Avançar para o conteúdo principal

A loucura continua


No tempos idos de Outubro de 2003, escrevi neste blog o texto intitulado "É Natal". Nada de anormal se não tivesse sido escrito a 28 de Outubro. Hoje volto à vaca morta para vos dizer que quatro anos depois a situação mantém-se: montras de natal em Outubro.
O estabelecimento comercial que há dois pares de anos me levou a escrever o post foi o mesmo que agora me motiva a voltar a publicar o mesmo texto, para aqueles que na altura não o leram.
Se bem que a maleita não parace ter crescido, acho um absurdo tal acto, ainda para mais num altura como esta, em que o sol ainda nos vai brindado com os seus calorosos raios estivais. Só faltava colocarem o pai natal de fato de banho.

Aqui fica:

"É Natal!!!

Chegou finalmente a época natalícia. Os corações desabafam, a solidariedade é despejada a jorros e a alegria emana de todas as almas.
Mas... Não estamos ainda em Outubro? Natal em pleno Outono?
Infelizmente, assim é, o consumismo manda. Qualquer indivíduo mais desatento ao calendário poderia confundir a presente temporada com a altura natalícia, bastando para tal uma breve visita a um centro comercial das grandes cidades. É ver montras enfeitadas com vistosas árvores, efeitos dourados, encarnados, prateados, enfim de todas as cores e feitios.
Pergunto a mim mesmo: o que vai na cabeça desta gente? Será que perderam a noção do tempo? Ou será a “crise” que obriga à antecipação dos acontecimentos?
Natal antes do São Martinho quem diria!? Já me estou a ver a saborear umas castanhas assadas acompanhadas com uma fatia de bolo-rei.
As tradições já não são o que eram, isso já nós sabemos, mas uma coisa é a tradição modificar-se ao longo do tempo, outra é submeter o próprio tempo em relação ao consumismo desenfreado.
A cegueira que para aí anda!!!"

(fotografia: Digital Vision)

Comentários

Depois voltarei para comentar o post. Para já o que pretendo dizer é que, neste canto da blogosfera, está a nascer um espaço onde se critica, se respeita, se é amigo e se procura aprender. Um espaço em que se cede espaço sempre que alguém o solicita e se procura acrescentar saberes com outros saberes. Acho que somos um exemplo de cidadania. Os blogues complementam-se procurando outras visões noutros blogues que visitam. Acontece no Notas Soltas em que Quintarantino fez 2 contratações, não porque lhe falte saber e arte de escrever, mas porque num grupo o todo é mais que a soma das partes. A Nómada também seguiu este raciocício e contratou o 7 Pecados Mortais. E agora, a mais recente contratação dá-se nos 7 Pecados Mortais que contratou a Silêncio Culpado. Exemplos de boa camaradagem bonitos de se ver.
Por isso, convido, nesta estreia da Silêncio Culpado, a visitar o blogue dos 7 Pecados e "beber" um pouco do seu novo texto.
O consumismo desenfreado mina e apodrece os laços de solidariedade, o amor, a amizade e a capacidade de luta.
Porém se todos nós, através das nossas análises e preocupações, contribuirmos para que as pessoas abram os olhos para a sua febre louca de consumir teremos dado um grande passo.
Já agora e que tal um Papa Noel de calção e toalha de praia?
Tiago R Cardoso disse…
Então o natal é quando o homem quiser.

Brincadeira à parte, uma sociedade puramente consumista, sem grande valores para além do dinheiro.
Uma sociedade que de humanidade começa a ter pouco.
LFN disse…
Saudações!
Não entendo a admiração de termos Natal em Outubro. Maior mentira perdura há cerca de 2000 anos e pouca gente se importa.
Quem é o pai que conta ao seu filho que o Pai-Natal e o Menino Jesus são amigos do Capuchinho Vermelho e do Bugs Bunny?
A Igreja alimenta-se do temor das pessoas há mais tempo e ninguém a critica, inclusivé de celebrar o Natal, em Dezembro! Apoia-se a mentira?
Reflitam bem e se não quiserem Natal em Julho de 2020, é bom que a mudança comece já. Não enganes o teu filho, ele poderá ser comerciante em 2020...
Grande abraço,
LFN
Crítico disse…
Obrigado pelo comentário LFN.
É claro que de mentiras anda o mundo cheio, a começar pelas das religiões, que oprimem na base do medo.
Neste post pretendo somente focar-me no ridículo que é ter montras de Natal em Outubro. E falo do Natal por acaso. Se me apresentarem uma montra alusiva ao dia dos namorados em Dezembro a minha reação será a mesma.
Eu trabalho no comércio e não é por esse motívo que me antecipo nas montras em três meses. Na minha opinião esse tipo de acções em vez de atrair afasta.

