Avançar para o conteúdo principal

Red Bull Air Race


Admito que não sou dado a grandes multidões, mas dentro de momentos vou-me embrenhar numa.
O espectáculo da Red Bull Air Race parece-me um acontecimento único que tem trazido imensa cor e agitação à zona ribeirinha do Porto e de Gaia.
Também pelo espectáculo, mas sobretudo pela paisagem, irei assistir ao encontro de mais de meio milhão de pessoas numa zona belíssima da cidade, com um rio maravilhoso, edifícios fantásticos, um sol de Verão e, para completar, umas avionetas que fazem umas acrobacias a pouco mais de meia duzia de metros do solo, a cerca de 400Km/hora.

A minha única "dúvida" é se os meus impostos não terão contribuido para o espectáculo!

Comentários

Os teus impostos servem para pagar coisas ainda bem piores que essas. Por isso vê o Red Bull descansado e conta-nos depois as tuas impressões.
Crítico disse…
Concordo contigo Silêncio Culpado.

Em relação ao espectáculo, foi razoavel, grandioso, mas nada que me fizesse estar a tostar ao sol por mais de meia hora para ver as acrobacias.

Cumprimentos.
NÓMADA disse…
Não acho mal que estes e outros espectáculos mediáticos aconteçam. O que já me parece reprovável é que estes espectáculos mediáticos surjam para distrair as atenções de situações reprováveis que estão a ocorrer e cuja responsabilidade pertence ao poder instituído.
NINHO DE CUCO disse…
Já agora permitem-me que vos dê algumas achegas sobre algumas das "utilidades" dos nossos impostos: pagar estudos, sobre projectos já estudados e devidamente instruídos, para dar "trabalho" a empresas de consultoria de amigos; pagar a empresas de comunicação que defendam que quem está no poder faz coisas maravilhosas e que os deslizes não são deslizes mas necessidades; pagar a crianças que representem a escola do futuro toda dada a novas tecnologias.
Bom, digo mais para a próxima. Isto é só um aperitivo.
JOY disse…
A minha opinião pode ser considerada tendenciosa pela paixão que tenho pela aviação,mas tenho a certeza que se os meus impostos de alguma forma serviram para trazer o Red Bull a Portugal foi bem investido ,primeiro pelo prazer de ver aquelas máquinas maravilhosas a voar sobre o bonito Douro depois por ser um espéctaculo que conseguiu juntar 600 mil pessoas muitas das quais turistas com todos os beneficios que a cidade dai consegue retirar e que pelos vistos vai voltar .

JOY

Mensagens populares deste blogue

Seja feliz

Para se ser saudável tem de se ser feliz.A infelicidade mina a saúde.Não, e ela não nos cai nas mãos, temos de ir à sua conquista. O mais importante é que não dependemos de ninguém, a felicidade mais pura está nas mais pequenas coisas, mas para o percebermos temos primeiro de liberar algum lixo que ocupa a nossa mente.Seja feliz, pela sua saúde!

Vem comigo

Vidas frustradas por ilusões perdidas. Vidas gastas na comiseração. Zona de conforto que aprisiona a pobre alma, sem esta conseguir a garra, o entusiasmo para quebrar o fino fio que a prende, quando ela julga ser uma pesada corrente.Frustração dirigida ao outro pelo simples facto de não saber lidar com a dor que sente, por ver a vida passar por entre os dedos.Quantos apenas vêem o abismo à sua frente e não percebem que têm asas para voar. Asas tolhidas pela ignorância, agrilhoadas pelo deixa andar que um dia vai mudar.A existência passa e quando a senhora da foice chega já é demasiado tarde para despertar e correr para os braços da profunda realização.Mata a zona de conforto e vem comigo, não vai ser fácil, mas vai ser muito gratificante. E na caminhada sorrimos como se a meta fosse apenas mais uma etapa.

Mike, o galo sem cabeça

Quantos tempo conseguirá uma galinha viver sem cabeça?
Se me fizessem essa pergunta há uma semana responderia, sem sombra de dúvidas: uns minutos, no máximo. Contudo, ao saber do que se passou no Colorado, EUA, em 1945, faz com que hoje tenha opinião diferente.
Nesse ano longínquo, Lloyd Olsen na tentativa de matar um jovem galo para o jantar não cumpriu na perfeição o serviço e o galo sobreviveu, pasme-se: sem cabeça.
A veia jugular e o troco cerebral não foram danificados o que permitiu ao bicho sobreviver.
Artigos sobre o tema foram publicados nas revistas Time e Life, e hoje em dia existem vários sites que atestam este fenómeno, como pode ver no fim deste post.
O dono do "afortunado" galináceo, com olho para o negócio, não perdeu tempo e passou a cobrar 25 cêntimos para quem quisesse ver Mike, nome que lhe fora atribuído.
Os espectáculos de rua sucediam-se e no auge do sucesso Mike ganhava 4.500 dólares por mês e valia 10.000.
Seguiu-se uma fase negra para o mundo aviário, pois…