quarta-feira, 26 de setembro de 2007

Um "belo serviço"


Nos dias que correm, em que nos servimos da tecnologia para o mais simples gesto, é natural recorrer a casas especializadas quando os aparelhos do dia-a-dia deixam de funcionar, causando-nos grande transtorno. Pior se torna o cenário quando a reparação é cara e demorada. E pior ainda é quando o aparelho acabou por ficar igual ou ainda pior.
Pois situações destas acontecem mais vezes do que aquelas que possam imaginar.
A revista Proteste deste mês apresenta-nos um cenário dantesco no que ao mundo dos reparadores diz respeito.
A Associação de Consumidores à qual a revista pertence, a Deco, pediu, anonimamente, a várias empresas que reparassem um televisor LCD propositadamente avariado. A avaria era muito simples: o fusível da fonte de alimentação havia sido fundido, logo o aparelho não ligava. Tratava-se portanto de uma reparação simples.
Para os mais curiosos aconselho a leitura da revista, contudo deixo-vos ficar alguns dados:
"Das 27 empresas visitadas, só 3 obtiveram nota global positiva". A Unitron em Lisboa, que reparou o aparelho em duas horas, gratuitamente, foi a mais correcta e eficaz na resolução do problema.
As restantes duas do pódio apesar de terem resolvido o problema demoraram muito a fazê-lo, tendo a Videosoft do Porto cobrado € 61.48 e a A.T.E. de Camarate levado € 74.81.
No que às outras empresas diz respeito, "na lista das principais falhas estão, a utilização de peças erradas, facturas incompletas, preços excessivos e cobrança de peças não substituídas".
Exemplos: Elísio Correia do Porto cobrou € 187,00; a ALC Ibérica de Queluz € 195.00; a Unitécnica de Lisboa € 220.41. Para além destes preços exorbitantes as reparações revelaram-se mal feitas.
"Dos 27 reparadores visitados, 7 cobraram peça não substituídas."
A tudo isto ainda se acresce o facto de algumas empresas se recusarem a passar factura, ou quando a passam esta vem incompleta.

Estes casos passaram-se com um televisor que tinha um fusível avariado. Agora imaginem o que se passará quando um automóvel vai à oficina.
Por isso, a Deco aconselha: faça respeitar as garantias; escolha um reparador com boas referências; peça sempre orçamento; avise a empresa para respeitar o orçamento; quando levantar o aparelho verifique se existe algum defeito visível; e por fim peça uma factura discriminada.

E olho bem aberto!

(fonte: Revista Proteste n.º 283, Setembro de 2007)
(fotogafia: Steve Golem)

15 comentários:

SILÊNCIO CULPADO disse...

Pois é por essas e por outras que apenas em situações muito especiais de algum aparelho de grande valor, eu prefiro oferecer o avariado a quem saiba arranjar e comprar um novo. É que nós incomodamo-nos a levar, a ir buscar, ou a estar em casa à espera que levem ou tragam, pagamos caro o arranjo e, muito raramente, ficamos bem servidos.

migvic disse...

Meio mundo a roubar meio mundo.

JOY disse...

Infelizmente é a imagem deste pais , um pais de incompetentes de vigaristas ,ladrões, enfim chega uma altura que só aptece desaparecer daqui para bem longe.

JOY

Carreira disse...

A vergonha do costume! Não se pode confiar em ninguém!

Carreira disse...

Venho comunicar que o blogue Alerta se encontra indicado, para votação, no sentido de ser atribuído o Prémio Cegueira Lusa para o melhor Blogue do mês de Outubro.
Cumprimentos,
José Carreira

7 Pecados Mortais disse...

O objectivo a que me propus de início foi realizado. Acho que foi um sucesso. Antes de mais tenho de dar os Parabéns a todos os blogues que participaram nas votações, assim como aos que estiveram em nomeação. A Votação ditou que o Blogue de melhor destaque foi o Silêncio Culpado (50 Votos), seguido do Cegueira Lusa (26 Votos) e Alerta (10 Votos). A eles o muito obrigado, pois foram os obreiros desta Votação. Tentei fazer algo diferente. Espero-o ter conseguido. Estas Nomeações e Votações têm como propósito o incentivo à partilha de ideias, como fazer também uma corrente de amizade entre nós que estamos na blogosfera. É com a ajuda de todos que nos ficamos a conhecer. Como eu digo, a Amizade é o valor mais rentável que o Homem tem. Obrigada.