Cumprimentos e volte sempre.
Obrigado.
Indy disse…
� PARA SE VER COMO AS PESSOAS VIVEM SEMPRE NO MOMENTO QUE H�-DE VIR, AO INV�S DE APROVEITAREM O QUE T�M NESTE PRECISO MOMENTO, DEIXANDO ESCAPAR GRANDES OPORTUNIDADES DE VER A VERDADEIRA BELEZA. PARA MIM NESTE MOMENTO BELEZA � OLHAR PARA AS ARVORES E VER O DEAMBULAR DAS FOLHAS A COBRIR O CH�O.
A MIM AINDA NEM SEQUER ME APETECEM AS CASTANHAS DO S. MARTINHO, QUANTO MAIS O BOLO-REI. TUDO NO SEU DEVIDO TEMPO, A SABOREAR CADA DIA. UMA COISA DE CADA VEZ. CONTEMPLEM MEUS AMIGOS E SER�O SALVOS.
quintarantino disse…
Eu ontem fui a uma dessas catedrais de consumo e fiquei abananado... numa loja, pelo menos, já se vendiam árvores de Natal...

Mensagens populares deste blogue

Seja feliz

Para se ser saudável tem de se ser feliz.A infelicidade mina a saúde.Não, e ela não nos cai nas mãos, temos de ir à sua conquista. O mais importante é que não dependemos de ninguém, a felicidade mais pura está nas mais pequenas coisas, mas para o percebermos temos primeiro de liberar algum lixo que ocupa a nossa mente.Seja feliz, pela sua saúde!

Vem comigo

Vidas frustradas por ilusões perdidas. Vidas gastas na comiseração. Zona de conforto que aprisiona a pobre alma, sem esta conseguir a garra, o entusiasmo para quebrar o fino fio que a prende, quando ela julga ser uma pesada corrente.Frustração dirigida ao outro pelo simples facto de não saber lidar com a dor que sente, por ver a vida passar por entre os dedos.Quantos apenas vêem o abismo à sua frente e não percebem que têm asas para voar. Asas tolhidas pela ignorância, agrilhoadas pelo deixa andar que um dia vai mudar.A existência passa e quando a senhora da foice chega já é demasiado tarde para despertar e correr para os braços da profunda realização.Mata a zona de conforto e vem comigo, não vai ser fácil, mas vai ser muito gratificante. E na caminhada sorrimos como se a meta fosse apenas mais uma etapa.

Mike, o galo sem cabeça

Quantos tempo conseguirá uma galinha viver sem cabeça?
Se me fizessem essa pergunta há uma semana responderia, sem sombra de dúvidas: uns minutos, no máximo. Contudo, ao saber do que se passou no Colorado, EUA, em 1945, faz com que hoje tenha opinião diferente.
Nesse ano longínquo, Lloyd Olsen na tentativa de matar um jovem galo para o jantar não cumpriu na perfeição o serviço e o galo sobreviveu, pasme-se: sem cabeça.
A veia jugular e o troco cerebral não foram danificados o que permitiu ao bicho sobreviver.
Artigos sobre o tema foram publicados nas revistas Time e Life, e hoje em dia existem vários sites que atestam este fenómeno, como pode ver no fim deste post.
O dono do "afortunado" galináceo, com olho para o negócio, não perdeu tempo e passou a cobrar 25 cêntimos para quem quisesse ver Mike, nome que lhe fora atribuído.
Os espectáculos de rua sucediam-se e no auge do sucesso Mike ganhava 4.500 dólares por mês e valia 10.000.
Seguiu-se uma fase negra para o mundo aviário, pois…