Avançar para o conteúdo principal

A loucura continua


No tempos idos de Outubro de 2003, escrevi neste blog o texto intitulado "É Natal". Nada de anormal se não tivesse sido escrito a 28 de Outubro. Hoje volto à vaca morta para vos dizer que quatro anos depois a situação mantém-se: montras de natal em Outubro.
O estabelecimento comercial que há dois pares de anos me levou a escrever o post foi o mesmo que agora me motiva a voltar a publicar o mesmo texto, para aqueles que na altura não o leram.
Se bem que a maleita não parace ter crescido, acho um absurdo tal acto, ainda para mais num altura como esta, em que o sol ainda nos vai brindado com os seus calorosos raios estivais. Só faltava colocarem o pai natal de fato de banho.

Aqui fica:

"É Natal!!!

Chegou finalmente a época natalícia. Os corações desabafam, a solidariedade é despejada a jorros e a alegria emana de todas as almas.
Mas... Não estamos ainda em Outubro? Natal em pleno Outono?
Infelizmente, assim é, o consumismo manda. Qualquer indivíduo mais desatento ao calendário poderia confundir a presente temporada com a altura natalícia, bastando para tal uma breve visita a um centro comercial das grandes cidades. É ver montras enfeitadas com vistosas árvores, efeitos dourados, encarnados, prateados, enfim de todas as cores e feitios.
Pergunto a mim mesmo: o que vai na cabeça desta gente? Será que perderam a noção do tempo? Ou será a “crise” que obriga à antecipação dos acontecimentos?
Natal antes do São Martinho quem diria!? Já me estou a ver a saborear umas castanhas assadas acompanhadas com uma fatia de bolo-rei.
As tradições já não são o que eram, isso já nós sabemos, mas uma coisa é a tradição modificar-se ao longo do tempo, outra é submeter o próprio tempo em relação ao consumismo desenfreado.
A cegueira que para aí anda!!!"

(fotografia: Digital Vision)

Comentários

Depois voltarei para comentar o post. Para já o que pretendo dizer é que, neste canto da blogosfera, está a nascer um espaço onde se critica, se respeita, se é amigo e se procura aprender. Um espaço em que se cede espaço sempre que alguém o solicita e se procura acrescentar saberes com outros saberes. Acho que somos um exemplo de cidadania. Os blogues complementam-se procurando outras visões noutros blogues que visitam. Acontece no Notas Soltas em que Quintarantino fez 2 contratações, não porque lhe falte saber e arte de escrever, mas porque num grupo o todo é mais que a soma das partes. A Nómada também seguiu este raciocício e contratou o 7 Pecados Mortais. E agora, a mais recente contratação dá-se nos 7 Pecados Mortais que contratou a Silêncio Culpado. Exemplos de boa camaradagem bonitos de se ver.
Por isso, convido, nesta estreia da Silêncio Culpado, a visitar o blogue dos 7 Pecados e "beber" um pouco do seu novo texto.
O consumismo desenfreado mina e apodrece os laços de solidariedade, o amor, a amizade e a capacidade de luta.
Porém se todos nós, através das nossas análises e preocupações, contribuirmos para que as pessoas abram os olhos para a sua febre louca de consumir teremos dado um grande passo.
Já agora e que tal um Papa Noel de calção e toalha de praia?
Tiago R Cardoso disse…
Então o natal é quando o homem quiser.

Brincadeira à parte, uma sociedade puramente consumista, sem grande valores para além do dinheiro.
Uma sociedade que de humanidade começa a ter pouco.
LFN disse…
Saudações!
Não entendo a admiração de termos Natal em Outubro. Maior mentira perdura há cerca de 2000 anos e pouca gente se importa.
Quem é o pai que conta ao seu filho que o Pai-Natal e o Menino Jesus são amigos do Capuchinho Vermelho e do Bugs Bunny?
A Igreja alimenta-se do temor das pessoas há mais tempo e ninguém a critica, inclusivé de celebrar o Natal, em Dezembro! Apoia-se a mentira?
Reflitam bem e se não quiserem Natal em Julho de 2020, é bom que a mudança comece já. Não enganes o teu filho, ele poderá ser comerciante em 2020...
Grande abraço,
LFN
Crítico disse…
Obrigado pelo comentário LFN.
É claro que de mentiras anda o mundo cheio, a começar pelas das religiões, que oprimem na base do medo.
Neste post pretendo somente focar-me no ridículo que é ter montras de Natal em Outubro. E falo do Natal por acaso. Se me apresentarem uma montra alusiva ao dia dos namorados em Dezembro a minha reação será a mesma.
Eu trabalho no comércio e não é por esse motívo que me antecipo nas montras em três meses. Na minha opinião esse tipo de acções em vez de atrair afasta.

