Avançar para o conteúdo principal

A "nossa" democracia


Será que notícias destas ainda me devem surpreender?:

«Professor de Inglês suspenso de funções por ter comentado licenciatura de Sócrates

Um professor de Inglês, que trabalhava há quase 20 anos na Direcção Regional de Educação do Norte (DREN), foi suspenso de funções por ter feito um comentário – que a directora regional, Margarida Moreira, apelida de insulto – à licenciatura do primeiro-ministro, José Sócrates.

(...) o professor faz os seus comentários sobre a situação. "Se a moda pega, instigada que está a delação, poderemos ter, a breve trecho, uns milhares de docentes presos políticos e outros tantos de boca calada e de consciência aprisionada, a tentar ensinar aos nossos alunos os valores da democracia, da tolerância, do pluralismo, dos direitos, liberdade e garantias e de outras coisas que, de tão remotas, já nem sabemos o real significado, perante a prática que nos rodeia."»
Veja a notícia completa aqui: Jornal Publico

Comentários

Carreira disse…
Penso que não te deves surpreender!!!É o país que temos, por mais que isso nos custe.
TiCo disse…
LoL, fala mal do teu patrão para ver o que te acontece...

Democracia? Ainda alguem acredita nessas coisas?

A democracia não dá direito de falar mal de quem nos apetece ;)

PS: PArabéns pela referencia :)
PintoRibeiro disse…
Li e postei sobre o mesmo. Precisamente: a nossa democracia.
Boa noite.
Anónimo disse…
Se não gostam desta democracia, têm a Coreia do Norte, Cuba, Irão etc, para irem viver. Ou então porque não irem na máquina do tempo visitar a Democracia de Salazar e Marcelo Caetano. O senhor que estava destacado na Dren, devia era ter ido há muito tempo pra a sua escola dar aulas e estar calado, porque já se esqueceu do tempo do Cavaquismo e de Sá Carneiro e das persiguições aos individuos de esquerda. Tenham senso. Processo disciplinar e rua com o destacado.
Crítico disse…
Sr. Anónimo, não é o facto de gostar ou não desta democracia, mas sim de torná-la melhor, mais justa.
O Sr. fala da esquerda mas o seu discurso parece-me bem destro, pois não cabe na cabeça de ninguém demitir um profissional pelo simples facto de ter feito um comentário em relação a algo que toda a gente comenta.
Passe bem.
Anónimo disse…
Senhor Critico
A democracia tem regras. Os funcionários públicos têm direitos e deveres. Se forem violados, terão de assumirem as responsabilidades e sujeitarem-se. O que se passa é que o destacado foi deputado, porque senão ninguém falava no assunto. Não recebo lições de democracia de ninguém. Fui perseguido antes e depois da democracia e até fui funcionário público.
Cumprimentos democráticos
Rocklândia disse…
Amigo do "Alerta", muito bem teres falado deste assunto...
Meus amigos que se f... a actual democracia, os deveres e os direitos, (que deveres e que direitos ?), e as regras (só para alguns), mas isto é democracia?, qualquer dia somos escutados, observados e até nos limpam o cú, com o papel que mais lhes convier, quando formos á casa de banho.

Isto é uma ditadura disfarçada de democracia, somos simples marionetes...

Um abraço
Rocklândia disse…
Também se pode escrever "Marionetas", rssss...

Olha a democracia, é muito rara, por isso é caríssima, aproveitem enquanto é tempo... , é comprar...

"Olhó robot, é pra menina e pró menino, olhô", ou então "Demogogia feita á maneira é como queijo numa ratoeira", acho que é assim, ou ainda "Eles comem tudo e não deixam nada"...
Embora eu prefira King Crimson, Yes, The Doors, Metallica, etc...

+ Um abraço

Mensagens populares deste blogue

Alimentação consciente

Hipócrates, considerado o pai da medicina, disse: "Que o teu remédio seja o teu alimento e que o teu alimento seja o teu remédio." Mais de dois mil anos depois essa frase nunca foi tão desrespeitada como nos nossos dias. Vivemos numa época em que o fast food é lei, com todas as implicações que daí advêm não só para a saúde física do indivíduo, mas para a própria saúde financeira de cada um e do Estado. Não é preciso ser um especialista para analisar que caminhamos para uma Era de doenças relacionadas com aquilo que se come. Aliás, isso já é notório nos países mais desenvolvidos, basta olhar para o Estados Unidos da América: obesidade, diabetes, cancro, AVC, tensão alta, alergias, etc. Os médicos de clínica geral, normalmente, pouco sabem sobre alimentação, no entanto é a eles que recorre a maioria da população. Nem todos podem ou sabem como fazer para consultar um especialista em nutrição, nutricionista ou nutrólogo. A sociedade está a ficar doente, mas a questão vai muito …

Amar uns, matar os outros.

Há coisas tão simples que nos passam despercebidas.

Fomos educados numa sociedade onde é comum a chacina dos animais para nosso bel-prazer. Alguns dirão que é por necessidade, pois bem, isso é desconhecimento, ignorância. Outros dirão que é por prazer, nesse caso o problema é maior, pois para afagar o palato não se importam que um ser tão meigo e digno de vida, como o seu animal doméstico, seja brutalmente assassinado, depois de uma vida miserável de sofrimento, apenas para ele o ter no prato.

Vivemos tempos fabulosos de paz, comparando com tempos passados da nossa História, contudo há ainda um mar de gente que na correria das suas vidas nunca parou para pensar, ou nunca foi obrigado a tal, sobre aquilo que come, que esses hábitos causam sofrimento a muitos, que estão a arruinar o planeta e que ainda por cima lhes estão a dar cabo da saúde, matando-os lentamente.

Claro que é todo um negócio, e é bom para esse mercado que as pessoas continuem com os seus hábitos sem pensar muito. A pró…

Caixa de Pandora, do bem.

Mudar de hábitos, por tomada de consciência, torna-se uma demanda de progressão sem fim. O que em certa medida é ótimo, pois é sinal que estamos a aprimorar, mas que muitas vezes gera conflito social, num círculo mais próximo com a família, num círculo mais alargado com os demais colegas e conhecidos. A mudança para uma alimentação vegana tem, maioritariamente, como principal motor a ética animal, o apercebermo-nos que não necessitamos de viver com base no sofrimento dos outros, que esses outros não têm de morrer, torturados de forma macabra, para que nos possamos alimentar dos seus músculos, vísceras e orgãos internos, ou usarmos as suas peles. Após o momento em que se decide mudar a alimentação por questões éticas é um não volta atrás. Já as mudanças por razões de melhoria da saúde muitas vezes têm um volte face, e quem se apregoava vegetariano vem alguns meses ou anos depois dizer que voltou a comer carne, seja qual for a desculpa que achou mais conveniente. Apesar de alguns adota…