Avançar para o conteúdo principal

TGV desnecessário.


Muito se tem falado do novo Aeroporto, agora que a sua localização foi definitivamente escolhida. Mas eu vou pegar noutro assunto, que mexe na nossa bolsa e que muita tinta tem feito correr.
Num pais como o nosso, que possui o ordenado mínimo mais baixo da Europa a quinze, é inadmissível que se invistam milhões de euros num projecto como o comboio de alta velocidade.
Esses recursos financeiros não seriam melhor aplicados naquilo que realmente faz falta?
A nossa classe política sofre do mesmo mal que o cidadão comum, o consumismo. E o TGV é sinal desse consumismo, pois pretende-se adquirir algo que não nos faz falta, mas como os outros têm "nós" também queremos.
Valerá a pena tal esforço para se ganhar 15 minutos numa viagem Porto-Lisboa? Não seria preferível investir numa melhoria da linha do Alfa Pendular?
A razão pela qual o Governo e os nossos políticos seguem com este tipo de projectos é muito simples: não são eles que passam as dificuldades de uma família que vive com ordenado mínimo, portanto, podem esbanjar à vontade.

(fotografia: Andy Zito)

Comentários

Tiago R. Cardoso disse…
Todos os governos ao longos dos anos quiseram deixar uma marca na historia, este não poderia ser diferente, um aeroporto, uma ponte sobre o Tejo e o TGV, o problema é que será que eles ainda andaram por ai lá par 2009 ?
Amigo Crítico e Tiago
Vamos por partes: o que é o TGV (Très Grande Vitesse)? Todos imaginam um comboio de Alta Velocidade em que se gastam balúrdios para poupar 30 minutos no percurso Lisboa Porto. Mas o TGV não é um comboio mas uma rede de Alta Velocidade.
Ora a rede ferroviária ibérica tem uma bitola (distância entre carris) diferente das restantes redes europeias. Espanha já está a compatibilizar-se com a rede europeia e nós não. Ficamos isolados. Os produtos de exportação perdem competitividade pelos demorados e onerosos transbordos na fronteira franco-espanhola, ou mesmo mudanças de eixos. O recurso aos camiões tem impactos ambientais extremamente negativos para além dos congestionamentos viários sobre as principais cidades. Nós somos um país periférico que morrerá por asfixia. Mais: com TGV as relações Lisboa-Madrid e mesmo Lisboa-Barcelona seriam retiradas ao tráfego aéreo e o aeroporto da Portela não estaria esgotado num horizonte próximo.
Tinha muito a dizer mas não cabe neste espaço.
Um abraço
O TGV? Nao me incomoda muito! Sinais do progresso. Porque nao?
Incomodou-me muito mais os Estadios de Futebol! Oh! Sim! Como doeu! Construidos com o nosso dinheirinho! Para o futebol?????!!!!!. Ainda nao estou restablecida! Mas o TGV, nao nao me incomoda nada.
quin[tarantino] disse…
Se a perspectiva for a que é defendida pela Silêncio Culpada ...
walter disse…
Venho convidar-te a tomar um copo no meu Cadeirão.

Mensagens populares deste blogue

Alimentação consciente

Hipócrates, considerado o pai da medicina, disse: "Que o teu remédio seja o teu alimento e que o teu alimento seja o teu remédio." Mais de dois mil anos depois essa frase nunca foi tão desrespeitada como nos nossos dias. Vivemos numa época em que o fast food é lei, com todas as implicações que daí advêm não só para a saúde física do indivíduo, mas para a própria saúde financeira de cada um e do Estado. Não é preciso ser um especialista para analisar que caminhamos para uma Era de doenças relacionadas com aquilo que se come. Aliás, isso já é notório nos países mais desenvolvidos, basta olhar para o Estados Unidos da América: obesidade, diabetes, cancro, AVC, tensão alta, alergias, etc. Os médicos de clínica geral, normalmente, pouco sabem sobre alimentação, no entanto é a eles que recorre a maioria da população. Nem todos podem ou sabem como fazer para consultar um especialista em nutrição, nutricionista ou nutrólogo. A sociedade está a ficar doente, mas a questão vai muito …

Amar uns, matar os outros.

Há coisas tão simples que nos passam despercebidas.

Fomos educados numa sociedade onde é comum a chacina dos animais para nosso bel-prazer. Alguns dirão que é por necessidade, pois bem, isso é desconhecimento, ignorância. Outros dirão que é por prazer, nesse caso o problema é maior, pois para afagar o palato não se importam que um ser tão meigo e digno de vida, como o seu animal doméstico, seja brutalmente assassinado, depois de uma vida miserável de sofrimento, apenas para ele o ter no prato.

Vivemos tempos fabulosos de paz, comparando com tempos passados da nossa História, contudo há ainda um mar de gente que na correria das suas vidas nunca parou para pensar, ou nunca foi obrigado a tal, sobre aquilo que come, que esses hábitos causam sofrimento a muitos, que estão a arruinar o planeta e que ainda por cima lhes estão a dar cabo da saúde, matando-os lentamente.

Claro que é todo um negócio, e é bom para esse mercado que as pessoas continuem com os seus hábitos sem pensar muito. A pró…

Caixa de Pandora, do bem.

Mudar de hábitos, por tomada de consciência, torna-se uma demanda de progressão sem fim. O que em certa medida é ótimo, pois é sinal que estamos a aprimorar, mas que muitas vezes gera conflito social, num círculo mais próximo com a família, num círculo mais alargado com os demais colegas e conhecidos. A mudança para uma alimentação vegana tem, maioritariamente, como principal motor a ética animal, o apercebermo-nos que não necessitamos de viver com base no sofrimento dos outros, que esses outros não têm de morrer, torturados de forma macabra, para que nos possamos alimentar dos seus músculos, vísceras e orgãos internos, ou usarmos as suas peles. Após o momento em que se decide mudar a alimentação por questões éticas é um não volta atrás. Já as mudanças por razões de melhoria da saúde muitas vezes têm um volte face, e quem se apregoava vegetariano vem alguns meses ou anos depois dizer que voltou a comer carne, seja qual for a desculpa que achou mais conveniente. Apesar de alguns adota…