Avançar para o conteúdo principal

TGV desnecessário.


Muito se tem falado do novo Aeroporto, agora que a sua localização foi definitivamente escolhida. Mas eu vou pegar noutro assunto, que mexe na nossa bolsa e que muita tinta tem feito correr.
Num pais como o nosso, que possui o ordenado mínimo mais baixo da Europa a quinze, é inadmissível que se invistam milhões de euros num projecto como o comboio de alta velocidade.
Esses recursos financeiros não seriam melhor aplicados naquilo que realmente faz falta?
A nossa classe política sofre do mesmo mal que o cidadão comum, o consumismo. E o TGV é sinal desse consumismo, pois pretende-se adquirir algo que não nos faz falta, mas como os outros têm "nós" também queremos.
Valerá a pena tal esforço para se ganhar 15 minutos numa viagem Porto-Lisboa? Não seria preferível investir numa melhoria da linha do Alfa Pendular?
A razão pela qual o Governo e os nossos políticos seguem com este tipo de projectos é muito simples: não são eles que passam as dificuldades de uma família que vive com ordenado mínimo, portanto, podem esbanjar à vontade.

(fotografia: Andy Zito)

Comentários

Tiago R. Cardoso disse…
Todos os governos ao longos dos anos quiseram deixar uma marca na historia, este não poderia ser diferente, um aeroporto, uma ponte sobre o Tejo e o TGV, o problema é que será que eles ainda andaram por ai lá par 2009 ?
Amigo Crítico e Tiago
Vamos por partes: o que é o TGV (Très Grande Vitesse)? Todos imaginam um comboio de Alta Velocidade em que se gastam balúrdios para poupar 30 minutos no percurso Lisboa Porto. Mas o TGV não é um comboio mas uma rede de Alta Velocidade.
Ora a rede ferroviária ibérica tem uma bitola (distância entre carris) diferente das restantes redes europeias. Espanha já está a compatibilizar-se com a rede europeia e nós não. Ficamos isolados. Os produtos de exportação perdem competitividade pelos demorados e onerosos transbordos na fronteira franco-espanhola, ou mesmo mudanças de eixos. O recurso aos camiões tem impactos ambientais extremamente negativos para além dos congestionamentos viários sobre as principais cidades. Nós somos um país periférico que morrerá por asfixia. Mais: com TGV as relações Lisboa-Madrid e mesmo Lisboa-Barcelona seriam retiradas ao tráfego aéreo e o aeroporto da Portela não estaria esgotado num horizonte próximo.
Tinha muito a dizer mas não cabe neste espaço.
Um abraço
O TGV? Nao me incomoda muito! Sinais do progresso. Porque nao?
Incomodou-me muito mais os Estadios de Futebol! Oh! Sim! Como doeu! Construidos com o nosso dinheirinho! Para o futebol?????!!!!!. Ainda nao estou restablecida! Mas o TGV, nao nao me incomoda nada.
quin[tarantino] disse…
Se a perspectiva for a que é defendida pela Silêncio Culpada ...
walter disse…
Venho convidar-te a tomar um copo no meu Cadeirão.

Mensagens populares deste blogue

Seja feliz

Para se ser saudável tem de se ser feliz.A infelicidade mina a saúde.Não, e ela não nos cai nas mãos, temos de ir à sua conquista. O mais importante é que não dependemos de ninguém, a felicidade mais pura está nas mais pequenas coisas, mas para o percebermos temos primeiro de liberar algum lixo que ocupa a nossa mente.Seja feliz, pela sua saúde!

Vem comigo

Vidas frustradas por ilusões perdidas. Vidas gastas na comiseração. Zona de conforto que aprisiona a pobre alma, sem esta conseguir a garra, o entusiasmo para quebrar o fino fio que a prende, quando ela julga ser uma pesada corrente.Frustração dirigida ao outro pelo simples facto de não saber lidar com a dor que sente, por ver a vida passar por entre os dedos.Quantos apenas vêem o abismo à sua frente e não percebem que têm asas para voar. Asas tolhidas pela ignorância, agrilhoadas pelo deixa andar que um dia vai mudar.A existência passa e quando a senhora da foice chega já é demasiado tarde para despertar e correr para os braços da profunda realização.Mata a zona de conforto e vem comigo, não vai ser fácil, mas vai ser muito gratificante. E na caminhada sorrimos como se a meta fosse apenas mais uma etapa.

Mike, o galo sem cabeça

Quantos tempo conseguirá uma galinha viver sem cabeça?
Se me fizessem essa pergunta há uma semana responderia, sem sombra de dúvidas: uns minutos, no máximo. Contudo, ao saber do que se passou no Colorado, EUA, em 1945, faz com que hoje tenha opinião diferente.
Nesse ano longínquo, Lloyd Olsen na tentativa de matar um jovem galo para o jantar não cumpriu na perfeição o serviço e o galo sobreviveu, pasme-se: sem cabeça.
A veia jugular e o troco cerebral não foram danificados o que permitiu ao bicho sobreviver.
Artigos sobre o tema foram publicados nas revistas Time e Life, e hoje em dia existem vários sites que atestam este fenómeno, como pode ver no fim deste post.
O dono do "afortunado" galináceo, com olho para o negócio, não perdeu tempo e passou a cobrar 25 cêntimos para quem quisesse ver Mike, nome que lhe fora atribuído.
Os espectáculos de rua sucediam-se e no auge do sucesso Mike ganhava 4.500 dólares por mês e valia 10.000.
Seguiu-se uma fase negra para o mundo aviário, pois…