quarta-feira, 28 de janeiro de 2009

"Está tudo louco???!!!..."


«Está tudo louco???!!!... Só pode ser brincadeira!...

Almeida Santos e as faltas dos deputados:

(http://diario.iol.pt/politica/deputados-parlamento-almeida-santos/1023192-4072.html)

(http://tsf.sapo.pt/PaginaInicial/Portugal/Interior.aspx?content_id=1058362)

"Os deputados têm a sua vida profissional, não se paga aos deputados o suficiente para eles serem todos apenas deputados, sobretudo quando são profissionais do Direito ou fora do Direito. Um advogado que tem um julgamento, não pode estar na Assembleia e no julgamento ao mesmo tempo. Quanto às justificações para as faltas, é verdade que a sexta-feira é, em si própria uma justificação, porque é véspera de fim-de-semana. Eu compreendo isso. Talvez esteja errado que as votações sejam à sexta-feira. Não julguemos também que ser deputado é uma escravatura, porque não é, nem pode ser. É preciso é arranjar horas para a votação que não sejam as horas em que normalmente seja mais difícil e mais penoso estar na Assembleia da República."


Pois... pobres deputados que ganham só 3708 euros de salário-base, mais 10% para despesas de representação, entre outras regalias (ver http://www.inverbis.net/sistemapolitico/deputados-abonos-duplicam-vencimento.html)

Para qualquer trabalhador, a sexta-feira é, em si própria uma justificação para faltar ao trabalho?! Aliás, acho que tal justificação está mesmo contemplada no novo código de trabalho...

Ser deputado não pode ser uma escravatura... Escravatura é para os trabalhadores a recibos verdes, para os trabalhadores que acumulam horas em cima de horas sem a devida compensação, ou para os trabalhadores com horários tão flexíveis que não os conseguem conciliar com a vida familiar.


É, portanto, penoso estar na Assembleia da República à 6ª-feira... Pois o Sr. Dr. Almeida Santos não se apercebe o penoso que é para o vulgar cidadão ouvir frases tão deslocadas da realidade que são até ofensivas para quem, de facto, trabalha.

Luís Gonzaga Batista»


(Tive conhecimento deste texto através do amigo Miguel Gonçalves)

segunda-feira, 26 de janeiro de 2009

quinta-feira, 15 de janeiro de 2009

Não havia necessidade D. Policarpo

«O cardeal-patriarca de Lisboa surpreendeu ontem à noite o auditório do Casino da Figueira da Foz ao advertir as portuguesas para o “monte de sarilhos” em que se podem meter se se casarem com muçulmanos.»

Cardeal-patriarca D. José Policarpo
In. Público On-Line