Avançar para o conteúdo principal

Brexit ou o princípio do fim


A partir do dia de hoje a Europa não voltará a ser a mesma. Os britânicos, na sua maioria, ainda que por pequena escala, decidiram que não querem mais fazer parte desta união. Não só os habitantes do Reino Unido, como a restante Europa a 27 está expectante sobre que tempos se avizinham.

Vive-se atualmente muita tensão a nível mundial e europeu, seja pelos conflitos económicos, pelo terrorismo, ou pelas vagas nunca vistas de imigração. Uma solução é urgente.

Na segunda metade da década de 60, do século passado, e ainda sobre as feridas abertas da segunda grande guerra, seis países uniram-se na Comunidade Europeia do Carvão e do Aço, que viria a originar mais tarde a União Europeia, e que em certa medida nasceu para evitar conflitos armados como o que na altura havia arrasado a Europa, pela segunda vez no mesmo século.

Uma boa parte dos britânicos nunca foram adeptos desta união, senão veja-se, logo em 1975, dois anos após a sua adesão, foi feito o primeiro referendo, tendo nessa altura o voto na permanência vencido com cerca de 2/3. Após todas estas décadas uma boa parte dos insulares veio definitivamente demonstrar que pretendem ser independentes e que terão mais sucesso económico desta forma. A ver vamos.

Não é necessário estudar-se muito para se perceber que o Reino Unido é uma grande potência e um pilar fundamental na estrutura europeia: 
- a economia britânica era a segunda maior da UE atrás da alemã;
- era um dos países que pagava mais do que aquilo que recebia da UE;
- Londres era a maior praça financeira da UE, apesar de não ter aderido ao euro (outro fator que demonstra que nunca estiveram realmente "in"), era ali que se realizavam a maior parte das transações nessa moeda;
- era o país que tinha as Forças Armadas com maior capacidade dos 28.

Muitos britânicos ficaram incrédulos, não acreditando nos resultados, alguns mesmo dizendo que sentiam nesse momento vergonha de pertencerem à nação do Brexit.

Os dados são claros.
Votos no Brexit: meios rurais e pequenas cidades; população com mais idade, acima dos 65 anos; com pouca escolaridade e dificuldades económicas; sul e leste mais conservador; assim como o País de Gales.
Votos na permanência: grandes cidades, encabeçadas por Londres; jovens profissionais e estudantes universitários; classe média; Escócia e Irlanda do Norte.

A União Europeia estava doente e agora foi ferida com gravidade. Vai necessitar de um bom período de convalescença para recuperar, se é que não foi ferida de morte.

Uma nota final, Boris Johnson, antigo mayor de Londres, e um dos sérios candidatos a ser o sucessor do demissionário David Cameron faz lembrar, e não é só na imagem, outro candidato à liderança dos desígnios de outro grande país, Donald Trump. O que nos reservará o futuro?!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Alimentação consciente

Hipócrates, considerado o pai da medicina, disse: "Que o teu remédio seja o teu alimento e que o teu alimento seja o teu remédio." Mais de dois mil anos depois essa frase nunca foi tão desrespeitada como nos nossos dias. Vivemos numa época em que o fast food é lei, com todas as implicações que daí advêm não só para a saúde física do indivíduo, mas para a própria saúde financeira de cada um e do Estado. Não é preciso ser um especialista para analisar que caminhamos para uma Era de doenças relacionadas com aquilo que se come. Aliás, isso já é notório nos países mais desenvolvidos, basta olhar para o Estados Unidos da América: obesidade, diabetes, cancro, AVC, tensão alta, alergias, etc. Os médicos de clínica geral, normalmente, pouco sabem sobre alimentação, no entanto é a eles que recorre a maioria da população. Nem todos podem ou sabem como fazer para consultar um especialista em nutrição, nutricionista ou nutrólogo. A sociedade está a ficar doente, mas a questão vai muito …

Amar uns, matar os outros.

Há coisas tão simples que nos passam despercebidas.

Fomos educados numa sociedade onde é comum a chacina dos animais para nosso bel-prazer. Alguns dirão que é por necessidade, pois bem, isso é desconhecimento, ignorância. Outros dirão que é por prazer, nesse caso o problema é maior, pois para afagar o palato não se importam que um ser tão meigo e digno de vida, como o seu animal doméstico, seja brutalmente assassinado, depois de uma vida miserável de sofrimento, apenas para ele o ter no prato.

Vivemos tempos fabulosos de paz, comparando com tempos passados da nossa História, contudo há ainda um mar de gente que na correria das suas vidas nunca parou para pensar, ou nunca foi obrigado a tal, sobre aquilo que come, que esses hábitos causam sofrimento a muitos, que estão a arruinar o planeta e que ainda por cima lhes estão a dar cabo da saúde, matando-os lentamente.

Claro que é todo um negócio, e é bom para esse mercado que as pessoas continuem com os seus hábitos sem pensar muito. A pró…

Bêbados de sono

Segundo Charles Czeisler, investigador de Harvard, um período de 25 horas sem dormir, ou um descanso de apenas cinco horas por noite durante uma semana, são o equivalente a uma taxa de alcoolémia de 1g/l. Mas a verdade é que a ética do mundo empresarial exalta esses feitos. "Jamais seríamos capazes de dizer: 'Esta pessoa é um excelente trabalhador! Anda sempre bêbado!'", escreveu ele na "Harvard Business Review", em 2006.
In. Revista National Geographic Portugal, de Maio de 2010.