Avançar para o conteúdo principal

Há quanto tempo...

... não contemplas com verdadeiro contemplar o que à tua volta está? Aquele sentimento de estar presente sem dispersar com solicitações, notificações. Seja a contemplar o oceano; o céu; a chuva; um inseto que por ti passa; ou o vazio. Sem aquele nervoso miudinho de ter de ir fazer alguma coisa.
As tecnologias são uma maravilha, sou fã incondicional, mas contudo, e facilitando o nosso trabalho muitas vezes, também nos acrescem afazeres a toda a hora, pois o smartphone no nosso bolso não tem hora de descanso nem de contemplação e a qualquer momento nos lembra que temos mil e uma coisas para concretizar, para conquistar. E assim fomos perdendo, muitos de nós, e acredito sem dúvida que seja a vasta maioria, aquela capacidade de a qualquer momento podermos parar e contemplar algo simplesmente pelo prazer de contemplar, pelo gosto de em determinado momento o que temos melhor a fazer é não fazer nada.
Até ao raiar do ano 2000 a espera era muitas vezes recheada de ampla contemplação, fosse essa espera numa fila de supermercado, fosse à porta de um amigo enquanto o aguardávamos, ou simplesmente numa pausa entre afazeres. Hoje não, hoje qualquer momento de pausa é imediatamente aniquilado pelo sacar do telemóvel e pela divagação entre emails, notificações das redes sociais, ou jogatana desenfreada, com todas as possibilidades que a Internet no bolso de cada um veio oferecer.
A minha sugestão é estar mais consciente de cada momento e minimizar ao máximo o uso desnecessário do ecrã, que nos torna em certa medida obtusos, quando é em demasia. E contra mim falo. Talvez este texto seja exatamente isso, uma alerta a mim mesmo.

Foto: Sally Anscombe/Flickr Select/Getty Images

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Seja feliz

Para se ser saudável tem de se ser feliz.A infelicidade mina a saúde.Não, e ela não nos cai nas mãos, temos de ir à sua conquista. O mais importante é que não dependemos de ninguém, a felicidade mais pura está nas mais pequenas coisas, mas para o percebermos temos primeiro de liberar algum lixo que ocupa a nossa mente.Seja feliz, pela sua saúde!

Vem comigo

Vidas frustradas por ilusões perdidas. Vidas gastas na comiseração. Zona de conforto que aprisiona a pobre alma, sem esta conseguir a garra, o entusiasmo para quebrar o fino fio que a prende, quando ela julga ser uma pesada corrente.Frustração dirigida ao outro pelo simples facto de não saber lidar com a dor que sente, por ver a vida passar por entre os dedos.Quantos apenas vêem o abismo à sua frente e não percebem que têm asas para voar. Asas tolhidas pela ignorância, agrilhoadas pelo deixa andar que um dia vai mudar.A existência passa e quando a senhora da foice chega já é demasiado tarde para despertar e correr para os braços da profunda realização.Mata a zona de conforto e vem comigo, não vai ser fácil, mas vai ser muito gratificante. E na caminhada sorrimos como se a meta fosse apenas mais uma etapa.

O veganismo não é moda, veio para ficar!

Ouve-se por aí que 2019 é o ano do veganismo, mas é muito mais do que isso. 2019 até poderá ser o ano com mais expressão até então, mas o boom está por vir, o futuro será inevitavelmente vegan, ou não haverá futuro de todo. Não são só as estrelas de cinema, os atletas de nível mundial ou as figuras públicas, por todo o mundo há cada vez mais pessoas a adotar este estilo de vida, que vai muito além da simples alimentação. Há uma tomada de consciência larga que faz com que a mudança seja inevitável. Um ser dito lúcido e com o mínimo de inteligência basta parar e refletir sobre as suas escolhas para um processo de mudança se iniciar. Vivemos num mundo acelerado que não deixa tempo para a plena reflexão e esse é um dos problemas.
A mudança pode ter início num dos seguintes pontos:
Ética: não há nenhuma necessidade de infligir sofrimento e tortura aos animais para nos alimentarmos. Eles são seres sencientes e é um contrassenso dizer que se gosta dos animais mas é só de alguns, não de todos.
Saú…