Avançar para o conteúdo principal

HOME - dia 5 de Junho


Dia 5 de Junho, Dia Mundial do Ambiente, dar-se-á um acontecimento impar em prol do planeta terra. Pegando na ideia do livro A Terra Vista do Céu, de Yann Arthus-Bertrand, elaborou-se um documentário filmado exclusivamente por via aérea, de forma a dar um panorama do planeta e do impacto da humanidade na natureza.
HOME será um grandioso evento, onde pela primeira vez um filme será exibido simultaneamente em mais de 50 países.
O documentário estará disponível, no dia 5, nos cinemas, na televisão, em dvd, e na Internet. O valor a pagar nas salas de cinema será simbólico e reverterá para campanhas ambientais; em relação ao DVD custará uns singelos € 4,99, venda exclusiva nas lojas Fnac; na Internet será completamente gratuito.
O objectivo é alcançar a maior audiência possível, de forma a sensibilizar o indivíduo e a sociedade para as suas responsabilidades para com o planeta.
Filme realizado por Yann Arthus-Bertrand e patrocinado totalmente pelo grupo PPR, do qual a Fnac faz parte.

Cinemas Lusomundo - somente no dia 5 de Junho
RTP 2 - dia 5 de Junho às 20h30
DVD e BlueRay - à venda na Fnac
Internet - em http://www.youtube.com/homeproject

Sinopse:

"Yann Arthus-Bertrand leva-nos numa viagem original à volta da Terra, para que possamos contemplá-la, entendê-la. HOME vai ajudar-nos a perceber a nossa relação com o nosso planeta. Serão revelados, em simultâneo, as preciosidades que ela nos oferece e as marcas que deixamos para trás, com um único objectivo: encorajar-nos a proteger o mundo. Este filme é um livro de viagens feito apenas com fotografias de paisagens aéreas. Do céu, podemos observar as correntes de água, as várias direcções dos caminhos, podemos compreender uma situação complexa com um simples olhar, sem recorrer a qualquer explicação. Como dizia Archimedes, “Dá-me um ponto de apoio e eu elevarei o mundo”. No nosso caso, aquele “ponto de apoio” é o nosso olhar. Este filme incita a uma nova consciência. De facto, à medida que nos levantamos no ar, vemos o nosso mundo de uma maneira diferente, de uma forma como nunca experienciámos. HOME convida-nos a parar por um momento de modo a olharmos para o nosso planeta e percebermos como tratamos a sua riqueza e a sua beleza." In. fnac.pt








Comentários

Mensagens populares deste blogue

Seja feliz

Para se ser saudável tem de se ser feliz.A infelicidade mina a saúde.Não, e ela não nos cai nas mãos, temos de ir à sua conquista. O mais importante é que não dependemos de ninguém, a felicidade mais pura está nas mais pequenas coisas, mas para o percebermos temos primeiro de liberar algum lixo que ocupa a nossa mente.Seja feliz, pela sua saúde!

Vem comigo

Vidas frustradas por ilusões perdidas. Vidas gastas na comiseração. Zona de conforto que aprisiona a pobre alma, sem esta conseguir a garra, o entusiasmo para quebrar o fino fio que a prende, quando ela julga ser uma pesada corrente.Frustração dirigida ao outro pelo simples facto de não saber lidar com a dor que sente, por ver a vida passar por entre os dedos.Quantos apenas vêem o abismo à sua frente e não percebem que têm asas para voar. Asas tolhidas pela ignorância, agrilhoadas pelo deixa andar que um dia vai mudar.A existência passa e quando a senhora da foice chega já é demasiado tarde para despertar e correr para os braços da profunda realização.Mata a zona de conforto e vem comigo, não vai ser fácil, mas vai ser muito gratificante. E na caminhada sorrimos como se a meta fosse apenas mais uma etapa.

Mike, o galo sem cabeça

Quantos tempo conseguirá uma galinha viver sem cabeça?
Se me fizessem essa pergunta há uma semana responderia, sem sombra de dúvidas: uns minutos, no máximo. Contudo, ao saber do que se passou no Colorado, EUA, em 1945, faz com que hoje tenha opinião diferente.
Nesse ano longínquo, Lloyd Olsen na tentativa de matar um jovem galo para o jantar não cumpriu na perfeição o serviço e o galo sobreviveu, pasme-se: sem cabeça.
A veia jugular e o troco cerebral não foram danificados o que permitiu ao bicho sobreviver.
Artigos sobre o tema foram publicados nas revistas Time e Life, e hoje em dia existem vários sites que atestam este fenómeno, como pode ver no fim deste post.
O dono do "afortunado" galináceo, com olho para o negócio, não perdeu tempo e passou a cobrar 25 cêntimos para quem quisesse ver Mike, nome que lhe fora atribuído.
Os espectáculos de rua sucediam-se e no auge do sucesso Mike ganhava 4.500 dólares por mês e valia 10.000.
Seguiu-se uma fase negra para o mundo aviário, pois…