Avançar para o conteúdo principal

Auto Superação

Scott Jurek é um dos melhores ultramaratonistas de todos os temos. Retrato-vos aqui um episódio "arrepiante" que representa a auto-supreção plena de um ser humano.
Quando pela primeira vez Scott foi correr a ultramaratona de Badwater todos estavam na expectativa de como iria reagir este ultracorredor num cenário desconhecido, numa prova em que a temperatura média do ar anda pelos 50 graus e o solo chega a ter a temperatura de 93 graus, ao ponto de terem que correr sobre as linhas brancas da estrada, para não derreterem as solas.  A distância são meras 135 milhas, cerca de 217 quilómetros.
"Ao quilómetro 100, Scott vomitava e tremia. As mãos caíram-lhe para os joelhos, e depois os joelhos caíram-lhe no asfalto. Deixou-se ficar na berma da estrada, deitado nos seus próprios suor e cuspo." 
A sua companheira e a equipa de apoio não o ajudaram, pois "sabiam que não havia voz mais convincente no mundo do que a que estava dentro da mente de Scott."
Pensou como tudo era inútil, não ia nem a meio. O vento quente fazia-lhe parecer que corria dentro do escape de um motor a jacto.
Não é possível, dizia Scott a si mesmo. Estás acabado. Vou precisar de fazer algo completamente do outro mundo para ganhar agora.
Do outro mundo como?
Como começar do início. Como fingir que acordaste agora de uma grande noite de sono, e que a corrida ainda não começou. Tinhas de correr os próximos 120 quilómetros mais depressa do que alguma vez correste 120 quilómetros na tua vida.
Durante 10 minutos, Scott ficou deitado como um cadáver. Depois levantou-se e ganhou, estilhaçando o recorde de Badwater com o tempo de 24h36.

Recomendo a leitura do livro: Nascidos para correr, de Christopher Mcdougall.
Site oficial do ultramaratonista Scott Jurek.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Seja feliz

Para se ser saudável tem de se ser feliz.A infelicidade mina a saúde.Não, e ela não nos cai nas mãos, temos de ir à sua conquista. O mais importante é que não dependemos de ninguém, a felicidade mais pura está nas mais pequenas coisas, mas para o percebermos temos primeiro de liberar algum lixo que ocupa a nossa mente.Seja feliz, pela sua saúde!

Vem comigo

Vidas frustradas por ilusões perdidas. Vidas gastas na comiseração. Zona de conforto que aprisiona a pobre alma, sem esta conseguir a garra, o entusiasmo para quebrar o fino fio que a prende, quando ela julga ser uma pesada corrente.Frustração dirigida ao outro pelo simples facto de não saber lidar com a dor que sente, por ver a vida passar por entre os dedos.Quantos apenas vêem o abismo à sua frente e não percebem que têm asas para voar. Asas tolhidas pela ignorância, agrilhoadas pelo deixa andar que um dia vai mudar.A existência passa e quando a senhora da foice chega já é demasiado tarde para despertar e correr para os braços da profunda realização.Mata a zona de conforto e vem comigo, não vai ser fácil, mas vai ser muito gratificante. E na caminhada sorrimos como se a meta fosse apenas mais uma etapa.

Mike, o galo sem cabeça

Quantos tempo conseguirá uma galinha viver sem cabeça?
Se me fizessem essa pergunta há uma semana responderia, sem sombra de dúvidas: uns minutos, no máximo. Contudo, ao saber do que se passou no Colorado, EUA, em 1945, faz com que hoje tenha opinião diferente.
Nesse ano longínquo, Lloyd Olsen na tentativa de matar um jovem galo para o jantar não cumpriu na perfeição o serviço e o galo sobreviveu, pasme-se: sem cabeça.
A veia jugular e o troco cerebral não foram danificados o que permitiu ao bicho sobreviver.
Artigos sobre o tema foram publicados nas revistas Time e Life, e hoje em dia existem vários sites que atestam este fenómeno, como pode ver no fim deste post.
O dono do "afortunado" galináceo, com olho para o negócio, não perdeu tempo e passou a cobrar 25 cêntimos para quem quisesse ver Mike, nome que lhe fora atribuído.
Os espectáculos de rua sucediam-se e no auge do sucesso Mike ganhava 4.500 dólares por mês e valia 10.000.
Seguiu-se uma fase negra para o mundo aviário, pois…