Avançar para o conteúdo principal

Onde isto chegou e onde irá parar! O Caso Madeleine.


Não me havia ainda manifestado acerca desta questão por duas razões: primeiro porque julgo demasiada a propaganda por parte dos meios de comunicação social e segundo porque não julgo ser tema de interesse nacional por tantos dias consecutivos.
Quem diria que o desaparecimento de uma menina, por terras do Algarve, iria dar a volta ao mundo e fazer correr tanta tinta? Quantos jovens desaparecem não se dando especial ênfase a tal facto?
É compreensível que os pais e conhecidos mobilizem todos os meios para encontrar a pequena Madeleine, mas daí até se tornar um caso de interesse mundial parece-me despropositado e um grande exagero.
O facto de os progenitores serem britânicos, e médicos, fez com que a nossa habitual mordomia disponibilizasse os meios possíveis e impossíveis ao serviço de sua majestade.
Como se sentirá a mãe do jovem Rui Pedro, desaparecido há nove anos, ao ver tal aparato?
O desaparecimento da criança britânica mobilizou mais meios do que aqueles que por vezes são facultados para combater catástrofes.
Até o Papa recebeu os pais da menina. É caso para dizer: por amor de deus!

Comentários

FMSG disse…
Será que o Papa também vai receber os pais dos outros milhares de putos desaparecidos??
Crítico disse…
Não me parece.
A.C. disse…
Concordo contigo.
De facto, este caso atingiu proporções impensáveis e parece comprovar que continua a haver filhos e enteados...

Outras coisas que penso sobre este caso podem ser lidas aqui.
TiCo disse…
Só vou achar exagerado quando trocarem das notas, a cara da rainha de inglaterra pela miúda!!!

LOL, enfim...
Anónimo disse…
É de lamentar os comentários. É uma criança. Seja chinesa, russa ou portufuesa, temos o dever de as proteger e de as procurar como é o caso e pôr na fogueira aqueles que se aproveitam da inocência. A policia portuguesa faz o seu papel que por lei é obrigada e tem sido excelente. Demonstramos aos outros que somos melhores e mais capazes e isso é muito importante. Deixem de ser atrasados intelectualmente.
Carreira disse…
Concordo em absoluto com o post. Aliás, também já escrevi algo sobre o assunto no cegueiralusa (http://cegueiralusa.blogspot.com/2007/05/e-se-madeleine-se-chamasse-madalena.html. O título que dei ao post foi exactamente este: E se a Madeleine se chamasse Madalena?
Abraço
Anónimo disse…
Os exageros nunca são bem-vindos e muito menos serão úteis.
PintoRibeiro disse…
Pior é, queira-se ou não, o retrato que fica da investigação no nosso País.
Bom fim de semana.
Rocklândia disse…
Está tudo certo, do ponto de vista de cada qual, e todos os que comentaram este mediático caso, estão dentro da razão, dependendo esta afirmação da interpretação de cada um.
Bom, é tão simples como isto, "Eles não ganham muito, nós é que ganhamos pouco", e para bom entendedor meia palavra basta...
Nós somos Portugal, com orgulho, e eles são ilhéus Britanicos, não é á toa que o transito anda pela esquerda, e o inglês é a língua universal...
Vamos ser coerentes... , e "go away and move fast", (não gosto nada do inglesamento), mas...

