo mais baixo da Europa a quinze, é inadmissível que se invistam milhões de euros num projecto como o comboio de alta velocidade.
Esses recursos financeiros não seriam melhor aplicados naquilo que realmente faz falta?
A nossa classe política sofre do mesmo mal que o cidadão comum, o consumismo. E o TGV é sinal desse consumismo, pois pretende-se adquirir algo que não nos faz falta, mas como os outros têm "nós" também queremos.
Valerá a pena tal esforço para se ganhar 15 minutos numa viagem Porto-Lisboa? Não seria preferível investir numa melhoria da linha do Alfa Pendular?
A razão pela qual o Governo e os nossos políticos seguem com este tipo de projectos é muito simples: não são eles que passam as dificuldades de uma família que vive com ordena…

O Poder Feminino

"A nossa civilização, baseada nos falsos valores do patriarcado, está em plena ruína, até no plano material. Para evitar a autodestruição, é preciso despertar o culto da feminilidade, que é o único a permitir o pleno desenvolvimento tanto do homem quanto da mulher."

André Van Lysebeth, in. Tantra, o Culto da Feminilidade.

Finalmente!