Avançar para o conteúdo principal

Salvar o Mundo


Digam que querem salvar o mundo e o vosso interlocutor rir-se-á de vocês. Ele por ser um acomodado e um incapaz, uma mente obtusa, julga tal tarefa impossível, e talvez desnecessária. Mas por muito que nos custe sair do acomodamento, do nosso ninho confortável, infelizmente o mundo necessita de ser salvo.
Muitos dirão que tal tarefa caberá aos grandes líderes e eu não digo que em parte o processo não passe por eles, mas o verdadeiro salvador é o anónimo, o comum dos mortais que com pouco pode fazer muito. E pensando em líderes basta atentar no presidente norte americano, aquele palhaço (desculpem-me os palhaços), que o mais certo, caso dependêssemos dele, seria a extinção da espécie humana.
Tudo isto para vos falar do livro The Rough Guide to a Better World, um guia essencial para nos conduzir na construção de um mundo melhor, tornando-nos partes activas na causa.
The Rough Guide to a Better World orienta-nos no sentido de combatermos a pobreza. Este mal é bem conhecido nas sociedades desenvolvidas, apesar dos esforços daqueles que combatem a fome, as doenças e a iliteracia serem pouco divulgados.
Este guia mostra-nos como nos podemos envolver, abordando:
- as questões: como a prosperidade nos países pobres nos beneficia a todos; como funciona o desenvolvimento; e porque é que as más notícias são apenas metade da história.
- os desafios: a forma como os países desenvolvidos encaram a natureza e a amplitude do problema.
- cinco formas de mudar o mundo: como o activismo, o comercio e o turismo ético ou justo, a caridade e o voluntariado podem ajudar.
- a informação: informando-nos o que fazer, desde alterações nos hábitos de consumo, até uma mudança de emprego. Mostrando-nos as formas mais eficazes de contribuir e dando-nos contactos de organizações apropriadas.

Lançado em Inglaterra onde é distribuído nos postos dos correios, gratuitamente, difundiu-se por todo o globo via Internet. Os pedidos podem ser feitos para
http://www.roughguide-betterworld.com/ pagando-se apenas os portes. Há ainda a possibilidade de o descarregar em formato pdf.

Be part of it.

Comentários

I read over your blog, and i found it inquisitive, you may find My Blog interesting. My blog is just about my day to day life, as a park ranger. So please Click Here To Read My Blog

Mensagens populares deste blogue

Seja feliz

Para se ser saudável tem de se ser feliz.A infelicidade mina a saúde.Não, e ela não nos cai nas mãos, temos de ir à sua conquista. O mais importante é que não dependemos de ninguém, a felicidade mais pura está nas mais pequenas coisas, mas para o percebermos temos primeiro de liberar algum lixo que ocupa a nossa mente.Seja feliz, pela sua saúde!

Vem comigo

Vidas frustradas por ilusões perdidas. Vidas gastas na comiseração. Zona de conforto que aprisiona a pobre alma, sem esta conseguir a garra, o entusiasmo para quebrar o fino fio que a prende, quando ela julga ser uma pesada corrente.Frustração dirigida ao outro pelo simples facto de não saber lidar com a dor que sente, por ver a vida passar por entre os dedos.Quantos apenas vêem o abismo à sua frente e não percebem que têm asas para voar. Asas tolhidas pela ignorância, agrilhoadas pelo deixa andar que um dia vai mudar.A existência passa e quando a senhora da foice chega já é demasiado tarde para despertar e correr para os braços da profunda realização.Mata a zona de conforto e vem comigo, não vai ser fácil, mas vai ser muito gratificante. E na caminhada sorrimos como se a meta fosse apenas mais uma etapa.

Mike, o galo sem cabeça

Quantos tempo conseguirá uma galinha viver sem cabeça?
Se me fizessem essa pergunta há uma semana responderia, sem sombra de dúvidas: uns minutos, no máximo. Contudo, ao saber do que se passou no Colorado, EUA, em 1945, faz com que hoje tenha opinião diferente.
Nesse ano longínquo, Lloyd Olsen na tentativa de matar um jovem galo para o jantar não cumpriu na perfeição o serviço e o galo sobreviveu, pasme-se: sem cabeça.
A veia jugular e o troco cerebral não foram danificados o que permitiu ao bicho sobreviver.
Artigos sobre o tema foram publicados nas revistas Time e Life, e hoje em dia existem vários sites que atestam este fenómeno, como pode ver no fim deste post.
O dono do "afortunado" galináceo, com olho para o negócio, não perdeu tempo e passou a cobrar 25 cêntimos para quem quisesse ver Mike, nome que lhe fora atribuído.
Os espectáculos de rua sucediam-se e no auge do sucesso Mike ganhava 4.500 dólares por mês e valia 10.000.
Seguiu-se uma fase negra para o mundo aviário, pois…