Viva Portugal

Um abraço
Incrível de facto o "estado das coisas", como lhe prefiro chamar. Como diz o "Carreira" e se ela se chama-se "Madalena"? Não queria se calhar dizer o que me vai na alma, pois posso ser injusto ou cruel e não me cabe a mim julgar ninguém. Mas gostava que me explicassem o porquê de existir uma organização e fundos de valores impensáveis para um caso destes que não é o primeiro e não será o último. Não acham estranho? As vezes dá a sensação que tudo está orquestrado para chamar atenção ao Mundo de este flagelo Mundial (desaparecimento de crianças). Deus me perdoe se estou a pecar, mas este caso está a ser badalado de tal forma que me faz lembrar as lutas do "green peace". Algo é estranho nisto tudo. Suspeito que há interesses e interessados com isto tudo. Já não sei se os Pais estão envolvidos, já não sei se é alguma organização, que através deste acto, quer atingir algum fim (os meios justificam os fins). O que sei é que há uma criança desaparecida, que se estiver viva, nunca mais será uma criança. Com tanto mediatismo, acho estranho a criança não aparecer do nada, pois tornou-se numa imagem mundial. Acho estranho (e espero que não aconteça), que a Madeline apareça morta. O que sei é que há pessoas que já tentaram ganhar dinheiro com este caso, sei que há pessoas que se tornaram famosas e sei que há pessoas que estão a ganhar muito dinheiro com isto tudo. Porque afinal a verdadeira razão, para mim, envolve o "DINHEIRO". Tudo tem um custo na vida, mas até onde chega o limite do ser humano? Espero não ter ofendido o vosso pensamento, mas algo não bate certo aqui. Nos casos do "Rui Pedro" e outros o que se fez?? Nada...e de repente um casal inglês tornou-se na noticia de maior impacto em todo o Planeta, envolvendo o desaparecimento de uma criança. Não acham estranho? Abraços de 7 pecados mortais
Crítico disse…
Obrigado 7 Pecados Mortais pelo contributo.
Cumprimentos.

Mensagens populares deste blogue

Alimentação consciente

Hipócrates, considerado o pai da medicina, disse: "Que o teu remédio seja o teu alimento e que o teu alimento seja o teu remédio." Mais de dois mil anos depois essa frase nunca foi tão desrespeitada como nos nossos dias. Vivemos numa época em que o fast food é lei, com todas as implicações que daí advêm não só para a saúde física do indivíduo, mas para a própria saúde financeira de cada um e do Estado. Não é preciso ser um especialista para analisar que caminhamos para uma Era de doenças relacionadas com aquilo que se come. Aliás, isso já é notório nos países mais desenvolvidos, basta olhar para o Estados Unidos da América: obesidade, diabetes, cancro, AVC, tensão alta, alergias, etc. Os médicos de clínica geral, normalmente, pouco sabem sobre alimentação, no entanto é a eles que recorre a maioria da população. Nem todos podem ou sabem como fazer para consultar um especialista em nutrição, nutricionista ou nutrólogo. A sociedade está a ficar doente, mas a questão vai muito …

Amar uns, matar os outros.

Há coisas tão simples que nos passam despercebidas.

Fomos educados numa sociedade onde é comum a chacina dos animais para nosso bel-prazer. Alguns dirão que é por necessidade, pois bem, isso é desconhecimento, ignorância. Outros dirão que é por prazer, nesse caso o problema é maior, pois para afagar o palato não se importam que um ser tão meigo e digno de vida, como o seu animal doméstico, seja brutalmente assassinado, depois de uma vida miserável de sofrimento, apenas para ele o ter no prato.

Vivemos tempos fabulosos de paz, comparando com tempos passados da nossa História, contudo há ainda um mar de gente que na correria das suas vidas nunca parou para pensar, ou nunca foi obrigado a tal, sobre aquilo que come, que esses hábitos causam sofrimento a muitos, que estão a arruinar o planeta e que ainda por cima lhes estão a dar cabo da saúde, matando-os lentamente.

Claro que é todo um negócio, e é bom para esse mercado que as pessoas continuem com os seus hábitos sem pensar muito. A pró…

Caixa de Pandora, do bem.

Mudar de hábitos, por tomada de consciência, torna-se uma demanda de progressão sem fim. O que em certa medida é ótimo, pois é sinal que estamos a aprimorar, mas que muitas vezes gera conflito social, num círculo mais próximo com a família, num círculo mais alargado com os demais colegas e conhecidos. A mudança para uma alimentação vegana tem, maioritariamente, como principal motor a ética animal, o apercebermo-nos que não necessitamos de viver com base no sofrimento dos outros, que esses outros não têm de morrer, torturados de forma macabra, para que nos possamos alimentar dos seus músculos, vísceras e orgãos internos, ou usarmos as suas peles. Após o momento em que se decide mudar a alimentação por questões éticas é um não volta atrás. Já as mudanças por razões de melhoria da saúde muitas vezes têm um volte face, e quem se apregoava vegetariano vem alguns meses ou anos depois dizer que voltou a comer carne, seja qual for a desculpa que achou mais conveniente. Apesar de alguns adota…