Avançar para o conteúdo principal

A moda das cesarianas

O aumento das cirurgias na hora do parto não é assunto novo, mas cada vez mais vem à baila, pois tem aumentado em todo o mundo, apesar dos alertas. Recentemente, saiu no jornal Expresso um artigo que aborda esta temática, datado de 20 de junho, intitulado: Mitos e verdades do parto por cesariana. Nele se esbatem as razões que levam maioritariamente à cirurgia para o parto. Uma boa parte é escolha da própria mãe, que julga assim causar menos sofrimento à criança e que ela própria irá sofrer menos, mas ledo engano, pois esse tipo de parto trará muito mais complicações, tanto para a mãe como para a criança (ver imagem abaixo).

Muitas mulheres na tentativa de fugir à dor, ao medo, e por julgarem que esse menor sofrimento trará benefício também à criança optam por essa modalidade, muitas vezes apoiadas pelos médicos, sobretudo do setor privado, pois assim terão um parto agendado, evitando o “transtorno” de ter de se deslocar ao hospital durante a noite ou ao fim-de-semana. 

Em Portugal a taxa de cesarianas no público ronda os 28% da totalidade dos partos, mas no privado essa taxa chega aos impressionantes 66%. Há médicos que têm no seu registo pessoal 100% de cesarianas nos partos que fazem. No Brasil, o público tem uma taxa de 55,6%, ao passo que o privado ultrapassa os 80%. Já na Islândia, os números são os mais baixos, 15,2% no público.

«(…) a falta de contacto dos recém-nascidos com os microorganismos da cavidade vaginal altera a reação imunitária do intestino, o que resulta em 25% de probabilidade de estes bebés virem a desenvolver diabetes tipo 2, asma e obesidade», diz Ayres de Campos da CRTC.

O parto provocado, também muito em voga, muitas vezes por comodidade e não por real necessidade, leva com frequência à necessidade de cesariana.

Muitos mitos há sobre esta temática, e muitas mulheres, muitas famílias, optam pela cesariana por julgarem que será melhor para elas e para a criança, não estão informadas do verdadeiro perigo que tal ato pode acarretar.


Viver no século XXI e usufruir da medicina evoluída, da ciência, da tecnologia, é uma mais valia, e realmente quando necessária a cesariana salva vidas, mas só nesses casos, jamais se deveria usar só para comodidade médica ou por capricho da mãe (que tem o dever de proteger a criança), ou pior ainda, por desinformação. Cabe ao médico agir consoante a sua responsabilidade para com a saúde da mãe e sobretudo da criança que não tem opção de escolha.


Comentários

Mensagens populares deste blogue

Seja feliz

Para se ser saudável tem de se ser feliz.A infelicidade mina a saúde.Não, e ela não nos cai nas mãos, temos de ir à sua conquista. O mais importante é que não dependemos de ninguém, a felicidade mais pura está nas mais pequenas coisas, mas para o percebermos temos primeiro de liberar algum lixo que ocupa a nossa mente.Seja feliz, pela sua saúde!

Vem comigo

Vidas frustradas por ilusões perdidas. Vidas gastas na comiseração. Zona de conforto que aprisiona a pobre alma, sem esta conseguir a garra, o entusiasmo para quebrar o fino fio que a prende, quando ela julga ser uma pesada corrente.Frustração dirigida ao outro pelo simples facto de não saber lidar com a dor que sente, por ver a vida passar por entre os dedos.Quantos apenas vêem o abismo à sua frente e não percebem que têm asas para voar. Asas tolhidas pela ignorância, agrilhoadas pelo deixa andar que um dia vai mudar.A existência passa e quando a senhora da foice chega já é demasiado tarde para despertar e correr para os braços da profunda realização.Mata a zona de conforto e vem comigo, não vai ser fácil, mas vai ser muito gratificante. E na caminhada sorrimos como se a meta fosse apenas mais uma etapa.

Mike, o galo sem cabeça

Quantos tempo conseguirá uma galinha viver sem cabeça?
Se me fizessem essa pergunta há uma semana responderia, sem sombra de dúvidas: uns minutos, no máximo. Contudo, ao saber do que se passou no Colorado, EUA, em 1945, faz com que hoje tenha opinião diferente.
Nesse ano longínquo, Lloyd Olsen na tentativa de matar um jovem galo para o jantar não cumpriu na perfeição o serviço e o galo sobreviveu, pasme-se: sem cabeça.
A veia jugular e o troco cerebral não foram danificados o que permitiu ao bicho sobreviver.
Artigos sobre o tema foram publicados nas revistas Time e Life, e hoje em dia existem vários sites que atestam este fenómeno, como pode ver no fim deste post.
O dono do "afortunado" galináceo, com olho para o negócio, não perdeu tempo e passou a cobrar 25 cêntimos para quem quisesse ver Mike, nome que lhe fora atribuído.
Os espectáculos de rua sucediam-se e no auge do sucesso Mike ganhava 4.500 dólares por mês e valia 10.000.
Seguiu-se uma fase negra para o mundo aviário, pois…