Avançar para o conteúdo principal

Mike, o galo sem cabeça


Quantos tempo conseguirá uma galinha viver sem cabeça?
Se me fizessem essa pergunta há uma semana responderia, sem sombra de dúvidas: uns minutos, no máximo. Contudo, ao saber do que se passou no Colorado, EUA, em 1945, faz com que hoje tenha opinião diferente.
Nesse ano longínquo, Lloyd Olsen na tentativa de matar um jovem galo para o jantar não cumpriu na perfeição o serviço e o galo sobreviveu, pasme-se: sem cabeça.
A veia jugular e o troco cerebral não foram danificados o que permitiu ao bicho sobreviver.
Artigos sobre o tema foram publicados nas revistas Time e Life, e hoje em dia existem vários sites que atestam este fenómeno, como pode ver no fim deste post.
O dono do "afortunado" galináceo, com olho para o negócio, não perdeu tempo e passou a cobrar 25 cêntimos para quem quisesse ver Mike, nome que lhe fora atribuído.
Os espectáculos de rua sucediam-se e no auge do sucesso Mike ganhava 4.500 dólares por mês e valia 10.000.
Seguiu-se uma fase negra para o mundo aviário, pois muitos outros tentaram a sorte decapitando as sua galinhas. Mas nenhuma sobreviveu mais de 11 dias.
Mike era alimentado com um conta gotas e por grãos de milho que o seu dono lhe dava.
Certa noite, o animal engasgou-se com o seu próprio muco e faleceu sufocado, haviam decorridos 18 meses desde que tinha sido decapitado.
No Colorado, desde 1999, assinala-se o dia de "Mike, o galo sem cabeça.

Para saber mais clique nos links que se seguem:

http://www.miketheheadlesschicken.org
Wikipédia
Wikipedia (versão inglesa)

(fonte: O Livro da Ignorância Geral, de John Lloyd e John Mitchinson, Ideias de Ler, 2007.)

Comentários

Carreira disse…
Que coisa louca!
Anónimo disse…
Essa foi a coisa mais louca que já vi...isso é incrivel...pode crer...
Anónimo disse…
Essa é a historia mais louca que li....em toda minha vida...
Anónimo disse…
como ele vive sem cerebro?
isso e treta
engana otario
Marco Santos disse…
Caro Anónimo,

de início também não acreditei, mas basta fazer uma pesquisa na Internet para nos apercebemos do contrário. O facto está amplamente documentado.

E mais cego é quem não quer ver.
Cumprimentos.

PS- Aliás, até há muita gente a viver sem cabeça, ou pelo menos sem nada dentro.
crazy disse…
vou fazer um teste com o galo aqui de casa
Anónimo disse…
Teve uma menina que nasceu sem cérebro e viveu 1 ano(amigo meu q disse)e os médicos falaram q foi o amor dos pais q fez ela viver tanto tempo.Sendo assim até um galo pode viver 11 dias sem cabeça!
Tem gente q acha tudo impossível,e acaba acontecendo coisas desse tipo.

Mensagens populares deste blogue

Alimentação consciente

Hipócrates, considerado o pai da medicina, disse: "Que o teu remédio seja o teu alimento e que o teu alimento seja o teu remédio." Mais de dois mil anos depois essa frase nunca foi tão desrespeitada como nos nossos dias. Vivemos numa época em que o fast food é lei, com todas as implicações que daí advêm não só para a saúde física do indivíduo, mas para a própria saúde financeira de cada um e do Estado. Não é preciso ser um especialista para analisar que caminhamos para uma Era de doenças relacionadas com aquilo que se come. Aliás, isso já é notório nos países mais desenvolvidos, basta olhar para o Estados Unidos da América: obesidade, diabetes, cancro, AVC, tensão alta, alergias, etc. Os médicos de clínica geral, normalmente, pouco sabem sobre alimentação, no entanto é a eles que recorre a maioria da população. Nem todos podem ou sabem como fazer para consultar um especialista em nutrição, nutricionista ou nutrólogo. A sociedade está a ficar doente, mas a questão vai muito …

Amar uns, matar os outros.

Há coisas tão simples que nos passam despercebidas.

Fomos educados numa sociedade onde é comum a chacina dos animais para nosso bel-prazer. Alguns dirão que é por necessidade, pois bem, isso é desconhecimento, ignorância. Outros dirão que é por prazer, nesse caso o problema é maior, pois para afagar o palato não se importam que um ser tão meigo e digno de vida, como o seu animal doméstico, seja brutalmente assassinado, depois de uma vida miserável de sofrimento, apenas para ele o ter no prato.

Vivemos tempos fabulosos de paz, comparando com tempos passados da nossa História, contudo há ainda um mar de gente que na correria das suas vidas nunca parou para pensar, ou nunca foi obrigado a tal, sobre aquilo que come, que esses hábitos causam sofrimento a muitos, que estão a arruinar o planeta e que ainda por cima lhes estão a dar cabo da saúde, matando-os lentamente.

Claro que é todo um negócio, e é bom para esse mercado que as pessoas continuem com os seus hábitos sem pensar muito. A pró…

Caixa de Pandora, do bem.

Mudar de hábitos, por tomada de consciência, torna-se uma demanda de progressão sem fim. O que em certa medida é ótimo, pois é sinal que estamos a aprimorar, mas que muitas vezes gera conflito social, num círculo mais próximo com a família, num círculo mais alargado com os demais colegas e conhecidos. A mudança para uma alimentação vegana tem, maioritariamente, como principal motor a ética animal, o apercebermo-nos que não necessitamos de viver com base no sofrimento dos outros, que esses outros não têm de morrer, torturados de forma macabra, para que nos possamos alimentar dos seus músculos, vísceras e orgãos internos, ou usarmos as suas peles. Após o momento em que se decide mudar a alimentação por questões éticas é um não volta atrás. Já as mudanças por razões de melhoria da saúde muitas vezes têm um volte face, e quem se apregoava vegetariano vem alguns meses ou anos depois dizer que voltou a comer carne, seja qual for a desculpa que achou mais conveniente. Apesar de alguns adota…