Anónimo disse...

Um esclarecimento que acho que se deve ser feito.
As pessoas em geral tem uma ideia de como funciona um carro e quem tem uma ideia mínima de como funciona um LCD/Plasma/DLP/ ou mesmo um televisor de CRT, acho que a maioria não imagina o que é reparar um aparelho electrónico.

Passo a elucidar; um técnico não substitui placas num aparelho, repara as placas.
Esta área não é como a informática se a fonte de alimentação se avaria repara-se e não se substitui (claro se for um técnico com a formação necessária senão teremos um simples substituídor de placas).

Em relação ao fusível tenho a relatar o seguinte:

Fusíveis não se queimam por si, passo a explicar como funciona um fusível e para que serve.
Um fusível tal como o nome faz supor funde-se quando uma determinada corrente passa por o seu filamento, para isso acontecer tem de haver forçosamente uma corrente superior à qual o fusível foi concebido. Essa fusão leva bastante tempo, pois o material que ele é feito tem de atingir o ponto de fusão.
Por isso sempre que surge um fusível interrompido significa que passou uma corrente excessiva pelo mesmo. Se por exemplo houver um pico de tensão a corrente consumida pelo aparelho não aumenta como a maioria das pessoas pensa essa corrente diminui.

Passo a explicar electronicamente e matematicamente como isso se processa.
Todas as fontes dos aparelhos de televisão são do tipo comutadas, estas fontes de alimentação são imunes a variações de tensão dentro de certos limites, para valores baixos elas entram em modo de protecção o que vai acontecer é que o aparelho entra em standby. Essa tensão mínima varia de aparelho para aparelho, nos aparelhos de qualidade conseguem trabalhar com uma tensões que variam entre o mínimo de 180V. a um valor máximo de 250V.

Vamos às provas que a matemática nos dá.
Suponhamos que um LCD consome 100W/h. Quantos amperes são percorridos pelo fusível? É simples, basta recorrer a lei do Ohm
daí, para uma tensão de rede de 200 voltes teremos uma corrente de 0,455 A (A – amperes, I = intensidade = A).
Se a tensão descer para 180 Voltes teremos:
Se a tensão subir aos 250 Voltes teremos

Com isto se prova que quanto mais a tensão sobe menor será a corrente que percorre o fusível, por razões que são tecnicamente muito complexas de explicar em poucas palavras não se vai ter um fusível de 600mA = 0,6 A, normalmente um aparelho com este consumo tem um fusível que oscila entre os 1,25 a 1,6 amperes.

Faço notar, que as fontes de alimentação vêm concebidas para quando a tensão descer abaixo do valor mínimo o circuito integrado para o funcionamento do transístor de comutação e o mesmo é válido para valores acima de um determinado valor. Mas o circuito fica na mesma sob tensão o que infelizmente não impede que nos casos de tensões elevadas de rede a fonte não sofra danos.


