Avançar para o conteúdo principal

Vivemos numa época de paz, parece mentira, mas é verdade.

Vivemos numa das épocas mais pacificas de toda a história da humanidade, por muito estranhas que pareçam estas palavras é verdade. Nunca houve tão poucos conflitos armados, nunca houve tanta paz, nunca os povos foram tão tolerantes e nunca os seres humanos tiveram tanto acesso à cultura, que é a principal arma contra a ignorância, contra regimes totalitários, contra a própria guerra.

O que faz parecer com que o parágrafo acima seja absurdo é o facto de hoje nos entrar pelas casas dentro, e não só em casa, mas em qualquer lugar, uma torrente de informação como nunca antes. Ou seja, enquanto no passado sabíamos das notícias trágicas por um ou outro jornal de maior tiragem, ou por um amigo, hoje essa tragédia chega-nos aumentada pela repetição constante dos orgãos de comunicação social e muito mais ainda pelas redes sociais. Tragédia essa muitas vezes caseira, sem impacto comunitário e muito menos mundial, mas explorada como se assim fosse.

O mais detraído dirá que vivemos num mundo muito mais violento, muito mais perigoso do que há 100 anos atrás. A verdade é que as noticias que nos chegam todos os dias a toda a hora, para aqueles que tem sempre uma tv ligada nos canais noticiosos, ou para os que, no bolso, recebem notificações constantes do que se passa, são focadas na desgraça, na tragédia, são noticias e relatos somente do esmiuçar da catástrofe.

Obviamente que é necessário estarmos informados, e há acontecimentos que requerem mais tempo de antena, como são os atentados terroristas em escala, mas muito mais do que isso nos conspurca o sossego. Muitos há que já deixaram de ver tv exatamente por esse facto, pelo exagero informativo de baixa qualidade.

Hoje há que saber selecionar a informação e não se deixar envolver demasiado por ela. Há os que são menos influenciáveis, mas também os há que ao verem desgraça alheia a toda a hora se sentem numa vivência depressiva temendo a sua hora que pode chegar a qualquer momento.

O problema está em não saber gerir o que se vê. Tanta coisa boa acontece no mundo, tanta realização, tanto bom exemplo, tanto companheirismo, solidariedade, partilha de sucessos. É preferível ir por aí, sem claro fecharmos os olhos ao que está mal, ao que tem de ser mudado, claro que não, mas menos foco, menos esmiuçar até à exaustão de assuntos que morreram após cinco minutos de explanação, mas que se continuam a dissecar por horas, dias.

O mundo nunca esteve tanto de feição. Basta olhar com atenção à volta. E é urgente que comece por nós a luta para que a paz continue e que não se voltem a repetir cenários que mudaram o curso da humanidade, é importante estarmos atentos e fazer a nossa parte para que a história recente não se volte a repetir. Apesar desta época mais pacifica apenas se passaram 71 anos do fim da segunda guerra mundial e 98 da primeira grande guerra, sem falar de todos os conflitos armados do século passado, desde a guerra do Vietname até à guerra colonial.

Cabe a cada um não ser ovelha, saber distinguir a informação e poder agir em prol de uma comunidade cada vez melhor, mais justa, solidária e pacífica, onde os radicalismos e extremismos não possam ter lugar. Uma das chaves está na educação, na cultura e no acesso continuado a conteúdos de qualidade. Essa é uma responsabilidade dos governos, dos orgãos de comunicação social e de todos os opinion makers.


Comentários

Mensagens populares deste blogue

Alimentação consciente

Hipócrates, considerado o pai da medicina, disse: "Que o teu remédio seja o teu alimento e que o teu alimento seja o teu remédio." Mais de dois mil anos depois essa frase nunca foi tão desrespeitada como nos nossos dias. Vivemos numa época em que o fast food é lei, com todas as implicações que daí advêm não só para a saúde física do indivíduo, mas para a própria saúde financeira de cada um e do Estado. Não é preciso ser um especialista para analisar que caminhamos para uma Era de doenças relacionadas com aquilo que se come. Aliás, isso já é notório nos países mais desenvolvidos, basta olhar para o Estados Unidos da América: obesidade, diabetes, cancro, AVC, tensão alta, alergias, etc. Os médicos de clínica geral, normalmente, pouco sabem sobre alimentação, no entanto é a eles que recorre a maioria da população. Nem todos podem ou sabem como fazer para consultar um especialista em nutrição, nutricionista ou nutrólogo. A sociedade está a ficar doente, mas a questão vai muito …

Amar uns, matar os outros.

Há coisas tão simples que nos passam despercebidas.

Fomos educados numa sociedade onde é comum a chacina dos animais para nosso bel-prazer. Alguns dirão que é por necessidade, pois bem, isso é desconhecimento, ignorância. Outros dirão que é por prazer, nesse caso o problema é maior, pois para afagar o palato não se importam que um ser tão meigo e digno de vida, como o seu animal doméstico, seja brutalmente assassinado, depois de uma vida miserável de sofrimento, apenas para ele o ter no prato.

Vivemos tempos fabulosos de paz, comparando com tempos passados da nossa História, contudo há ainda um mar de gente que na correria das suas vidas nunca parou para pensar, ou nunca foi obrigado a tal, sobre aquilo que come, que esses hábitos causam sofrimento a muitos, que estão a arruinar o planeta e que ainda por cima lhes estão a dar cabo da saúde, matando-os lentamente.

Claro que é todo um negócio, e é bom para esse mercado que as pessoas continuem com os seus hábitos sem pensar muito. A pró…

Caixa de Pandora, do bem.

Mudar de hábitos, por tomada de consciência, torna-se uma demanda de progressão sem fim. O que em certa medida é ótimo, pois é sinal que estamos a aprimorar, mas que muitas vezes gera conflito social, num círculo mais próximo com a família, num círculo mais alargado com os demais colegas e conhecidos. A mudança para uma alimentação vegana tem, maioritariamente, como principal motor a ética animal, o apercebermo-nos que não necessitamos de viver com base no sofrimento dos outros, que esses outros não têm de morrer, torturados de forma macabra, para que nos possamos alimentar dos seus músculos, vísceras e orgãos internos, ou usarmos as suas peles. Após o momento em que se decide mudar a alimentação por questões éticas é um não volta atrás. Já as mudanças por razões de melhoria da saúde muitas vezes têm um volte face, e quem se apregoava vegetariano vem alguns meses ou anos depois dizer que voltou a comer carne, seja qual for a desculpa que achou mais conveniente. Apesar de alguns adota…