Avançar para o conteúdo principal

Outros efeitos da guerra


Tive conhecimento, pelo jornal Público de hoje, que os veteranos de guerra norte americanos têm uma taxa elevadíssima de suicídios, o dobro da comunidade civil.
Num país em que o mercado da guerra é dos mais rentáveis e dos que mais faz avançar a economia é caso para dizer que os americanos a pouco e pouco se vão auto-destruindo. Os terroristas e inimigos desta grande potência não necessitam de colmatar esforços contra o gigante, pois ele está em processo de implosão.
Em 2005 a média de suicídios entre veteranos de guerra foi a seguinte: 120 suicídios por semana, 17 por dia.
Existem actualmente 25 milhões de veteranos de guerra, de entre os quais 1,6 milhões do Iraque.

É sem duvida um país dicotómico, onde se encontram maravilhas e ao mesmo tempo as maiores aberrações.

(fotografia: VisionofAmerica/Joe Sohm)

Comentários

Carreira disse…
Nas guerras, como em quase tudo na vida, surge sempre o reverso da medalha.
A factura a pagar é sempre muito elevada. Esta é pesadíssima e causará muito sofrimentoa famílias que hipoteticamente até poderão ser contras os conflitos em que os EUA se envolvem.
Porque és um visitante especial, que deixa nas ideias as suas convicções e o calor humano do respeito e da amizade, deixei-te, no meu blogue, o símbolo do nosso aperto de mão.
Fostes dos meus primeiros amigos na blogosfera e, para mim, serás sempre especial. Obrigada pela tua amizade
Tiago R Cardoso disse…
Eu ainda ando a procura das maravilhas...
A guerra deixa marcas indeléveis com as quais muitos não conseguem conviver.
Um País de maravilhas e ao mesmo tempo um País de atrocidades. Quem ganha são os governantes com o dinheiro que a guerra produz, quem sofre é quem a enfrenta sob a alçada de um país que se julga patriota, mas não, um País que invoca patriotismo em busca da sua economia...

Mensagens populares deste blogue

Alimentação consciente

Hipócrates, considerado o pai da medicina, disse: "Que o teu remédio seja o teu alimento e que o teu alimento seja o teu remédio." Mais de dois mil anos depois essa frase nunca foi tão desrespeitada como nos nossos dias. Vivemos numa época em que o fast food é lei, com todas as implicações que daí advêm não só para a saúde física do indivíduo, mas para a própria saúde financeira de cada um e do Estado. Não é preciso ser um especialista para analisar que caminhamos para uma Era de doenças relacionadas com aquilo que se come. Aliás, isso já é notório nos países mais desenvolvidos, basta olhar para o Estados Unidos da América: obesidade, diabetes, cancro, AVC, tensão alta, alergias, etc. Os médicos de clínica geral, normalmente, pouco sabem sobre alimentação, no entanto é a eles que recorre a maioria da população. Nem todos podem ou sabem como fazer para consultar um especialista em nutrição, nutricionista ou nutrólogo. A sociedade está a ficar doente, mas a questão vai muito …

Amar uns, matar os outros.

Há coisas tão simples que nos passam despercebidas.

Fomos educados numa sociedade onde é comum a chacina dos animais para nosso bel-prazer. Alguns dirão que é por necessidade, pois bem, isso é desconhecimento, ignorância. Outros dirão que é por prazer, nesse caso o problema é maior, pois para afagar o palato não se importam que um ser tão meigo e digno de vida, como o seu animal doméstico, seja brutalmente assassinado, depois de uma vida miserável de sofrimento, apenas para ele o ter no prato.

Vivemos tempos fabulosos de paz, comparando com tempos passados da nossa História, contudo há ainda um mar de gente que na correria das suas vidas nunca parou para pensar, ou nunca foi obrigado a tal, sobre aquilo que come, que esses hábitos causam sofrimento a muitos, que estão a arruinar o planeta e que ainda por cima lhes estão a dar cabo da saúde, matando-os lentamente.

Claro que é todo um negócio, e é bom para esse mercado que as pessoas continuem com os seus hábitos sem pensar muito. A pró…

Caixa de Pandora, do bem.

Mudar de hábitos, por tomada de consciência, torna-se uma demanda de progressão sem fim. O que em certa medida é ótimo, pois é sinal que estamos a aprimorar, mas que muitas vezes gera conflito social, num círculo mais próximo com a família, num círculo mais alargado com os demais colegas e conhecidos. A mudança para uma alimentação vegana tem, maioritariamente, como principal motor a ética animal, o apercebermo-nos que não necessitamos de viver com base no sofrimento dos outros, que esses outros não têm de morrer, torturados de forma macabra, para que nos possamos alimentar dos seus músculos, vísceras e orgãos internos, ou usarmos as suas peles. Após o momento em que se decide mudar a alimentação por questões éticas é um não volta atrás. Já as mudanças por razões de melhoria da saúde muitas vezes têm um volte face, e quem se apregoava vegetariano vem alguns meses ou anos depois dizer que voltou a comer carne, seja qual for a desculpa que achou mais conveniente. Apesar de alguns adota…