Avançar para o conteúdo principal

TV


Não vejo tv por opção há mais de três anos, e sinto que me libertei de um vício comparável ao das drogas.
Um indivíduo que se prostre durante 3 horas por dia, o que não é difícil, em frente ao aparelho, acaba por desperdiçar 90 horas mensais, ou 1095 horas anuais. Em 20 anos serão 2 anos e meio, na maior parte das vezes a absorver futilidades. DOIS ANOS E MEIO!!!
E vêm-me dizer que não têm tempo para nada...
Infelizes.

Comentários

TiCo disse…
LOL
Bem Vindo ao grupo :) ja n sou adepto da tv a cerca d 7 anos :) mas infelizmente vejo monitor ;) o meu trabalho é este mesmo estar a frente do monitor! mas pelo menos n sou devorado pelo monopolio da imagem!
Cm tu dizes sinto.me mesmo libertado da TV, sinto.me que posso respirar!Sinto que penso por mim proprio e não sou arrastado por onde a TV me quer levar!!!
A.C. disse…
Perfeitamente de acordo contigo, amigo. Realmente o tempo passado em frente ao televisor só serve, salvo raríssimas excepções, para desperdiçar um recurso importante da nossa individualidade: a inteligência!

Um abraço
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.

Mensagens populares deste blogue

Quo vadis

Esta época de festas, de família, de amizade, de reencontros, de fim de ano, é a altura ideal para refletir sobre o que realmente queremos e o que realmente somos. Se estamos no caminho certo, naquela caminhada que pretendemos trilhar rumo a um futuro risonho para nós e para os  outros, ou se meramente estamos a curtir o momento e a saborear o dia-a-dia sem querer pensar em responsabilidades.

Fica o desafio para os corajosos, claro!


Aldeia demasiado global?!

Vivemos num mundo muito pequeno, numa aldeia global, graças às comunicações que foram sendo estabelecidas ao longo da História e com um grande contributo da expansão marítima portuguesa. Martin Page até escreveu o livro Portugal, a primeira aldeia global. Em pleno século XXI ninguém está longe, todos estamos à distância de um click. Contudo, é extraordinário como com todas essas potencialidades de proximidade relativa se vivam tempos de tanta distância entre pessoas que vivem lado a lado. A tecnologia que serviria para falarmos, vermos, a grandes distâncias são a razão pela qual as pessoas não se comunicam a curtos metros, pois cada um está ofuscado com a luminosidade do seu ecrã. A tecnologia de ponta só fará sentido se melhorar a nossa qualidade de vida e não o contrário. Bom ano!

Caixa de Pandora, do bem.

Mudar de hábitos, por tomada de consciência, torna-se uma demanda de progressão sem fim. O que em certa medida é ótimo, pois é sinal que estamos a aprimorar, mas que muitas vezes gera conflito social, num círculo mais próximo com a família, num círculo mais alargado com os demais colegas e conhecidos. A mudança para uma alimentação vegana tem, maioritariamente, como principal motor a ética animal, o apercebermo-nos que não necessitamos de viver com base no sofrimento dos outros, que esses outros não têm de morrer, torturados de forma macabra, para que nos possamos alimentar dos seus músculos, vísceras e orgãos internos, ou usarmos as suas peles. Após o momento em que se decide mudar a alimentação por questões éticas é um não volta atrás. Já as mudanças por razões de melhoria da saúde muitas vezes têm um volte face, e quem se apregoava vegetariano vem alguns meses ou anos depois dizer que voltou a comer carne, seja qual for a desculpa que achou mais conveniente. Apesar de alguns adota…