domingo, 7 de setembro de 2008

Sarah Palin - Quem vê caras não vê corações.


É sabido que os E.U.A têm uma forte tradição conservadora. É também sabido que é um país onde mais vozes de contestação se ouvem em relação ao estado do globo. Resumindo, é um mundo de duas faces: de um lado os poderosos conservadores, do outro os liberais, que acreditam num rumo diferente.
Nos últimos dias surgiu na cena política norte americana a governadora do Alasca, Sarah Palin, escolhida pelo candidato republicano, John McCain, para assumir a vice-presidência. Primeiramente, e apoiando-me simplesmente num registo fotográfico, o que salta à vista é a beleza e a elegância de Palin, hoje com 44 anos. Não admira portanto que aos 20 tenha ficado em 2.º lugar no concurso Miss Alasca. Contudo, numa análise ao seu percurso e currículo a beleza passa para segundo plano.
Senão vejamos. Segundo as pessoas mais próximas, familiares e amigos, ela é inabalável, nunca desistindo dos seus objectivos. Exemplo disso foi a conquista do campeonato estadual de basquetebol, pela equipa do liceu de Wasilla, que ela capitaneou, e que resolveu o último jogo fazendo um lançamento vital nos momentos finais, apesar de jogar com um tornozelo fracturado.
Palin poderá, caso McCain ganhe as eleições, vir a assumir a presidência dos Estados Unidos da América, pois McCain já tem 72 anos e alguns problemas de saúde.
Esta esbelta mulher é um verdadeiro “pitbull de bâton”, como ela própria confessa, a as suas metas políticas passam, pasme-se, pelos seguintes pontos: proibir o aborto; ensinar o criacionismo nas escolas, em detrimento da teoria da evolução; é a favor da posse de armas; e quer exercer censura sobre os livros das bibliotecas.
Outros dados de interesse: está sob investigação por abuso de poder; quis despedir uma bibliotecária por esta se recusar a retirar da biblioteca pública livros classificados como “inapropriados”; é uma fundamentalista cristã, que considera que a guerra do Iraque obedeceu a “um plano de Deus”.
Depois deste "maravilhoso" currículo é caso para dizer: quem vê caras não vê corações. Quando li estes dados pela primeira vez não queria acreditar.
Mas há mais. Esta beldade acordava às 3h da madrugada e ia caçar com o pai. Diz que continua a gostar de caçar animais grandes e que sabe esfolar e fazer hambúrgueres de alce. No seu gabinete tem uma pele de urso e respectiva cabeça do animal embalsamada.
Obama poderá também não ser quem aparenta, mas uma coisa é certa o mundo tem a ganhar se ele for eleito, caso contrário, e como diz o povo: Seja o que Deus quiser.


(fonte: Jornal Expresso de 6 de Setembro de 2008)

3 comentários:

Maria disse...

acho que é mais quem vê caras não vê posições politicas.
Tristeza ao quadrado. Por ser triste e por ser mulher (uma vergonha para o genero)

Anónimo disse...

Não entendi a alusão à vontade que ela tem de caçar. Queira desculpar, mas essa forma de pensar é extremamente preconceituosa e tendenciosa.
Hoje em dia, pelo jeito, ter a coragem de ter convicções inabaláveis parece ser indicativo de gente perigosa.
Todavia, Barack Obama também as tem, mas parece que ser mulher é a questão que está aqui atrapalhando uma argumentação válida.

Zé do Coco

JOY disse...

Relativamente a vice presidentes venha o diabo e escolha, a quantidade de disparates ditos pelos dois nas entrevistas é assustador, na maioria das vezes nem sabem do que que estão a falar.
tendo em conta que qualquer um deles pode vir a ser presidente da maior potência mundial dá que pensar.

Joy