Com isto seria lógico para que serve lá o fusível?
Vou dar uma panorâmica de como funciona uma fonte de alimentação comutada. Aconselho que vejam o esquema no seguinte link http://www.mspc.eng.br/eletrn/im01/fontes118.gif.
A distribuição de energia eléctrica é feita em corrente alternada, na Europa a 230V/50Hz o esquema é de uma fonte para os E.U.A por estar calculada para 110V. Mas os aparelhos electrónicos não trabalham com corrente alterna mas sim corrente continua e em todas as fontes de alimentação tem de se converter a corrente alterna em continua, o que se faz com diodos rectificadores no esquema em causa usa-se uma ponte de 4 diodos para se obter uma maior eficiência, seguidamente temos de filtrar essa tensão rectificada, o que é feito pelo condensador de 220μF que no caso europeu se usa com 385 Voltes de isolamento, se o condensador receber uma tensão superior ao que está marcado ele acaba por explodir e, entrar em curto-circuito e só depois disso é que o fusível se interrompe. Ter em atenção que o valor da tensão de rede é o valor eficaz não o valor de pico, depois de se rectificar uma tensão de 230 Voltes não se obtém uma tensão contínua de 230V.
O valor da tensão resultante de uma rectificação é dado pela seguinte formula.
Por isso a tensão medida no condensador será de 324V daí os condensadores virem normalmente com uma tensão de isolamento de 385V, se a tesão passar os 275 voltes o condensador entrará em curto-circuito.

O transístor de comutação, que no caso é o UFN432, também tem uma tensão máxima para a qual entrará em curto-circuito e de seguida o fusível.

O fusível encontra-se aqui para proteger o aparelho de se incendiar, de evitar que a avaria se alastre a outros circuitos e proteger a própria fonte de danos maiores.

È evidente à luz destes factos sempre que um técnico se depara com um fusível queimado tem de averiguar a causa, que deve forçosamente de analisar o circuito de rectificação, condensadores, transístor de comutação, circuito integrado de controlo, etc.

Em relação ao caso da falsa avaria da DECO, tenho a dizer que os colegas que simplesmente substituiriam o fusível, colocaram a tampa, nem colocaram o aparelho em teste pelo menos 24 horas não são técnicos no verdadeiro sentido da palavra, pois deveriam ter efectuado todas as verificações técnicas adequadas,

Em relação ao tempo dispendido para detectar uma avaria não existente é seguramente mais demorado, porque se andou à procura de uma avaria que não existia. Se a avaria fosse real seguramente seria efectuada a reparação em menos tempo, porque seria encontrado o componente que causou a queima do fusível. E não restaria nenhuma dúvida.

Em relação à Deco tenho a dizer que não é com uma teste destes que se atesta se uma dada empresa ou técnico é tecnicamente competente, se tivessem provocado uma avaria real o que para uma pessoa devidamente habilitada seria fácil, até posso dar exemplos:
Avariar uma RAM, Flasch, provocar uma avaria num inverter, avariar uma das lâmpadas, etc.
Considero que a avaliação feita pela DECO foi manifestamente incompetente, uma vez que parto do princípio que eles consideraram que a qualidade das reparações foram más, devido aos técnicos que de forma competente efectuaram teste na fonte e não fizeram a pura substituição do fusível.

Quanto ao custo acho normal o valor entre os 75 a 100€ tendo em conta que para fazer testes exaustivos para detectar uma avaria inexistente, tomando em conta um valor de mão-de-obra a 25€ à hora com IVA incluído e que foi dada uma garantia ao aparelho após a reparação, não considero excessivo. Agora quem não passou documentação contabilística correcta ou forneceu dados errados ao cliente eu censuro.

Para qualquer exclarecimento enviar Email para xpto2@hotmail.com

Crítico disse...

Sr. Anónimo, obrigado pelo extenso esclarecimento.
Contudo, o artigo não deixa de demonstrar os burlões que para aí andam.

Anónimo disse...

Eu não pretendi dizer que não há empresas que não são sérias, nós todos somos produto da sociedade e existe de tudo.

Eu pretendi demonstrar que o teste Feito pela Deco não reflecte a realidade, queria apenas elucidar as pessoas sobre o que é real e o que é montado para fazer parecer o que não é, e garanto que se fosse feito um teste com uma avaria real, garanto que os resultados seriam desastrosos uma, pois com toda a certeza iam aparecer coisas muito esquisitas.

Cumprimentos para o blog

JR disse...

