Avançar para o conteúdo principal

Fogos


Inacreditavelmente, quando supunhamos não poder ser pior, o país continua a arder de ano para ano. Os políticos, esses limitam-se a colocar trancas na porta depois da casa ter sido assaltada. Tomam-se medidas de remedeio e por vezes ridículas.
Mas afinal porquê tantos incêndios? O calor excessivo não os justifica. Nos países do sul da Europa o cenário não se compara ao nosso. Quais as causas então? Provavelmente, somos o país com mais incendiários per capita e isso deve-se como é óbvio ao facto de ser uma actividade bem remunerada, e não me venham com cantigas dizendo que os homens são doentes, a patologia deles é outra: o dinheiro. Quer sejam os madeireiros (que compram a madeira mais barata se esta estiver com a casca estorricada) ou as empresas de aviação (que possuem helicópteros necessários ao combate aos fogos, pagos a peso de ouro) o que é certo é que há interessados no meio desta desgraça.
Como se pode resolver este problema? Antes de mais as penas deveriam ser exemplares para aqueles que fazem dos fogos um negócio; as empresas de aviação que participam no combate aos fogos deveriam ser públicas e não privadas; seria necessário adquirir meios eficazes e modernos para o combate às chamas (a verba dispendida com os submarinos adquiridos pelo Sr. Paulo Portas seria mais do que suficiente para colmatar esta gravíssima falha); o preço da madeira queimada não deveria ser tão dispare em relação à madeira verde (grande parte das vezes só a casca das arvores esta queimada, a madeira em si encontra-se em boas condições); e por último, mas não menos importante, limpar as matas e florestas, factor tão descurado no nosso território (mão-de-obra não falta, há tanto soldado a ganhar balúrdios por passar o dia a jogar cartas e a dormir nos quartéis).
No caso de Portugal os fogos não serão extintos com água, mas sim com uma política adequada e com a coragem necessária para se acabar com o jogo de interesses tão comuns na nossa terra.
Temo que antes que isso aconteça arda toda a mancha verde.

Comentários

TiCo disse…
duas coisas a acrecentar:
1a >>> o interesse imobiliário a ajudar a festa, não é só os madeireiros e para o pessoal da aviação que ha interesse, caso bastante furtivo, o da serra da boa viagem (Figueira da Foz) ha uns anos, fogo posto (com certeza), o que valeu foi 1 Santana Lopes que conseguiu travar todo o interesse imobiliário nakela area protegida (mas mesmo assim acabaram por nascer la alguns 'cogumelos')

2a >>> para além dos militares, kem poderia muito bem fazer manutenção, limpeza, das matas (e não só, muito dos trabalhos comunitários) poderiam ser os presidiários!!! mas pronto, que se há-de fazer?ideias, ideias, ideias...

Temos muito que evoluir.... quanto mais nao seja irmos todos pa assemleia,para sermos nós os deputados :P :P :P :P :P

1 [][] continua :)
TiCo disse…
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
TiCo disse…
já agora...


Quando o fogo chegar ao governo não o apaguem....

Mensagens populares deste blogue

Seja feliz

Para se ser saudável tem de se ser feliz.A infelicidade mina a saúde.Não, e ela não nos cai nas mãos, temos de ir à sua conquista. O mais importante é que não dependemos de ninguém, a felicidade mais pura está nas mais pequenas coisas, mas para o percebermos temos primeiro de liberar algum lixo que ocupa a nossa mente.Seja feliz, pela sua saúde!

Vem comigo

Vidas frustradas por ilusões perdidas. Vidas gastas na comiseração. Zona de conforto que aprisiona a pobre alma, sem esta conseguir a garra, o entusiasmo para quebrar o fino fio que a prende, quando ela julga ser uma pesada corrente.Frustração dirigida ao outro pelo simples facto de não saber lidar com a dor que sente, por ver a vida passar por entre os dedos.Quantos apenas vêem o abismo à sua frente e não percebem que têm asas para voar. Asas tolhidas pela ignorância, agrilhoadas pelo deixa andar que um dia vai mudar.A existência passa e quando a senhora da foice chega já é demasiado tarde para despertar e correr para os braços da profunda realização.Mata a zona de conforto e vem comigo, não vai ser fácil, mas vai ser muito gratificante. E na caminhada sorrimos como se a meta fosse apenas mais uma etapa.

Mike, o galo sem cabeça

Quantos tempo conseguirá uma galinha viver sem cabeça?
Se me fizessem essa pergunta há uma semana responderia, sem sombra de dúvidas: uns minutos, no máximo. Contudo, ao saber do que se passou no Colorado, EUA, em 1945, faz com que hoje tenha opinião diferente.
Nesse ano longínquo, Lloyd Olsen na tentativa de matar um jovem galo para o jantar não cumpriu na perfeição o serviço e o galo sobreviveu, pasme-se: sem cabeça.
A veia jugular e o troco cerebral não foram danificados o que permitiu ao bicho sobreviver.
Artigos sobre o tema foram publicados nas revistas Time e Life, e hoje em dia existem vários sites que atestam este fenómeno, como pode ver no fim deste post.
O dono do "afortunado" galináceo, com olho para o negócio, não perdeu tempo e passou a cobrar 25 cêntimos para quem quisesse ver Mike, nome que lhe fora atribuído.
Os espectáculos de rua sucediam-se e no auge do sucesso Mike ganhava 4.500 dólares por mês e valia 10.000.
Seguiu-se uma fase negra para o mundo aviário, pois…