Avançar para o conteúdo principal

Elimine a lamentação

"Quem se lamenta está a alimentar as mesmas emoções e pensamentos que, quase sempre,
são a origem do que se lamenta. É uma atitude mais nobre e sensata reflectir sobre como
mudar a sua vida para que essa situação não se repita mais.
Quem se lamenta é quem quer evitar de mudar-se a si próprio, mas pretende que sejam os outros
ou a própria realidade a mudarem.
O universo responde de forma muito potente e imediata aos nossos pensamentos, por isso
mudando a qualidade dos nossos pensamentos já damos à realidade a possibilidade de poder
transformar o tipo de experiências que vivemos.
Quem se lamenta está a declarar a própria incapacidade de produzir pensamentos felizes
graças aos quais possa, finalmente, viver experiências felizes.
Reforçar o vitimismo e dar atenção a quem se lamenta é um dos aspectos que, infelizmente,
caracteriza os tradicionais meios de comunicação, em particular os noticiários, que são tão
enfatizados por quem se lamenta continuamente, alimentando apenas desculpas para quem
não tem aquilo que quer (para não falar dos que não sabem sequer o que querem…). Na
televisão as notícias principais (em todo o mundo) giram sempre à volta da (suposta) crise,
falta de emprego, precariedade dos trabalhadores, política caótica, etc, que vão ainda dar um
pretexto a todos os que se queixam da sociedade como desculpa para o que não conseguiram
atingir.
Quem tem uma atitude construtiva na vida consegue arranjar um bom trabalho, boas relações
humanas, boa estabilidade económica e ser feliz, em vez de continuar com a desculpa
constante que tudo é mau ou impossível, como se o mundo à sua volta conspirasse para lhe
tornar a vida mais difícil.
Os lamentosos vitimistas vivem esperando e pedindo continuamente a ajuda dos outros, sem
nunca fazer nada para parar de ter que precisar dessa ajuda.
Uma pessoa feliz que quer manter o seu bem estar deveria desconfiar e defender-se das
pessoas que mostrem sinais de constante lamentação e que queiram relacionar-se consigo."


Gentilmente cedido pelo amigo, e colega de profissão no Método DeRose, Carlo Mea.
Obrigado Carlo!

Comentários

Mário Vendas disse…
Fabuloso!!!
Que este texto ecoe em nossas mentes e corações permanentemente pela eternidade...Esse é meu desejo!

Parabéns pelo texto fantástico!

Abraços,
Martinha disse…
Beijinhos Carlo, beijinhos Marquinho :D....adorei :)

Mensagens populares deste blogue

Seja feliz

Para se ser saudável tem de se ser feliz.A infelicidade mina a saúde.Não, e ela não nos cai nas mãos, temos de ir à sua conquista. O mais importante é que não dependemos de ninguém, a felicidade mais pura está nas mais pequenas coisas, mas para o percebermos temos primeiro de liberar algum lixo que ocupa a nossa mente.Seja feliz, pela sua saúde!

Vem comigo

Vidas frustradas por ilusões perdidas. Vidas gastas na comiseração. Zona de conforto que aprisiona a pobre alma, sem esta conseguir a garra, o entusiasmo para quebrar o fino fio que a prende, quando ela julga ser uma pesada corrente.Frustração dirigida ao outro pelo simples facto de não saber lidar com a dor que sente, por ver a vida passar por entre os dedos.Quantos apenas vêem o abismo à sua frente e não percebem que têm asas para voar. Asas tolhidas pela ignorância, agrilhoadas pelo deixa andar que um dia vai mudar.A existência passa e quando a senhora da foice chega já é demasiado tarde para despertar e correr para os braços da profunda realização.Mata a zona de conforto e vem comigo, não vai ser fácil, mas vai ser muito gratificante. E na caminhada sorrimos como se a meta fosse apenas mais uma etapa.

Mike, o galo sem cabeça

Quantos tempo conseguirá uma galinha viver sem cabeça?
Se me fizessem essa pergunta há uma semana responderia, sem sombra de dúvidas: uns minutos, no máximo. Contudo, ao saber do que se passou no Colorado, EUA, em 1945, faz com que hoje tenha opinião diferente.
Nesse ano longínquo, Lloyd Olsen na tentativa de matar um jovem galo para o jantar não cumpriu na perfeição o serviço e o galo sobreviveu, pasme-se: sem cabeça.
A veia jugular e o troco cerebral não foram danificados o que permitiu ao bicho sobreviver.
Artigos sobre o tema foram publicados nas revistas Time e Life, e hoje em dia existem vários sites que atestam este fenómeno, como pode ver no fim deste post.
O dono do "afortunado" galináceo, com olho para o negócio, não perdeu tempo e passou a cobrar 25 cêntimos para quem quisesse ver Mike, nome que lhe fora atribuído.
Os espectáculos de rua sucediam-se e no auge do sucesso Mike ganhava 4.500 dólares por mês e valia 10.000.
Seguiu-se uma fase negra para o mundo aviário, pois…