Avançar para o conteúdo principal

Dia Mundial da Diabetes


Hoje, dia 14 de Novembro, assinala-se o dia Mundial da Diabetes, doença que vem crescendo de forma avassaladora e que será, segundo alguns especialistas, a doença do século XXI.
Nesta doença crónica devemos distinguir duas tipologias: diabetes Tipo I e Tipo II. Uma não é pior ou mais grave do que a outras, até porque falámos de uma doença que permite uma vida perfeitamente normal, caso se seja disciplinado.
Contudo, o grande número de diabéticos, e aqueles que pesam realmente nos números e nas complicações tardias desta doença, são os de Tipo II. Estes têm na sua maioria mais de 40 anos e a doença advém de maus hábitos alimentares, vidas sedentárias, obesidade, etc. O tratamento é feito à base de medicação oral, exercício físico e alimentação cuidada. Os diabético de Tipo II podem sê-lo durante longos anos sem que sejam diagnosticados, bastando para tal não fazer análises. Aqui se torna evidente a importância do acompanhamento médico regular para os indivíduos que se enquadram no universo dos obesos, sedentários e com dieta deficiente.
Os diabéticos de Tipo I (10% do total) são na sua maioria jovens e tornam-se doentes devido a uma anomalia no seu pâncreas, que deixa de produzir insulina, responsável pelo transporte da glicose do sangue para as células. O próprio sistema imunitário deixa de reconhecer as células pancreáticas detruindo-as. As causas são desconhecidas, podendo a responsabilidade cair em factores hereditários, tratamentos a outras maleitas, infecções, foro emocional, etc. Os sintomas neste caso são bem evidentes (muita sede, aumento do volume da urina, fadiga, tonturas, aumento do apetite, perda de peso) e a diabetes é rapidamente diagnosticada, através de análises ao sangue. O tratamento é feito à base de insulina.
As mediadas recentemente tomadas pelo governo a nível de comparticipações ainda pecam por escassas, quando comparadas com outros países da União Europeia.
A prevenção é sem margem para dúvidas a melhor "arma" no combate à doença do século, pois 50% dos casos podem ser evitados (isto no que se refere à diabetes de Tipo II).
Em 7 anos a doença teve um crescimento de 40%.
Para assinalar a data vários monumentos nacionais e internacionais iluminaram-se desde ontem à noite de luz azul, numa alusão ao circulo azul - unidos pela diabetes.

Um conselho: se é obeso ou tem uma massa corporal elevada, é sedentário, e não se alimenta convenientemente, quase de certeza que a diabetes esperará por si, por isso MEXA-SE!

Comentários

quintarantino disse…
Um post que muitos deveriam ler. A bem da Saúde.
Carreira disse…
Isté é que verdadeiro serviço cívico.
Abraço.
Pelos bem de todos deixas o aviso. Eu sem andar distraído, reforço assim a atenção devida. Bom Post! Abraços.
Tiago R Cardoso disse…
Infelizmente tenho um caso na família.

Um texto que é uma verdadeiro alerta.
É um verdadeiro alerta este texto que todos, sem excepção, deveriam ler. Mas eu sou relativamente disciplinada. Faço exercício físico e tenho cuidado com a alimentação que, de uma forma geral, é pouco calórica e raramente como carne.Vegetariana é que ainda não consigo.
JOY disse…
Um post muito útil, um alerta para o estilo de vida sedentário que levamos ,sempre que posso tento fazer exercicio fisico e hoje tenho muito mais cuidado com a alimentação o que muito me custa pois sou um bom garfo.

Abraço
JOY

Mensagens populares deste blogue

Alimentação consciente

Hipócrates, considerado o pai da medicina, disse: "Que o teu remédio seja o teu alimento e que o teu alimento seja o teu remédio." Mais de dois mil anos depois essa frase nunca foi tão desrespeitada como nos nossos dias. Vivemos numa época em que o fast food é lei, com todas as implicações que daí advêm não só para a saúde física do indivíduo, mas para a própria saúde financeira de cada um e do Estado. Não é preciso ser um especialista para analisar que caminhamos para uma Era de doenças relacionadas com aquilo que se come. Aliás, isso já é notório nos países mais desenvolvidos, basta olhar para o Estados Unidos da América: obesidade, diabetes, cancro, AVC, tensão alta, alergias, etc. Os médicos de clínica geral, normalmente, pouco sabem sobre alimentação, no entanto é a eles que recorre a maioria da população. Nem todos podem ou sabem como fazer para consultar um especialista em nutrição, nutricionista ou nutrólogo. A sociedade está a ficar doente, mas a questão vai muito …

Amar uns, matar os outros.

Há coisas tão simples que nos passam despercebidas.

Fomos educados numa sociedade onde é comum a chacina dos animais para nosso bel-prazer. Alguns dirão que é por necessidade, pois bem, isso é desconhecimento, ignorância. Outros dirão que é por prazer, nesse caso o problema é maior, pois para afagar o palato não se importam que um ser tão meigo e digno de vida, como o seu animal doméstico, seja brutalmente assassinado, depois de uma vida miserável de sofrimento, apenas para ele o ter no prato.

Vivemos tempos fabulosos de paz, comparando com tempos passados da nossa História, contudo há ainda um mar de gente que na correria das suas vidas nunca parou para pensar, ou nunca foi obrigado a tal, sobre aquilo que come, que esses hábitos causam sofrimento a muitos, que estão a arruinar o planeta e que ainda por cima lhes estão a dar cabo da saúde, matando-os lentamente.

Claro que é todo um negócio, e é bom para esse mercado que as pessoas continuem com os seus hábitos sem pensar muito. A pró…

Caixa de Pandora, do bem.

Mudar de hábitos, por tomada de consciência, torna-se uma demanda de progressão sem fim. O que em certa medida é ótimo, pois é sinal que estamos a aprimorar, mas que muitas vezes gera conflito social, num círculo mais próximo com a família, num círculo mais alargado com os demais colegas e conhecidos. A mudança para uma alimentação vegana tem, maioritariamente, como principal motor a ética animal, o apercebermo-nos que não necessitamos de viver com base no sofrimento dos outros, que esses outros não têm de morrer, torturados de forma macabra, para que nos possamos alimentar dos seus músculos, vísceras e orgãos internos, ou usarmos as suas peles. Após o momento em que se decide mudar a alimentação por questões éticas é um não volta atrás. Já as mudanças por razões de melhoria da saúde muitas vezes têm um volte face, e quem se apregoava vegetariano vem alguns meses ou anos depois dizer que voltou a comer carne, seja qual for a desculpa que achou mais conveniente. Apesar de alguns adota…