Avançar para o conteúdo principal

24 horas, nem mais.


Todos os dias somos confrontados com situações que gostaríamos de alterar. Pequenos hábitos que fomos adquirindo, ou rotinas. Contudo, o que à primeira vista parece simples revela-se um obstáculo, e quando nos apercebemos já voltamos ao mesmo.
Não me refiro a nenhuma temática em particular, cada qual analisará segundo a sua vivência diária. Afinal não passa de uma questão de organização.
O problema da descontinuidade de algo que nos propomos alterar nas nossas vidas é a falta de método e disciplina. Claro que esta não deve violar a nossa liberdade. O segredo está na regularidade diária, na continuidade da acção que nos propomos adoptar.
As nossas vidas, neste início do terceiro milénio, são, por vezes, vazias de actividades que nos dão prazer e nos fazem sentir bem, em prol de uma azafama laboral e descontrolada, com a desculpa de não haver alternativa, aplicando muitas vezes o velho ditado: "o que tem que ser tem muita força".
A realidade é que nem sempre assim é, e arrisco-me a dizer que a maioria levam vidas stressantes não por excesso de trabalho, mas sim por serem maus gestores do seu próprio tempo, ocupando-se com futilidades várias, sem se aperceberem.
O dia tem 24 horas para todos, a diferença é que uns rentabilizam-nas da melhor forma, outros não. Ou julgam que aos homens e mulheres de sucesso lhe foi dado um bónus horário. E quando me refiro a sucesso não me limito à área financeira. Não! Pretendo muito mais do que isso, os amigos, a família, os hobbis. A questão são as prioridades e não a falta de tempo.
A próxima vez que recusar um momento para si não diga: "Não tenho tempo", seja sincero e diga: "Não é uma prioridade para mim". Nesse caso, se não é uma prioridade não se pode queixar.

Lembre-se: o seu dia tem 24 horas tal como o de toda a gente, se não faz algo não é por falta de tempo, mas sim por não ser algo prioritário para si.

Pense nisso.

(fotografia: Adri Berger)

Comentários

És muito maroto.
Eu sou muito organizada e por vezes falta-me tempo. Não porque não seja prioritária para mim a reserva desse tempo mas porque sou burra de carga de outras obrigações.

Abraço
Cidadão Kapa disse…
Concordo inteiramente. Mas não é fácil sequer perceber-se de que é que estamos a falar.

Mensagens populares deste blogue

Alimentação consciente

Hipócrates, considerado o pai da medicina, disse: "Que o teu remédio seja o teu alimento e que o teu alimento seja o teu remédio." Mais de dois mil anos depois essa frase nunca foi tão desrespeitada como nos nossos dias. Vivemos numa época em que o fast food é lei, com todas as implicações que daí advêm não só para a saúde física do indivíduo, mas para a própria saúde financeira de cada um e do Estado. Não é preciso ser um especialista para analisar que caminhamos para uma Era de doenças relacionadas com aquilo que se come. Aliás, isso já é notório nos países mais desenvolvidos, basta olhar para o Estados Unidos da América: obesidade, diabetes, cancro, AVC, tensão alta, alergias, etc. Os médicos de clínica geral, normalmente, pouco sabem sobre alimentação, no entanto é a eles que recorre a maioria da população. Nem todos podem ou sabem como fazer para consultar um especialista em nutrição, nutricionista ou nutrólogo. A sociedade está a ficar doente, mas a questão vai muito …

Amar uns, matar os outros.

Há coisas tão simples que nos passam despercebidas.

Fomos educados numa sociedade onde é comum a chacina dos animais para nosso bel-prazer. Alguns dirão que é por necessidade, pois bem, isso é desconhecimento, ignorância. Outros dirão que é por prazer, nesse caso o problema é maior, pois para afagar o palato não se importam que um ser tão meigo e digno de vida, como o seu animal doméstico, seja brutalmente assassinado, depois de uma vida miserável de sofrimento, apenas para ele o ter no prato.

Vivemos tempos fabulosos de paz, comparando com tempos passados da nossa História, contudo há ainda um mar de gente que na correria das suas vidas nunca parou para pensar, ou nunca foi obrigado a tal, sobre aquilo que come, que esses hábitos causam sofrimento a muitos, que estão a arruinar o planeta e que ainda por cima lhes estão a dar cabo da saúde, matando-os lentamente.

Claro que é todo um negócio, e é bom para esse mercado que as pessoas continuem com os seus hábitos sem pensar muito. A pró…

Bêbados de sono

Segundo Charles Czeisler, investigador de Harvard, um período de 25 horas sem dormir, ou um descanso de apenas cinco horas por noite durante uma semana, são o equivalente a uma taxa de alcoolémia de 1g/l. Mas a verdade é que a ética do mundo empresarial exalta esses feitos. "Jamais seríamos capazes de dizer: 'Esta pessoa é um excelente trabalhador! Anda sempre bêbado!'", escreveu ele na "Harvard Business Review", em 2006.
In. Revista National Geographic Portugal, de Maio de 2010.