Avançar para o conteúdo principal

Futebol

Há muito tempo que deixei de ligar ao futebol de uma forma intensiva. Aliás, julgo que nunca fui muito fanático, mas gostava de ver a equipa da qual era adepto e a selecção.
À medida que o futebol foi ganhando mais contornos politico e menos desportivos afastei-me, naturalmente. As conversas de bastidores e os treinadores de bancada começaram a ter mais predominância do que o próprio jogo. Era altura de deixar de perder tempo.
O facto da equipa que eu admirava ter começado a ter uma carreira menos louvável também contribuiu para o desinteresse.
O campeonato nacional deixou de ter qualquer importancia, a não ser quando havia um jogo entre os grandes, e mesmo assim, uma boa parte das vez, não via o jogo, interessando-me somente pelo resultado final.
O que é certo é que sempre que o clube, que desde menino apreciava, ganhava uma série de jogos o gosto começava a despontar gradualmente, contudo, sempre ofuscado pela politiquice que atemoriza a verdadeira essência deste desporto, chamado rei.
Não será difícil, ao leitor, descobrir qual o clube do qual sou adepto, e a razão que me leva a escrever estas linhas.
Quando a beleza do desporto supera os restantes meandros, que o ofuscam, o interesse do adepto vem ao de cima e volta novamente a surgir a vontade de olhar para esse mundo.
Outrora gostava de me reunir com amigos, de quando em vez, e apreciar uma boa partida de futebol, após a qual nos reuníamos num jantar confraternal e debatíamos a beleza inerente do que havíamos acabado de assistir. Há muito tempo que não faço isso, mas quem sabe, se os resultados se mantiverem...

Comentários

Anónimo disse…
E viva o Benfica, Marco!
JOY disse…
Por Acaso, faço das minhas palavras as tuas. É uma pena mas é a realidade.

Um abraço
Joy
Anónimo disse…
Viva, Markito!
Passei pelo teu blog...
...e vinha dizer o mesmo que o Joy, portanto faço de "minhas" as palavras dele :D
Pensava que era o único ex-SLB q andava por aí... :p
Aparece qd puderes!
Abrç,
LFN
Marco Santos disse…
Obrigado por passares por cá.
Um abraço e até breve amigo.

Um abraço também para o Joy.

Mensagens populares deste blogue

Seja feliz

Para se ser saudável tem de se ser feliz.A infelicidade mina a saúde.Não, e ela não nos cai nas mãos, temos de ir à sua conquista. O mais importante é que não dependemos de ninguém, a felicidade mais pura está nas mais pequenas coisas, mas para o percebermos temos primeiro de liberar algum lixo que ocupa a nossa mente.Seja feliz, pela sua saúde!

Vem comigo

Vidas frustradas por ilusões perdidas. Vidas gastas na comiseração. Zona de conforto que aprisiona a pobre alma, sem esta conseguir a garra, o entusiasmo para quebrar o fino fio que a prende, quando ela julga ser uma pesada corrente.Frustração dirigida ao outro pelo simples facto de não saber lidar com a dor que sente, por ver a vida passar por entre os dedos.Quantos apenas vêem o abismo à sua frente e não percebem que têm asas para voar. Asas tolhidas pela ignorância, agrilhoadas pelo deixa andar que um dia vai mudar.A existência passa e quando a senhora da foice chega já é demasiado tarde para despertar e correr para os braços da profunda realização.Mata a zona de conforto e vem comigo, não vai ser fácil, mas vai ser muito gratificante. E na caminhada sorrimos como se a meta fosse apenas mais uma etapa.

Mike, o galo sem cabeça

Quantos tempo conseguirá uma galinha viver sem cabeça?
Se me fizessem essa pergunta há uma semana responderia, sem sombra de dúvidas: uns minutos, no máximo. Contudo, ao saber do que se passou no Colorado, EUA, em 1945, faz com que hoje tenha opinião diferente.
Nesse ano longínquo, Lloyd Olsen na tentativa de matar um jovem galo para o jantar não cumpriu na perfeição o serviço e o galo sobreviveu, pasme-se: sem cabeça.
A veia jugular e o troco cerebral não foram danificados o que permitiu ao bicho sobreviver.
Artigos sobre o tema foram publicados nas revistas Time e Life, e hoje em dia existem vários sites que atestam este fenómeno, como pode ver no fim deste post.
O dono do "afortunado" galináceo, com olho para o negócio, não perdeu tempo e passou a cobrar 25 cêntimos para quem quisesse ver Mike, nome que lhe fora atribuído.
Os espectáculos de rua sucediam-se e no auge do sucesso Mike ganhava 4.500 dólares por mês e valia 10.000.
Seguiu-se uma fase negra para o mundo aviário, pois…