Avançar para o conteúdo principal

Estás satisfeito com a forma como levas a tua vida?



Se a resposta é um sincero "sim", então os meus sinceros parabéns, pois fazes parte de uma pequena falange da população. Pelo contrário, se a resposta é "não" pergunto eu: "De que é que estás à espera?!"
A grande maioria dos indivíduos vive uma vida que não pretende, insatisfatória, ou pelo menos não realizada na sua plenitude. Infeliz e incompreensivelmente essa situação não é suficiente para despoletar uma mudança.
Não que estejam insatisfeitos com a sua actividade, o seu emprego, mas por outro lado o mesmo também não os satisfaz, não os realiza. Passa-se uma vida a trabalhar várias horas por dia, insatisfeito, em prol de uma promoção que resultará em mais uma ou duas horas de trabalho diário.
O medo e a insegurança serão apontados como os principais obstáculos à mudança. O medo paralisa uma sociedade, dando lucro àqueles que o usam de forma manipuladora.
Vivemos na era da insegurança e do pavor: é o terrorismo; a gripe das aves; a crise; as despesas; a insegurança urbana; o desemprego; a solidão; até o medo de ser verdadeiro e lutar pela auto realização.
Uma espécie de pandemia apoderou-se das mentes, veiculada sobretudo pelos meios de comunicação social, em especial a televisão, essa manipuladora.
Vive-se na letargia: acordar de madrugada; sair de casa sem pequeno-almoço; enfrentar o trânsito enquanto se leva os filhos à escola; chegar atrasado ao trabalho; preocupações e pressões laborais; meia-hora de almoço num qualquer balcão, em pé, num ambiente saturado de fumo; mais trabalho insatisfatório; regresso a casa; mais trânsito; filhos aos berros; preparar o jantar; televisão (desgraças e novelas); cama; insónia; e um novo dia.
Certa e felizmente algumas almas não vivem dessa forma.
Sim, a mudança não é fácil, mas uma vida inteira inerte, com a sensação de que não estamos a cumprir aquilo que gostaríamos de levar a cabo ainda é mais insuportável.
Pena é que muitos só se apercebam quando é demasiado tarde: sentados num banco de jardim, numa tarde de Outono, enquanto as folhas amarelecidas caem e se aproxima o Inverno da vida.

"Sem saber exactamente por que estou aqui, e aquilo que quero fazer, limito-me a fazer as coisas que a maioria das pessoas faz" (In. O Café dos Porquês de John P. Strelecky, editora Sinais de Fogo)

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Seja feliz

Para se ser saudável tem de se ser feliz.A infelicidade mina a saúde.Não, e ela não nos cai nas mãos, temos de ir à sua conquista. O mais importante é que não dependemos de ninguém, a felicidade mais pura está nas mais pequenas coisas, mas para o percebermos temos primeiro de liberar algum lixo que ocupa a nossa mente.Seja feliz, pela sua saúde!

Vem comigo

Vidas frustradas por ilusões perdidas. Vidas gastas na comiseração. Zona de conforto que aprisiona a pobre alma, sem esta conseguir a garra, o entusiasmo para quebrar o fino fio que a prende, quando ela julga ser uma pesada corrente.Frustração dirigida ao outro pelo simples facto de não saber lidar com a dor que sente, por ver a vida passar por entre os dedos.Quantos apenas vêem o abismo à sua frente e não percebem que têm asas para voar. Asas tolhidas pela ignorância, agrilhoadas pelo deixa andar que um dia vai mudar.A existência passa e quando a senhora da foice chega já é demasiado tarde para despertar e correr para os braços da profunda realização.Mata a zona de conforto e vem comigo, não vai ser fácil, mas vai ser muito gratificante. E na caminhada sorrimos como se a meta fosse apenas mais uma etapa.

Mike, o galo sem cabeça

Quantos tempo conseguirá uma galinha viver sem cabeça?
Se me fizessem essa pergunta há uma semana responderia, sem sombra de dúvidas: uns minutos, no máximo. Contudo, ao saber do que se passou no Colorado, EUA, em 1945, faz com que hoje tenha opinião diferente.
Nesse ano longínquo, Lloyd Olsen na tentativa de matar um jovem galo para o jantar não cumpriu na perfeição o serviço e o galo sobreviveu, pasme-se: sem cabeça.
A veia jugular e o troco cerebral não foram danificados o que permitiu ao bicho sobreviver.
Artigos sobre o tema foram publicados nas revistas Time e Life, e hoje em dia existem vários sites que atestam este fenómeno, como pode ver no fim deste post.
O dono do "afortunado" galináceo, com olho para o negócio, não perdeu tempo e passou a cobrar 25 cêntimos para quem quisesse ver Mike, nome que lhe fora atribuído.
Os espectáculos de rua sucediam-se e no auge do sucesso Mike ganhava 4.500 dólares por mês e valia 10.000.
Seguiu-se uma fase negra para o mundo aviário, pois…