Avançar para o conteúdo principal

A Tomada de Consciência


A Revolta

Milhões de homens caminham em direcção ao abismo da extinção da espécie humana. Marcham tal batalhão inerte e hipnotizado pela guerra. À primeira vista não compreendem para onde se dirigem, não há tempo para reflectir sobre o caminho que tomam, a vida conturbada não o permite.
Entre esse aglomerado de milhões de indivíduos surgem pequenas facções, plenamente conscientes dos passos que estão a dar e tentam demover os restantes. Mas não raras vezes ainda são agredidos por estes.
Enquanto a marcha prossegue, e ao fundo já se vê o fumo negro da fornalha que a todos consumirá, ouvem-se vozes de alerta de seres que suplicam aos demais que não é este o caminho correcto. Pequenos grupos unem-se e lutam contra os generais do batalhão, contudo as suas armas não passam de palavras certeiras, ao passo que os “zombies” agridem violentamente aqueles que tentam ajudar.
Um ou outro junta-se aos pequenos grupos, apesar da maioria seguir lentamente em direcção à escuridão, como uma espécie de corrente de lava.
O calor abrasador já se faz sentir, mas ainda é tempo. A resistência luta arduamente e apesar de ínfimos os resultados começam-se a verificar. Os revoltosos tentam inverter o sentido da marcha do batalhão, mas por enquanto a corrente ainda é demasiado forte, são necessários mais voluntários para demover os que ainda não se aperceberam do caminho que estão a tomar.
O tempo urge, precisamos de ti.

A Batalha

Espadas cintilam no ar e embatem violentamente contra lâminas inimigas. Feixes de luz cortam a noite e fortalecem o luar que ilumina o campo de combate. Vultos dançam a coreografia da vida e da morte.
Hoje as espadas e o campo de batalha são outros, mas luta-se igualmente numa noite de luar, insuficiente para se ver ao longe. Aguardamos o raiar do dia e a vitória. Esperamos a luz.

A Vitória

Corpos exaustos da luta, sem capacidade para levantar por mais uma vez que seja a sua espada, guardam ainda energia para a dança da vitória. Dançam ao som de tambores inebriantes, iluminados por fogueiras altas e calorosas.
Movem-se em pleno êxtase e de olhos fechados agitam os braços no ar ao ritmo do som.
O dia começa a raiar e milhares de mãos estendidas ao alto recebem a luz que traz uma nova oportunidade, um novo dia.

(Fotografia: Chase Jarvis)

Comentários

papoila disse…
Mudar o mundo está dificil...mas não impossivel...que bom saber que afinal, mesmo sendo poucos...a vitória sempre suge apesar da luta , do esforço

obrigada
Querido amigo
Ao tomarmos consciência da necessidade da mudança estamos já a dar um passo em frente.
Apesar de tudo eu acredito´.

Abraço

Mensagens populares deste blogue

Alimentação consciente

Hipócrates, considerado o pai da medicina, disse: "Que o teu remédio seja o teu alimento e que o teu alimento seja o teu remédio." Mais de dois mil anos depois essa frase nunca foi tão desrespeitada como nos nossos dias. Vivemos numa época em que o fast food é lei, com todas as implicações que daí advêm não só para a saúde física do indivíduo, mas para a própria saúde financeira de cada um e do Estado. Não é preciso ser um especialista para analisar que caminhamos para uma Era de doenças relacionadas com aquilo que se come. Aliás, isso já é notório nos países mais desenvolvidos, basta olhar para o Estados Unidos da América: obesidade, diabetes, cancro, AVC, tensão alta, alergias, etc. Os médicos de clínica geral, normalmente, pouco sabem sobre alimentação, no entanto é a eles que recorre a maioria da população. Nem todos podem ou sabem como fazer para consultar um especialista em nutrição, nutricionista ou nutrólogo. A sociedade está a ficar doente, mas a questão vai muito …

Amar uns, matar os outros.

Há coisas tão simples que nos passam despercebidas.

Fomos educados numa sociedade onde é comum a chacina dos animais para nosso bel-prazer. Alguns dirão que é por necessidade, pois bem, isso é desconhecimento, ignorância. Outros dirão que é por prazer, nesse caso o problema é maior, pois para afagar o palato não se importam que um ser tão meigo e digno de vida, como o seu animal doméstico, seja brutalmente assassinado, depois de uma vida miserável de sofrimento, apenas para ele o ter no prato.

Vivemos tempos fabulosos de paz, comparando com tempos passados da nossa História, contudo há ainda um mar de gente que na correria das suas vidas nunca parou para pensar, ou nunca foi obrigado a tal, sobre aquilo que come, que esses hábitos causam sofrimento a muitos, que estão a arruinar o planeta e que ainda por cima lhes estão a dar cabo da saúde, matando-os lentamente.

Claro que é todo um negócio, e é bom para esse mercado que as pessoas continuem com os seus hábitos sem pensar muito. A pró…

Bêbados de sono

Segundo Charles Czeisler, investigador de Harvard, um período de 25 horas sem dormir, ou um descanso de apenas cinco horas por noite durante uma semana, são o equivalente a uma taxa de alcoolémia de 1g/l. Mas a verdade é que a ética do mundo empresarial exalta esses feitos. "Jamais seríamos capazes de dizer: 'Esta pessoa é um excelente trabalhador! Anda sempre bêbado!'", escreveu ele na "Harvard Business Review", em 2006.
In. Revista National Geographic Portugal, de Maio de 2010.