Avançar para o conteúdo principal

Auto Superação

Scott Jurek é um dos melhores ultramaratonistas de todos os temos. Retrato-vos aqui um episódio "arrepiante" que representa a auto-supreção plena de um ser humano.
Quando pela primeira vez Scott foi correr a ultramaratona de Badwater todos estavam na expectativa de como iria reagir este ultracorredor num cenário desconhecido, numa prova em que a temperatura média do ar anda pelos 50 graus e o solo chega a ter a temperatura de 93 graus, ao ponto de terem que correr sobre as linhas brancas da estrada, para não derreterem as solas.  A distância são meras 135 milhas, cerca de 217 quilómetros.
"Ao quilómetro 100, Scott vomitava e tremia. As mãos caíram-lhe para os joelhos, e depois os joelhos caíram-lhe no asfalto. Deixou-se ficar na berma da estrada, deitado nos seus próprios suor e cuspo." 
A sua companheira e a equipa de apoio não o ajudaram, pois "sabiam que não havia voz mais convincente no mundo do que a que estava dentro da mente de Scott."
Pensou como tudo era inútil, não ia nem a meio. O vento quente fazia-lhe parecer que corria dentro do escape de um motor a jacto.
Não é possível, dizia Scott a si mesmo. Estás acabado. Vou precisar de fazer algo completamente do outro mundo para ganhar agora.
Do outro mundo como?
Como começar do início. Como fingir que acordaste agora de uma grande noite de sono, e que a corrida ainda não começou. Tinhas de correr os próximos 120 quilómetros mais depressa do que alguma vez correste 120 quilómetros na tua vida.
Durante 10 minutos, Scott ficou deitado como um cadáver. Depois levantou-se e ganhou, estilhaçando o recorde de Badwater com o tempo de 24h36.

Recomendo a leitura do livro: Nascidos para correr, de Christopher Mcdougall.
Site oficial do ultramaratonista Scott Jurek.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Alimentação consciente

Hipócrates, considerado o pai da medicina, disse: "Que o teu remédio seja o teu alimento e que o teu alimento seja o teu remédio." Mais de dois mil anos depois essa frase nunca foi tão desrespeitada como nos nossos dias. Vivemos numa época em que o fast food é lei, com todas as implicações que daí advêm não só para a saúde física do indivíduo, mas para a própria saúde financeira de cada um e do Estado. Não é preciso ser um especialista para analisar que caminhamos para uma Era de doenças relacionadas com aquilo que se come. Aliás, isso já é notório nos países mais desenvolvidos, basta olhar para o Estados Unidos da América: obesidade, diabetes, cancro, AVC, tensão alta, alergias, etc. Os médicos de clínica geral, normalmente, pouco sabem sobre alimentação, no entanto é a eles que recorre a maioria da população. Nem todos podem ou sabem como fazer para consultar um especialista em nutrição, nutricionista ou nutrólogo. A sociedade está a ficar doente, mas a questão vai muito …

Amar uns, matar os outros.

Há coisas tão simples que nos passam despercebidas.

Fomos educados numa sociedade onde é comum a chacina dos animais para nosso bel-prazer. Alguns dirão que é por necessidade, pois bem, isso é desconhecimento, ignorância. Outros dirão que é por prazer, nesse caso o problema é maior, pois para afagar o palato não se importam que um ser tão meigo e digno de vida, como o seu animal doméstico, seja brutalmente assassinado, depois de uma vida miserável de sofrimento, apenas para ele o ter no prato.

Vivemos tempos fabulosos de paz, comparando com tempos passados da nossa História, contudo há ainda um mar de gente que na correria das suas vidas nunca parou para pensar, ou nunca foi obrigado a tal, sobre aquilo que come, que esses hábitos causam sofrimento a muitos, que estão a arruinar o planeta e que ainda por cima lhes estão a dar cabo da saúde, matando-os lentamente.

Claro que é todo um negócio, e é bom para esse mercado que as pessoas continuem com os seus hábitos sem pensar muito. A pró…

Caixa de Pandora, do bem.

Mudar de hábitos, por tomada de consciência, torna-se uma demanda de progressão sem fim. O que em certa medida é ótimo, pois é sinal que estamos a aprimorar, mas que muitas vezes gera conflito social, num círculo mais próximo com a família, num círculo mais alargado com os demais colegas e conhecidos. A mudança para uma alimentação vegana tem, maioritariamente, como principal motor a ética animal, o apercebermo-nos que não necessitamos de viver com base no sofrimento dos outros, que esses outros não têm de morrer, torturados de forma macabra, para que nos possamos alimentar dos seus músculos, vísceras e orgãos internos, ou usarmos as suas peles. Após o momento em que se decide mudar a alimentação por questões éticas é um não volta atrás. Já as mudanças por razões de melhoria da saúde muitas vezes têm um volte face, e quem se apregoava vegetariano vem alguns meses ou anos depois dizer que voltou a comer carne, seja qual for a desculpa que achou mais conveniente. Apesar de alguns adota…