Avançar para o conteúdo principal

O ser português

Em pleno Euro 2016 e em todo o seu esplendor o povo une-se abraçado à bandeira das quinas a sofrer e a festejar com a seleção nacional. Mais do que nunca se sente a união de uma nação quase milenar, se percebe de onde viemos, a nossa história e a nossa fibra. Mas é também nestas altura que o povo oscila entre a euforia desmedida do "somos os maiores" e a critica acutilante e desesperada do "é sempre a mesma coisa".
É este misto de sentimentos que também nos caracteriza, num momento eleva-se ao sétimo céu o dito melhor jogador do mundo e no seguinte já se espezinha o mesmo só porque falhou uma bola certa, e meu menino, não há quem o salve da acutilância, da critica irrefletida daqueles que têm o sangue a ferver.
Não sou sociólogo, mas muito há a estudar nestes campeonatos da Europa. Um jogo que pode movimentar a economia, que pode trazer confiança a um povo que cresce com o fado no goto, com a fatalidade sempre presente, o medo de não conseguir. Mas por outro lado há uma coragem que surge em momentos chave que nos dita os desígnios e as vitórias que século após século nos trouxeram ao momento presente.
O ser português é algo magnífico. Somos um povo pequeno em número e em território, mas grande em alma e em presença pelo mundo. Desde o Infante D. Henrique, que nos colocou o bichinho da exploração e da aventura marítima, não mais paramos de nos expandir pelos quatro cantos deste planeta.
Somos assim, temos uma alma do tamanho de uma vela enfunada que nos leva por mares agitados, vencendo adamastores, e no fim... no fim, temos sempre a ilha dos amores.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Seja feliz

Para se ser saudável tem de se ser feliz.A infelicidade mina a saúde.Não, e ela não nos cai nas mãos, temos de ir à sua conquista. O mais importante é que não dependemos de ninguém, a felicidade mais pura está nas mais pequenas coisas, mas para o percebermos temos primeiro de liberar algum lixo que ocupa a nossa mente.Seja feliz, pela sua saúde!

Vem comigo

Vidas frustradas por ilusões perdidas. Vidas gastas na comiseração. Zona de conforto que aprisiona a pobre alma, sem esta conseguir a garra, o entusiasmo para quebrar o fino fio que a prende, quando ela julga ser uma pesada corrente.Frustração dirigida ao outro pelo simples facto de não saber lidar com a dor que sente, por ver a vida passar por entre os dedos.Quantos apenas vêem o abismo à sua frente e não percebem que têm asas para voar. Asas tolhidas pela ignorância, agrilhoadas pelo deixa andar que um dia vai mudar.A existência passa e quando a senhora da foice chega já é demasiado tarde para despertar e correr para os braços da profunda realização.Mata a zona de conforto e vem comigo, não vai ser fácil, mas vai ser muito gratificante. E na caminhada sorrimos como se a meta fosse apenas mais uma etapa.

Mike, o galo sem cabeça

Quantos tempo conseguirá uma galinha viver sem cabeça?
Se me fizessem essa pergunta há uma semana responderia, sem sombra de dúvidas: uns minutos, no máximo. Contudo, ao saber do que se passou no Colorado, EUA, em 1945, faz com que hoje tenha opinião diferente.
Nesse ano longínquo, Lloyd Olsen na tentativa de matar um jovem galo para o jantar não cumpriu na perfeição o serviço e o galo sobreviveu, pasme-se: sem cabeça.
A veia jugular e o troco cerebral não foram danificados o que permitiu ao bicho sobreviver.
Artigos sobre o tema foram publicados nas revistas Time e Life, e hoje em dia existem vários sites que atestam este fenómeno, como pode ver no fim deste post.
O dono do "afortunado" galináceo, com olho para o negócio, não perdeu tempo e passou a cobrar 25 cêntimos para quem quisesse ver Mike, nome que lhe fora atribuído.
Os espectáculos de rua sucediam-se e no auge do sucesso Mike ganhava 4.500 dólares por mês e valia 10.000.
Seguiu-se uma fase negra para o mundo aviário, pois…