Cumprimentos e volte sempre.
Obrigado.
Indy disse…
� PARA SE VER COMO AS PESSOAS VIVEM SEMPRE NO MOMENTO QUE H�-DE VIR, AO INV�S DE APROVEITAREM O QUE T�M NESTE PRECISO MOMENTO, DEIXANDO ESCAPAR GRANDES OPORTUNIDADES DE VER A VERDADEIRA BELEZA. PARA MIM NESTE MOMENTO BELEZA � OLHAR PARA AS ARVORES E VER O DEAMBULAR DAS FOLHAS A COBRIR O CH�O.
A MIM AINDA NEM SEQUER ME APETECEM AS CASTANHAS DO S. MARTINHO, QUANTO MAIS O BOLO-REI. TUDO NO SEU DEVIDO TEMPO, A SABOREAR CADA DIA. UMA COISA DE CADA VEZ. CONTEMPLEM MEUS AMIGOS E SER�O SALVOS.
quintarantino disse…
Eu ontem fui a uma dessas catedrais de consumo e fiquei abananado... numa loja, pelo menos, já se vendiam árvores de Natal...

Mensagens populares deste blogue

Alimentação consciente

Hipócrates, considerado o pai da medicina, disse: "Que o teu remédio seja o teu alimento e que o teu alimento seja o teu remédio." Mais de dois mil anos depois essa frase nunca foi tão desrespeitada como nos nossos dias. Vivemos numa época em que o fast food é lei, com todas as implicações que daí advêm não só para a saúde física do indivíduo, mas para a própria saúde financeira de cada um e do Estado. Não é preciso ser um especialista para analisar que caminhamos para uma Era de doenças relacionadas com aquilo que se come. Aliás, isso já é notório nos países mais desenvolvidos, basta olhar para o Estados Unidos da América: obesidade, diabetes, cancro, AVC, tensão alta, alergias, etc. Os médicos de clínica geral, normalmente, pouco sabem sobre alimentação, no entanto é a eles que recorre a maioria da população. Nem todos podem ou sabem como fazer para consultar um especialista em nutrição, nutricionista ou nutrólogo. A sociedade está a ficar doente, mas a questão vai muito …

Amar uns, matar os outros.

Há coisas tão simples que nos passam despercebidas.

Fomos educados numa sociedade onde é comum a chacina dos animais para nosso bel-prazer. Alguns dirão que é por necessidade, pois bem, isso é desconhecimento, ignorância. Outros dirão que é por prazer, nesse caso o problema é maior, pois para afagar o palato não se importam que um ser tão meigo e digno de vida, como o seu animal doméstico, seja brutalmente assassinado, depois de uma vida miserável de sofrimento, apenas para ele o ter no prato.

Vivemos tempos fabulosos de paz, comparando com tempos passados da nossa História, contudo há ainda um mar de gente que na correria das suas vidas nunca parou para pensar, ou nunca foi obrigado a tal, sobre aquilo que come, que esses hábitos causam sofrimento a muitos, que estão a arruinar o planeta e que ainda por cima lhes estão a dar cabo da saúde, matando-os lentamente.

Claro que é todo um negócio, e é bom para esse mercado que as pessoas continuem com os seus hábitos sem pensar muito. A pró…

Caixa de Pandora, do bem.

Mudar de hábitos, por tomada de consciência, torna-se uma demanda de progressão sem fim. O que em certa medida é ótimo, pois é sinal que estamos a aprimorar, mas que muitas vezes gera conflito social, num círculo mais próximo com a família, num círculo mais alargado com os demais colegas e conhecidos. A mudança para uma alimentação vegana tem, maioritariamente, como principal motor a ética animal, o apercebermo-nos que não necessitamos de viver com base no sofrimento dos outros, que esses outros não têm de morrer, torturados de forma macabra, para que nos possamos alimentar dos seus músculos, vísceras e orgãos internos, ou usarmos as suas peles. Após o momento em que se decide mudar a alimentação por questões éticas é um não volta atrás. Já as mudanças por razões de melhoria da saúde muitas vezes têm um volte face, e quem se apregoava vegetariano vem alguns meses ou anos depois dizer que voltou a comer carne, seja qual for a desculpa que achou mais conveniente. Apesar de alguns adota…