Avançar para o conteúdo principal

Escrever assim dá prisão


Existem vários tipos de ficção, aquela que não passa disso mesmo, a que tem bases reais, e a que supondo-se ser ficção é na verdade o relato pormenorizado dos factos passados.
Para quem nunca ouviu falar, Amok é o título de um best-seller escrito por um autor polaco de seu nome Krystian Bala. A narrativa aborda um homicídio de contornos passionais.
Até aqui tudo normal, não fosse o facto de, três anos antes, o autor ter sido também o misterioso assassino de um homem chamado Darius J.
A autoridades encontrava-se num beco sem saída, até que uma chamada telefónica aconselhou o responsável pela investigação a ler Amok. A partir daí o caso ficou desbloqueado, pois no livro eram relatados pormenores até então só do conhecimento da polícia.
As semelhanças do crime narrado com o crime real eram tantas que a polícia não teve dúvidas. E assim um crime quase perfeito teve o final merecido. Tudo porque o assassino achou por bem publicar a história e dar-lhe contornos ficcionais, que de facto tiveram enorme sucesso e o catapultaram para o top de vendas.

"Na novela, como na realidade, o protagonista do crime, levado por ciúmes, sequestrou o amante da mulher num sótão durante três dias, sem lhe permitir comer, apunhalando-o antes de o lançar ao [Rio] Oder, onde viria a morrer de afogamento" (In. Jornal Público On-Line).

Comentários

Extraordinariamente bonito e elucidativo este texto. Desconhecia e achei muito interessante. É o que eu acho de mais gratificante na blogosfera: esta partilha de saberes e opiniões. Tenho aprendido muito por aqui e tu tens sido um bom vizinho.
Um abraço.
Anónimo disse…
e repente lembrei-me do filme " Instinto Selvagem " com a Sharon Stone.
Crítico disse…
Obrigado Silêncio Culpado.
A boa vizinhança é salutar.

Cumprimentos.
Carreira disse…
Mais uma vez, a realidade e a ficção tocam-se, romance e assassinato tiveram as mesmas mãos a trabalhar. Que estará a pensar, neste momento, quem leu o livro?

Mensagens populares deste blogue

Seja feliz

Para se ser saudável tem de se ser feliz.A infelicidade mina a saúde.Não, e ela não nos cai nas mãos, temos de ir à sua conquista. O mais importante é que não dependemos de ninguém, a felicidade mais pura está nas mais pequenas coisas, mas para o percebermos temos primeiro de liberar algum lixo que ocupa a nossa mente.Seja feliz, pela sua saúde!

Vem comigo

Vidas frustradas por ilusões perdidas. Vidas gastas na comiseração. Zona de conforto que aprisiona a pobre alma, sem esta conseguir a garra, o entusiasmo para quebrar o fino fio que a prende, quando ela julga ser uma pesada corrente.Frustração dirigida ao outro pelo simples facto de não saber lidar com a dor que sente, por ver a vida passar por entre os dedos.Quantos apenas vêem o abismo à sua frente e não percebem que têm asas para voar. Asas tolhidas pela ignorância, agrilhoadas pelo deixa andar que um dia vai mudar.A existência passa e quando a senhora da foice chega já é demasiado tarde para despertar e correr para os braços da profunda realização.Mata a zona de conforto e vem comigo, não vai ser fácil, mas vai ser muito gratificante. E na caminhada sorrimos como se a meta fosse apenas mais uma etapa.

O veganismo não é moda, veio para ficar!

Ouve-se por aí que 2019 é o ano do veganismo, mas é muito mais do que isso. 2019 até poderá ser o ano com mais expressão até então, mas o boom está por vir, o futuro será inevitavelmente vegan, ou não haverá futuro de todo. Não são só as estrelas de cinema, os atletas de nível mundial ou as figuras públicas, por todo o mundo há cada vez mais pessoas a adotar este estilo de vida, que vai muito além da simples alimentação. Há uma tomada de consciência larga que faz com que a mudança seja inevitável. Um ser dito lúcido e com o mínimo de inteligência basta parar e refletir sobre as suas escolhas para um processo de mudança se iniciar. Vivemos num mundo acelerado que não deixa tempo para a plena reflexão e esse é um dos problemas.
A mudança pode ter início num dos seguintes pontos:
Ética: não há nenhuma necessidade de infligir sofrimento e tortura aos animais para nos alimentarmos. Eles são seres sencientes e é um contrassenso dizer que se gosta dos animais mas é só de alguns, não de todos.
Saú…