É uma tristeza ! há 12 anos que a DECO Proteste anda nisto, nos Testes ás Reparações em Aparelhos Electrónicos, e vai de mal a pior, ainda não aprenderam ou contrataram alguém que saiba criar um Teste que seja válido, que se basei na realidade das situações que aparecem no dia-a-dia da Oficina.

Deveriam estar mais esclarecidos, mas têm todos os tiques, como uma grande parte dos Clientes, e ainda ampliados.

Até pode ser só um Fusivel (Fusil no Brasil) !? dizem uns.
Até pode ser só um Fiozinho escapado !? dizem outros.
E ás vezes o mesmo diz, até pode ser só um Fusivel, ou então um Fiozinho escapado !?

Até já se conta por aí uma anedota que é assim:

=========================================

Sabem o que o Manel diz à Maria ?

Oh Manel arranja-me isto !
Aaaté pode ser só um Fusivelzinho...

Na creias nisso Maria, nem Fusivelzinho nem Fusivelzeco.
Só se for um Fusiveldeco !

=========================================

Como alguem já explicou, o Fusivel está lá essencialmente para em caso de Avaria em determinadas Peças poupar outras e, evitar danos maiores como um Incendio.
Por norma a queima do Fusivel é secundária à ocorrencia duma Avaria, e nos casos raros em que de facto é só o Fusivel, para chegar a essa conclusão leva o seu tempo e chatice.
Como não é frequente pode ficar a duvida do que teria causado isso. É preciso ver que há intermitencias que só se manifestam passado horas e horas de funcionamento.

A coisa seria diferente se fosse frequente ser só o Fusivel, aí não subsistiriam grandes duvidas, e até poderia ser criada uma tarifa só para essa operação, como é por exemplo a limpeza de Cabeças de Video.

Sobre os preços deste Teste, de facto alguns considero um bocado exagerados, mas também é preciso não esquecer ou esperar que uma avaria relativamente simples seja ou deva ser muito barato.

Nestes trabalhos o pior é fazer o diagnóstico, localizar os defeitos, e isso é muito variável, tanto pode demorar pouco como em alguns casos vários dias.
A tendencia é estabelecer um valor médio da Mão de Obra para cada tipo de Aparelho.

Já pensaram bem em quanto ficava esses que levam vários dias, se tivesse que ser tudo pago ?
Nesses não se lembra a DECO de pôr uma camara escondida, para ver quem é o malandro que anda vários dias de volta do mesmo Aparelho e depois não se faz pagar convenientemente !

Sendo o diagnóstico o que por norma custa mais nestas reparações, está-se mesmo a ver o problema que é os Orçamentos, mas isso fica para outra altura...

Anónimo disse...

Queria sugerir à DECO que faça um teste aos médicos.
Por exemplo um falso doente que tenha uma doença falsa.
Eh! Eh! Eh!
A seguir seriam cobrados todos aqueles euros só pela "mão-de-obra" e ainda por cima sem "aplicação de peças".
Ah pois é, a seguir a DECO teria de se haver com a ordem dos médicos que manda mais que o sócrates ( escreveria com letra grande se fosse o filósofo Sócrates).
E também é curioso a DECO não passar recibo aos associados.
Vamos criar uma DECO para fazer testes à DECO! Vamos?!
Fica aqui o mote!
Cumprimentos!
El Juanito
E

Anónimo disse...

A Deco quer é criar sensacionalismo
para arranjar leitores e sócios.Por
isso, não lhe interessa fazer testes sérios.

Crítico disse...

Obrigado a todos pelo contributo e esclarecimento.
Cumprimentos.

Anónimo disse...

Vejam aqui a competência dos incompetentes destes senhores que tem a mania que são superiores, afinal estes palhaços também fazem asneiras

http://www.queixas.co.pt/popup.php?id_queixa=6469

JR disse...

ERC – Entidade Reguladora para a Comunicação Social

Recurso da Atohmio Electrónica contra a revista ProTeste

http://www.erc.pt/index.php?op=downloads&enviar=enviar&lang=pt&id=433

http://www.erc.pt/index.php?op=downloads&enviar=enviar&lang=pt&id=556