Avançar para o conteúdo principal

Breve reflexão

A maioria dos indivíduos não se sente realizada e julga que o outro é mais feliz do que ele, e vice-versa. Passamos por um período de carência motivacional, e para restabelecer a confiança há que voltar a dar atenção às pequenas coisas.

A satisfação pessoal atingiu níveis de grande exigência e o ser humano já não se satisfaz somente com o que lhe é natural, a vida em si, o facto de poder usufruir dos cinco sentidos, de poder correr por uma ladeira, de braços abertos, em direcção ao mar, sentindo a brisa. Já não se satisfaz com uma simples conversa de café, e muito menos com os seus afazeres.

Tudo parece desmoronar-se perante o tempo, que é sempre curto, obrigando à constante correria. Mas o constrangedor é que muitos não sabem para onde correm.

A satisfação no século XXI é baseada em posse, em materialismo, em poder, ou pelo menos, e na maioria dos casos, na sensação de poder.

A realização não advém da correria desenfreada, mas das pausas ponderadas feitas a momentos precisos. Momentos de análise do percurso, momentos de interiorização, de assimilação.

A realização não carece necessariamente de uma conta de milhões, mas sim de uma mão cheia de amigos, de pessoas com as quais podemos contar e evoluir. Essa é uma grande riqueza.

Comentários

Susana Inácio disse…
Gostei muito do que aqui escreveu. Subscrevo inteiramente. Esta era da Internet, que tantas coisas boas nos traz, e m... Ler maisás também, onde nunca estivemos tão perto uns dos outros, e tão longe, ao mesmo tempo...
Deixo aqui uma citação de Mia Couto, que li algures:
"...Nunca o nosso mundo teve ao seu dispor tanta comunicação. E nunca foi tão dramática a nossa solidão. Nunca houve tanta estrada. E nunca nos visitámos tão pouco. Sou biólogo e viajo muito pela savana do meu país, nessas regiões encontro gente que não sabe ler livros, mas que sabe ler o seu mundo, nesse universo de outros saberes, sou eu o analfabeto. Não sei ler sinais da terra, das árvores e dos bichos. Não sei ler nuvens, nem o prenúncio das chuvas. Não sei falar com os mortos, perdi contacto com os antepassados que nos concedem o sentido da eternidade. Nessas visitas que faço à savana, vou aprendendo sensibilidades que me ajudam a sair de mim e a afastar-me das minhas certezas, nesse território, eu não tenho apenas sonhos. Eu sou sonhável."...
Maria Manuel disse…
A tua reflexão é oportuna e cheia de sentido. É preciso termos essa consciência para não andarmos na correria de algo que não sabemos bem o que é. De facto termos um ideial pelo qual lutar torna a vida tão cheia. E com isso os amigos e a familia. É perfeito. Pena que a humanidade aina não tenha descoberto não há nada mais recompensador do que fazer algo pelos outros. O nosso trabalho deveria ser a nossa missão. Infelismente nem sempre isso é possível... e acabamos motivados pelo salário. Cabe ao lideres de grandes empresas fazer delas um local onde os seus trabalhadores se sintam integrados numa missão e leais aos seus principios!!! Fica essa esperança! Beijinhos querido amigo. Maria
Marco Santos disse…
Obrigado Maria.
Beijo.
Bruno Vilela disse…
Carpe Diem amigão, isso mesmo.
Indy disse…
Excelente comentário. Beijinhos Kitos***

Mensagens populares deste blogue

Alimentação consciente

Hipócrates, considerado o pai da medicina, disse: "Que o teu remédio seja o teu alimento e que o teu alimento seja o teu remédio." Mais de dois mil anos depois essa frase nunca foi tão desrespeitada como nos nossos dias. Vivemos numa época em que o fast food é lei, com todas as implicações que daí advêm não só para a saúde física do indivíduo, mas para a própria saúde financeira de cada um e do Estado. Não é preciso ser um especialista para analisar que caminhamos para uma Era de doenças relacionadas com aquilo que se come. Aliás, isso já é notório nos países mais desenvolvidos, basta olhar para o Estados Unidos da América: obesidade, diabetes, cancro, AVC, tensão alta, alergias, etc. Os médicos de clínica geral, normalmente, pouco sabem sobre alimentação, no entanto é a eles que recorre a maioria da população. Nem todos podem ou sabem como fazer para consultar um especialista em nutrição, nutricionista ou nutrólogo. A sociedade está a ficar doente, mas a questão vai muito …

Amar uns, matar os outros.

Há coisas tão simples que nos passam despercebidas.

Fomos educados numa sociedade onde é comum a chacina dos animais para nosso bel-prazer. Alguns dirão que é por necessidade, pois bem, isso é desconhecimento, ignorância. Outros dirão que é por prazer, nesse caso o problema é maior, pois para afagar o palato não se importam que um ser tão meigo e digno de vida, como o seu animal doméstico, seja brutalmente assassinado, depois de uma vida miserável de sofrimento, apenas para ele o ter no prato.

Vivemos tempos fabulosos de paz, comparando com tempos passados da nossa História, contudo há ainda um mar de gente que na correria das suas vidas nunca parou para pensar, ou nunca foi obrigado a tal, sobre aquilo que come, que esses hábitos causam sofrimento a muitos, que estão a arruinar o planeta e que ainda por cima lhes estão a dar cabo da saúde, matando-os lentamente.

Claro que é todo um negócio, e é bom para esse mercado que as pessoas continuem com os seus hábitos sem pensar muito. A pró…

Há quanto tempo...

... não contemplas com verdadeiro contemplar o que à tua volta está? Aquele sentimento de estar presente sem dispersar com solicitações, notificações. Seja a contemplar o oceano; o céu; a chuva; um inseto que por ti passa; ou o vazio. Sem aquele nervoso miudinho de ter de ir fazer alguma coisa. As tecnologias são uma maravilha, sou fã incondicional, mas contudo, e facilitando o nosso trabalho muitas vezes, também nos acrescem afazeres a toda a hora, pois o smartphone no nosso bolso não tem hora de descanso nem de contemplação e a qualquer momento nos lembra que temos mil e uma coisas para concretizar, para conquistar. E assim fomos perdendo, muitos de nós, e acredito sem dúvida que seja a vasta maioria, aquela capacidade de a qualquer momento podermos parar e contemplar algo simplesmente pelo prazer de contemplar, pelo gosto de em determinado momento o que temos melhor a fazer é não fazer nada. Até ao raiar do ano 2000 a espera era muitas vezes recheada de ampla contemplação, fosse e…