Avançar para o conteúdo principal

Fogos


Inacreditavelmente, quando supunhamos não poder ser pior, o país continua a arder de ano para ano. Os políticos, esses limitam-se a colocar trancas na porta depois da casa ter sido assaltada. Tomam-se medidas de remedeio e por vezes ridículas.
Mas afinal porquê tantos incêndios? O calor excessivo não os justifica. Nos países do sul da Europa o cenário não se compara ao nosso. Quais as causas então? Provavelmente, somos o país com mais incendiários per capita e isso deve-se como é óbvio ao facto de ser uma actividade bem remunerada, e não me venham com cantigas dizendo que os homens são doentes, a patologia deles é outra: o dinheiro. Quer sejam os madeireiros (que compram a madeira mais barata se esta estiver com a casca estorricada) ou as empresas de aviação (que possuem helicópteros necessários ao combate aos fogos, pagos a peso de ouro) o que é certo é que há interessados no meio desta desgraça.
Como se pode resolver este problema? Antes de mais as penas deveriam ser exemplares para aqueles que fazem dos fogos um negócio; as empresas de aviação que participam no combate aos fogos deveriam ser públicas e não privadas; seria necessário adquirir meios eficazes e modernos para o combate às chamas (a verba dispendida com os submarinos adquiridos pelo Sr. Paulo Portas seria mais do que suficiente para colmatar esta gravíssima falha); o preço da madeira queimada não deveria ser tão dispare em relação à madeira verde (grande parte das vezes só a casca das arvores esta queimada, a madeira em si encontra-se em boas condições); e por último, mas não menos importante, limpar as matas e florestas, factor tão descurado no nosso território (mão-de-obra não falta, há tanto soldado a ganhar balúrdios por passar o dia a jogar cartas e a dormir nos quartéis).
No caso de Portugal os fogos não serão extintos com água, mas sim com uma política adequada e com a coragem necessária para se acabar com o jogo de interesses tão comuns na nossa terra.
Temo que antes que isso aconteça arda toda a mancha verde.

Comentários

TiCo disse…
duas coisas a acrecentar:
1a >>> o interesse imobiliário a ajudar a festa, não é só os madeireiros e para o pessoal da aviação que ha interesse, caso bastante furtivo, o da serra da boa viagem (Figueira da Foz) ha uns anos, fogo posto (com certeza), o que valeu foi 1 Santana Lopes que conseguiu travar todo o interesse imobiliário nakela area protegida (mas mesmo assim acabaram por nascer la alguns 'cogumelos')

2a >>> para além dos militares, kem poderia muito bem fazer manutenção, limpeza, das matas (e não só, muito dos trabalhos comunitários) poderiam ser os presidiários!!! mas pronto, que se há-de fazer?ideias, ideias, ideias...

Temos muito que evoluir.... quanto mais nao seja irmos todos pa assemleia,para sermos nós os deputados :P :P :P :P :P

1 [][] continua :)
TiCo disse…
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
TiCo disse…
já agora...


Quando o fogo chegar ao governo não o apaguem....

Mensagens populares deste blogue

Alimentação consciente

Hipócrates, considerado o pai da medicina, disse: "Que o teu remédio seja o teu alimento e que o teu alimento seja o teu remédio." Mais de dois mil anos depois essa frase nunca foi tão desrespeitada como nos nossos dias. Vivemos numa época em que o fast food é lei, com todas as implicações que daí advêm não só para a saúde física do indivíduo, mas para a própria saúde financeira de cada um e do Estado. Não é preciso ser um especialista para analisar que caminhamos para uma Era de doenças relacionadas com aquilo que se come. Aliás, isso já é notório nos países mais desenvolvidos, basta olhar para o Estados Unidos da América: obesidade, diabetes, cancro, AVC, tensão alta, alergias, etc. Os médicos de clínica geral, normalmente, pouco sabem sobre alimentação, no entanto é a eles que recorre a maioria da população. Nem todos podem ou sabem como fazer para consultar um especialista em nutrição, nutricionista ou nutrólogo. A sociedade está a ficar doente, mas a questão vai muito …

Amar uns, matar os outros.

Há coisas tão simples que nos passam despercebidas.

Fomos educados numa sociedade onde é comum a chacina dos animais para nosso bel-prazer. Alguns dirão que é por necessidade, pois bem, isso é desconhecimento, ignorância. Outros dirão que é por prazer, nesse caso o problema é maior, pois para afagar o palato não se importam que um ser tão meigo e digno de vida, como o seu animal doméstico, seja brutalmente assassinado, depois de uma vida miserável de sofrimento, apenas para ele o ter no prato.

Vivemos tempos fabulosos de paz, comparando com tempos passados da nossa História, contudo há ainda um mar de gente que na correria das suas vidas nunca parou para pensar, ou nunca foi obrigado a tal, sobre aquilo que come, que esses hábitos causam sofrimento a muitos, que estão a arruinar o planeta e que ainda por cima lhes estão a dar cabo da saúde, matando-os lentamente.

Claro que é todo um negócio, e é bom para esse mercado que as pessoas continuem com os seus hábitos sem pensar muito. A pró…

Caixa de Pandora, do bem.

Mudar de hábitos, por tomada de consciência, torna-se uma demanda de progressão sem fim. O que em certa medida é ótimo, pois é sinal que estamos a aprimorar, mas que muitas vezes gera conflito social, num círculo mais próximo com a família, num círculo mais alargado com os demais colegas e conhecidos. A mudança para uma alimentação vegana tem, maioritariamente, como principal motor a ética animal, o apercebermo-nos que não necessitamos de viver com base no sofrimento dos outros, que esses outros não têm de morrer, torturados de forma macabra, para que nos possamos alimentar dos seus músculos, vísceras e orgãos internos, ou usarmos as suas peles. Após o momento em que se decide mudar a alimentação por questões éticas é um não volta atrás. Já as mudanças por razões de melhoria da saúde muitas vezes têm um volte face, e quem se apregoava vegetariano vem alguns meses ou anos depois dizer que voltou a comer carne, seja qual for a desculpa que achou mais conveniente. Apesar de alguns adota…