sábado, 30 de dezembro de 2006

Execução de Saddam Hussein


Apesar de ter sido um ditador terrível, senti compaixão por Saddam na hora em que o carrasco, num abraço eterno, coloca o laço à volta do pescoço do condenado. Não compreendo como é que o Homem, que se diz evoluído e racional, é capaz de cometer tais actos de barbárie, ceifando o direito à vida a um ser, descendo ao mesmo nível do acto que condenam.

3 comentários:

carreira disse...

Cocordo. Este acto é inaceitável.o olho por olho, dente por dente era posto em prática em tempos que eu julgava ultrapassados, mas como sempre, a história repete-se, embora tenha novos protagonistas.

FMSG disse...

Também não sou a favor da pena de morte, mesmo que seja aplicada a quem a sentenciou tantas vezes e com julgamentos fantoche! Dir-se-ia que Saddam teve o que mereceu, a tempestada dos ventos que semeou, mmas quem perde é o direito internacional; o Iraque (e o Islão!) têm um novo mártir e entre o "deve e o haver", não sei quem lucrou mais com esta morte!

Abraços e excelentes entradas para ti e para a tua namorada! :)

Miguel

brincalhona disse...

Também senti compaixão pelo bandalho. Tratei logo de reavivar a memória com as imagens dos curdos mortos à ordem do tirano. Sou contra a pena de morte.