Avançar para o conteúdo principal

Onda de Assaltos


Ultimamente o número de assaltos tem vindo a aumentar no nosso país, seja a instituições bancárias, ourivesarias, ou outros estabelecimentos de valores. Não só o seu número aumentou como também subiu o índice de violência praticado nos mesmos.
Num pais que muito há de terceiro mundista não é de admirar que assim seja e que o descontentamento se possa também reflectir nestas atitudes extremas.
Compare-se um país evoluído, por exemplo a Finlândia, ou a Noruega, com um país subdesenvolvido, como a Colômbia ou a Venezuela. O índice de criminalidade é esmagadoramente superior nas regiões carentes. E quando digo carente refiro-me à economia, saúde, educação, emprego, direitos humanos, etc.
A violência é proporcional à cultura de um país. Mas para se atingir o grau cultural desejado tem que haver o que comer, empregos, respeito pelos direitos humanos, segurança, um bom sistema de saúde, entre outros.
E onde se situa Portugal no meio disto tudo? Com uma classe politica mal formada e agarrada a tachos.
Esta onda de assaltos violentos reflecte, na minha opinião, a situação do país, o descontentamento para com as políticas seguidas e consequente desrespeito pelo Zé-povinho.

(fotografia: Daniel Allan)

Comentários

Assino por baixo. É exactamente assim que eu penso.As tensões sociais, a extremas desigualdades e a ausência de soluções para os problemas serão geradores de violência a todos os níveis. E não é com o reforço policial, embora necessário dadas as circunstâncias, que os problemas se resolvem.Os países nórdicos são uma referência mas o governo actual cada vez se afasta mais desse modelo ao ir assassinando o Estado social.
ATL disse…
Dias piores virão.
A crise económica associada à incapacidade das forças de segurança geram uma bomba relógio pronta a explodir.
Isto são apenas pequenos indícios do que poderá vir a suceder.
Carreira disse…
Dias piores virão.
A crise económica associada à incapacidade das forças de segurança geram uma bomba relógio pronta a explodir.
Isto são apenas pequenos indícios do que poderá vir a suceder.
Anónimo disse…
Acho que prova disso é a alguma simpatia que o povo tem pelos assaltantes de bancos.
Anónimo disse…
E quando a fome apertar, mata-se para comer!
Negros dias estão a chegar...

Mensagens populares deste blogue

Aldeia demasiado global?!

Vivemos num mundo muito pequeno, numa aldeia global, graças às comunicações que foram sendo estabelecidas ao longo da História e com um grande contributo da expansão marítima portuguesa. Martin Page até escreveu o livro Portugal, a primeira aldeia global. Em pleno século XXI ninguém está longe, todos estamos à distância de um click. Contudo, é extraordinário como com todas essas potencialidades de proximidade relativa se vivam tempos de tanta distância entre pessoas que vivem lado a lado. A tecnologia que serviria para falarmos, vermos, a grandes distâncias são a razão pela qual as pessoas não se comunicam a curtos metros, pois cada um está ofuscado com a luminosidade do seu ecrã. A tecnologia de ponta só fará sentido se melhorar a nossa qualidade de vida e não o contrário. Bom ano!

Quo vadis

Esta época de festas, de família, de amizade, de reencontros, de fim de ano, é a altura ideal para refletir sobre o que realmente queremos e o que realmente somos. Se estamos no caminho certo, naquela caminhada que pretendemos trilhar rumo a um futuro risonho para nós e para os  outros, ou se meramente estamos a curtir o momento e a saborear o dia-a-dia sem querer pensar em responsabilidades.

Fica o desafio para os corajosos, claro!


Mike, o galo sem cabeça

Quantos tempo conseguirá uma galinha viver sem cabeça?
Se me fizessem essa pergunta há uma semana responderia, sem sombra de dúvidas: uns minutos, no máximo. Contudo, ao saber do que se passou no Colorado, EUA, em 1945, faz com que hoje tenha opinião diferente.
Nesse ano longínquo, Lloyd Olsen na tentativa de matar um jovem galo para o jantar não cumpriu na perfeição o serviço e o galo sobreviveu, pasme-se: sem cabeça.
A veia jugular e o troco cerebral não foram danificados o que permitiu ao bicho sobreviver.
Artigos sobre o tema foram publicados nas revistas Time e Life, e hoje em dia existem vários sites que atestam este fenómeno, como pode ver no fim deste post.
O dono do "afortunado" galináceo, com olho para o negócio, não perdeu tempo e passou a cobrar 25 cêntimos para quem quisesse ver Mike, nome que lhe fora atribuído.
Os espectáculos de rua sucediam-se e no auge do sucesso Mike ganhava 4.500 dólares por mês e valia 10.000.
Seguiu-se uma fase negra para o mundo aviário, pois…