Avançar para o conteúdo principal

O Poder Feminino

"A nossa civilização, baseada nos falsos valores do patriarcado, está em plena ruína, até no plano material. Para evitar a autodestruição, é preciso despertar o culto da feminilidade, que é o único a permitir o pleno desenvolvimento tanto do homem quanto da mulher."

André Van Lysebeth, in. Tantra, o Culto da Feminilidade.

Comentários

Tiago R Cardoso disse…
Mesmo assim se calhar isto era difícil de endireitar, como as coisas andam...
quin[tarantino] disse…
Não é possível um equilíbrio?
DS disse…
Dear Quin!
Não me parece que haja equilíbrio, o que acontece é que as malhas do patriarcado estão tecidas hà tantos séculos que já nem as notamos. Não estou a falar de haver mulheres com calças ou com armas mas de valores intrínsecos à mulher que foram esquecidos, silenciados e deturpados em prol de uma sociedade de homens dominando as mulheres, homens dominando a natureza, homens dominando outros homens, etc...
Todos se esqueceram que não nasceram por magia de um velho barbudo habitante dos céus mas sim do corpo de uma mulher e que também não é o velho barbudo que nos dá alimento mas sim a natureza e que sem uma ou outra não haveria sequer mundo.
Think about this!
Crítico
Faço minhas as palavras da DS.
Abraço
Tenho estado ausente nos comentários, mas não nas visitas.
Espero que a minha não participação, não vos impeça de me visitarem.
Tenho novidades no meu espaço e explico melhor a minha "ausência".
Cumprimentos Pecadores.

Mensagens populares deste blogue

Quo vadis

Esta época de festas, de família, de amizade, de reencontros, de fim de ano, é a altura ideal para refletir sobre o que realmente queremos e o que realmente somos. Se estamos no caminho certo, naquela caminhada que pretendemos trilhar rumo a um futuro risonho para nós e para os  outros, ou se meramente estamos a curtir o momento e a saborear o dia-a-dia sem querer pensar em responsabilidades.

Fica o desafio para os corajosos, claro!


Aldeia demasiado global?!

Vivemos num mundo muito pequeno, numa aldeia global, graças às comunicações que foram sendo estabelecidas ao longo da História e com um grande contributo da expansão marítima portuguesa. Martin Page até escreveu o livro Portugal, a primeira aldeia global. Em pleno século XXI ninguém está longe, todos estamos à distância de um click. Contudo, é extraordinário como com todas essas potencialidades de proximidade relativa se vivam tempos de tanta distância entre pessoas que vivem lado a lado. A tecnologia que serviria para falarmos, vermos, a grandes distâncias são a razão pela qual as pessoas não se comunicam a curtos metros, pois cada um está ofuscado com a luminosidade do seu ecrã. A tecnologia de ponta só fará sentido se melhorar a nossa qualidade de vida e não o contrário. Bom ano!

Caixa de Pandora, do bem.

Mudar de hábitos, por tomada de consciência, torna-se uma demanda de progressão sem fim. O que em certa medida é ótimo, pois é sinal que estamos a aprimorar, mas que muitas vezes gera conflito social, num círculo mais próximo com a família, num círculo mais alargado com os demais colegas e conhecidos. A mudança para uma alimentação vegana tem, maioritariamente, como principal motor a ética animal, o apercebermo-nos que não necessitamos de viver com base no sofrimento dos outros, que esses outros não têm de morrer, torturados de forma macabra, para que nos possamos alimentar dos seus músculos, vísceras e orgãos internos, ou usarmos as suas peles. Após o momento em que se decide mudar a alimentação por questões éticas é um não volta atrás. Já as mudanças por razões de melhoria da saúde muitas vezes têm um volte face, e quem se apregoava vegetariano vem alguns meses ou anos depois dizer que voltou a comer carne, seja qual for a desculpa que achou mais conveniente. Apesar de alguns adota…