Avançar para o conteúdo principal

24 horas, nem mais.


Todos os dias somos confrontados com situações que gostaríamos de alterar. Pequenos hábitos que fomos adquirindo, ou rotinas. Contudo, o que à primeira vista parece simples revela-se um obstáculo, e quando nos apercebemos já voltamos ao mesmo.
Não me refiro a nenhuma temática em particular, cada qual analisará segundo a sua vivência diária. Afinal não passa de uma questão de organização.
O problema da descontinuidade de algo que nos propomos alterar nas nossas vidas é a falta de método e disciplina. Claro que esta não deve violar a nossa liberdade. O segredo está na regularidade diária, na continuidade da acção que nos propomos adoptar.
As nossas vidas, neste início do terceiro milénio, são, por vezes, vazias de actividades que nos dão prazer e nos fazem sentir bem, em prol de uma azafama laboral e descontrolada, com a desculpa de não haver alternativa, aplicando muitas vezes o velho ditado: "o que tem que ser tem muita força".
A realidade é que nem sempre assim é, e arrisco-me a dizer que a maioria levam vidas stressantes não por excesso de trabalho, mas sim por serem maus gestores do seu próprio tempo, ocupando-se com futilidades várias, sem se aperceberem.
O dia tem 24 horas para todos, a diferença é que uns rentabilizam-nas da melhor forma, outros não. Ou julgam que aos homens e mulheres de sucesso lhe foi dado um bónus horário. E quando me refiro a sucesso não me limito à área financeira. Não! Pretendo muito mais do que isso, os amigos, a família, os hobbis. A questão são as prioridades e não a falta de tempo.
A próxima vez que recusar um momento para si não diga: "Não tenho tempo", seja sincero e diga: "Não é uma prioridade para mim". Nesse caso, se não é uma prioridade não se pode queixar.

Lembre-se: o seu dia tem 24 horas tal como o de toda a gente, se não faz algo não é por falta de tempo, mas sim por não ser algo prioritário para si.

Pense nisso.

(fotografia: Adri Berger)

Comentários

És muito maroto.
Eu sou muito organizada e por vezes falta-me tempo. Não porque não seja prioritária para mim a reserva desse tempo mas porque sou burra de carga de outras obrigações.

Abraço
Cidadão Kapa disse…
Concordo inteiramente. Mas não é fácil sequer perceber-se de que é que estamos a falar.

Mensagens populares deste blogue

Seja feliz

Para se ser saudável tem de se ser feliz.A infelicidade mina a saúde.Não, e ela não nos cai nas mãos, temos de ir à sua conquista. O mais importante é que não dependemos de ninguém, a felicidade mais pura está nas mais pequenas coisas, mas para o percebermos temos primeiro de liberar algum lixo que ocupa a nossa mente.Seja feliz, pela sua saúde!

Vem comigo

Vidas frustradas por ilusões perdidas. Vidas gastas na comiseração. Zona de conforto que aprisiona a pobre alma, sem esta conseguir a garra, o entusiasmo para quebrar o fino fio que a prende, quando ela julga ser uma pesada corrente.Frustração dirigida ao outro pelo simples facto de não saber lidar com a dor que sente, por ver a vida passar por entre os dedos.Quantos apenas vêem o abismo à sua frente e não percebem que têm asas para voar. Asas tolhidas pela ignorância, agrilhoadas pelo deixa andar que um dia vai mudar.A existência passa e quando a senhora da foice chega já é demasiado tarde para despertar e correr para os braços da profunda realização.Mata a zona de conforto e vem comigo, não vai ser fácil, mas vai ser muito gratificante. E na caminhada sorrimos como se a meta fosse apenas mais uma etapa.

Mike, o galo sem cabeça

Quantos tempo conseguirá uma galinha viver sem cabeça?
Se me fizessem essa pergunta há uma semana responderia, sem sombra de dúvidas: uns minutos, no máximo. Contudo, ao saber do que se passou no Colorado, EUA, em 1945, faz com que hoje tenha opinião diferente.
Nesse ano longínquo, Lloyd Olsen na tentativa de matar um jovem galo para o jantar não cumpriu na perfeição o serviço e o galo sobreviveu, pasme-se: sem cabeça.
A veia jugular e o troco cerebral não foram danificados o que permitiu ao bicho sobreviver.
Artigos sobre o tema foram publicados nas revistas Time e Life, e hoje em dia existem vários sites que atestam este fenómeno, como pode ver no fim deste post.
O dono do "afortunado" galináceo, com olho para o negócio, não perdeu tempo e passou a cobrar 25 cêntimos para quem quisesse ver Mike, nome que lhe fora atribuído.
Os espectáculos de rua sucediam-se e no auge do sucesso Mike ganhava 4.500 dólares por mês e valia 10.000.
Seguiu-se uma fase negra para o mundo aviário, pois…