Avançar para o conteúdo principal

Alimentação consciente


Hipócrates, considerado o pai da medicina, disse: "Que o teu remédio seja o teu alimento e que o teu alimento seja o teu remédio."
Mais de dois mil anos depois essa frase nunca foi tão desrespeitada como nos nossos dias. Vivemos numa época em que o fast food é lei, com todas as implicações que daí advêm não só para a saúde física do indivíduo, mas para a própria saúde financeira de cada um e do Estado.
Não é preciso ser um especialista para analisar que caminhamos para uma Era de doenças relacionadas com aquilo que se come. Aliás, isso já é notório nos países mais desenvolvidos, basta olhar para o Estados Unidos da América: obesidade, diabetes, cancro, AVC, tensão alta, alergias, etc.
Os médicos de clínica geral, normalmente, pouco sabem sobre alimentação, no entanto é a eles que recorre a maioria da população. Nem todos podem ou sabem como fazer para consultar um especialista em nutrição, nutricionista ou nutrólogo.
A sociedade está a ficar doente, mas a questão vai muito além da saúde de cada um, se queremos ter uma alimentação consciente não nos devemos preocupar só connosco, mas sobretudo com os animais e com o meio ambiente. Por essa razão o veganismo é um dos sistema alimentares adequado a esse propósito. É sem dúvida a alimentação do futuro, e essa revolução já começou. Nenhum ser que se diga consciente pode alimentar-se de outros animais que foram torturados barbaramente, que no processo da preparação desse "alimento" se tenha também violado brutalmente o ambiente e ainda por cima um "alimento" que prejudicará a saúde daqueles que o consumirem. Muitas vezes a longo prazo é certo, mas é uma fatura que terá de ser paga, inevitavelmente.
Doenças há que muitos não associam à alimentação, mas estude-se um pouco, investiguem-se artigos científicos não patrocinados pela industria alimentar e tirem-se as conclusões.
Uma mudança alimentar nem sempre é fácil pelo simples facto de se estar acomodado, há que inicialmente sair da zona de conforto e perceber que há todo um mundo novo de mais energia, vitalidade, força, bem-estar, e tudo isso sem o peso da culpa assassina.
Voltarei a este tema com frequência, fica agora apenas esta achega, informe-se, não se limite a ser como a maioria só porque sim, só porque é o instituído. Não se deixe manipular.

Recomendo:
- documentários:

  1. What the Health
  2. Cowspiracy
  3. Earthlings (bastante forte para os mais sensíveis)
- livros:
  1. Libertação Animal, de Peter Singer
  2. How to Create a Vegan World, de Tobias Leenaert
  3. Comer Animais, de Jonathan Foer
  4. Mais livros aqui
- palestras:

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Aldeia demasiado global?!

Vivemos num mundo muito pequeno, numa aldeia global, graças às comunicações que foram sendo estabelecidas ao longo da História e com um grande contributo da expansão marítima portuguesa. Martin Page até escreveu o livro Portugal, a primeira aldeia global. Em pleno século XXI ninguém está longe, todos estamos à distância de um click. Contudo, é extraordinário como com todas essas potencialidades de proximidade relativa se vivam tempos de tanta distância entre pessoas que vivem lado a lado. A tecnologia que serviria para falarmos, vermos, a grandes distâncias são a razão pela qual as pessoas não se comunicam a curtos metros, pois cada um está ofuscado com a luminosidade do seu ecrã. A tecnologia de ponta só fará sentido se melhorar a nossa qualidade de vida e não o contrário. Bom ano!

Quo vadis

Esta época de festas, de família, de amizade, de reencontros, de fim de ano, é a altura ideal para refletir sobre o que realmente queremos e o que realmente somos. Se estamos no caminho certo, naquela caminhada que pretendemos trilhar rumo a um futuro risonho para nós e para os  outros, ou se meramente estamos a curtir o momento e a saborear o dia-a-dia sem querer pensar em responsabilidades.

Fica o desafio para os corajosos, claro!


Mike, o galo sem cabeça

Quantos tempo conseguirá uma galinha viver sem cabeça?
Se me fizessem essa pergunta há uma semana responderia, sem sombra de dúvidas: uns minutos, no máximo. Contudo, ao saber do que se passou no Colorado, EUA, em 1945, faz com que hoje tenha opinião diferente.
Nesse ano longínquo, Lloyd Olsen na tentativa de matar um jovem galo para o jantar não cumpriu na perfeição o serviço e o galo sobreviveu, pasme-se: sem cabeça.
A veia jugular e o troco cerebral não foram danificados o que permitiu ao bicho sobreviver.
Artigos sobre o tema foram publicados nas revistas Time e Life, e hoje em dia existem vários sites que atestam este fenómeno, como pode ver no fim deste post.
O dono do "afortunado" galináceo, com olho para o negócio, não perdeu tempo e passou a cobrar 25 cêntimos para quem quisesse ver Mike, nome que lhe fora atribuído.
Os espectáculos de rua sucediam-se e no auge do sucesso Mike ganhava 4.500 dólares por mês e valia 10.000.
Seguiu-se uma fase negra para o mundo aviário, pois…